Rádio Observador

Défice Público

OCDE prevê menos crescimento em Portugal e défice mais elevado em 2019

419

No relatório com as previsões económicas mundiais, a OCDE prevê que a economia portuguesa cresça 1,8% este ano, abaixo dos 2,1% que antecipava em novembro e uma décima abaixo da estimativa do Governo.

Do lado positivo, a OCDE indica que novas melhorias na competitividade das exportações portuguesas podem resultar em maiores ganhos na quota de mercado

LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A OCDE está menos otimista que o Governo quanto ao crescimento económico e ao défice deste ano, tendo revisto em baixa a estimativa para o PIB para 1,8% e agravado a previsão do défice para 0,5%.

No relatório com as previsões económicas mundiais divulgado esta terça-feira (‘Economic Outlook’), a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) prevê que a economia portuguesa cresça 1,8% este ano, abaixo dos 2,1% que antecipava em novembro e uma décima abaixo da estimativa de 1,9% do Governo.

Já para 2020, a OCDE antecipa uma expansão de 1,9%, o mesmo que antecipava em novembro.

“Prevê-se que o crescimento económico permaneça estável, em 1,8% e 1,9% em 2019 e 2020”, indica o relatório da OCDE, que antecipa que “o consumo privado vai continuar a aumentar em resposta ao crescimento persistente do emprego e, mais recentemente, aos aumentos salariais”.

Para a taxa de desemprego, a OCDE antecipa que se fixe nos 6,3% este ano, face aos 6,4% estimados em novembro e abaixo da previsão de 6,6% do Governo, descendo depois para 5,9% em 2020, também abaixo dos 6,3% antecipados pelo executivo.

A OCDE antevê ainda que “o crescimento do investimento empresarial deve permanecer robusto”, enquanto “o crescimento das exportações diminuirá no âmbito do enfraquecimento da atividade económica nos principais parceiros comerciais de Portugal”.

A entidade indica que a redução prevista do crescimento económico em mercados que são destino das exportações portuguesas, como Espanha, Alemanha e Reino Unido, constituirá um “obstáculo ao crescimento das exportações”.

Segundo o relatório, a política orçamental deverá apoiar o crescimento económico em 2019 e 2020.

“Os profundos cortes temporários nos salários do setor público no auge da crise foram revertidos, o emprego público está a voltar a crescer e novas mudanças nas políticas tributárias e de benefícios deverão suportar o aumento do rendimento disponível”, indica a OCDE, que adianta que o investimento será reforçado por uma maior absorção dos fundos da União Europeia nos próximos anos.

E a entidade recomenda que “revitalizar os projetos de investimento público com elevados retornos económicos é fundamental, face ao rápido envelhecimento da população e ao lento crescimento da produtividade”.

Para o défice, a OCDE antecipa agora que se fixe nos 0,5% do Produto Interno Bruto (PIB) este ano, o mesmo valor registado em 2018 e uma previsão que compara com o défice de 0,2% que a organização previa em novembro, a mesma que o Governo antecipa para 2019.

Para 2020, a OCDE espera agora um défice de 0,2% do PIB quando em novembro antecipava um excedente orçamental de 0,1%. Já o executivo espera um excedente de 0,3% no próximo ano.

A organização indica que os riscos para Portugal incluem um aperto nas condições financeiras e adverte que, em particular, um aumento nas taxas de juro nos mercados pode afetar os gastos das empresas e famílias e conduzir a um aumento do ‘stock’ de crédito malparado nos balanços dos bancos.

Do lado positivo, a OCDE indica que novas melhorias na competitividade das exportações portuguesas podem resultar em maiores ganhos na quota de mercado.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Défice Público

Desta vez foi diferente? /premium

Helena Garrido
106

Ouvimos vários governos durante as últimas mais de duas décadas prometerem-nos que agora sim, as contas públicas estão controladas. Será desta vez diferente?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)