Rádio Observador

Guiné Equatorial

Guiné Equatorial assegura ao FMI que já saiu da recessão económica há dois anos

A Guiné Equatorial diz que a sua economia registou uma contração de 6,8% em 2016 e que registou expansões económicas desde então. No entanto, o FMI aponta para crescimentos económicos negativos.

A Guiné Equatorial diz que em 2018 cresceu 3,4%, enquanto o FMI diz que o crescimento foi negativo em 5,7%

LUSA

O Governo da Guiné Equatorial enviou informação ao Fundo Monetário Internacional (FMI), assegurando que já saiu da recessão económica em 2017 e que registou crescimentos de 7,3% nesse ano e de 3,4% em 2018.

A informação consta nas tabelas dos números oficiais enviados ao FMI ao abrigo da adesão ao programa avançado de disseminação de dados que o FMI encoraja os países a usar para promover a transparência nas contas públicas, e contraria os números que o FMI disponibiliza na sua página, que apontam para uma manutenção do crescimento económico negativo desde 2014 e até 2022.

Nos números consultados esta quinta-feira pela Lusa, a Guiné Equatorial diz que a sua economia registou uma contração de 6,8% em 2016, à semelhança das recessões dos três anos anteriores, e que registou expansões económicas desde então – os últimos dados disponíveis são os de 2018, não havendo previsão para este ano.

No entanto, consultando a página do FMI referente à Guiné Equatorial, constata-se que o Fundo aponta para crescimentos económicos negativos desde 2015 até 2023, só prevendo um crescimento positivo, de 1,5%, em 2024.

Assim, enquanto a Guiné Equatorial diz que em 2017 cresceu 7,3%, o FMI aponta para uma contração de 4,7%, e em 2018 o país diz que cresceu 3,4%, enquanto o FMI diz que o crescimento foi negativo em 5,7%.

O programa avançado de disseminação de dados (Enhanced General Data Dissemination System, no original) é uma plataforma de apresentação dos dados oficiais de cada país, com o objetivo de “servir de ponto único de publicação para os dados macroeconómicos essenciais sobre as contas nacionais, operações governamentais e de dívida, setor monetário e financeiro, e balança de pagamentos”, de acordo com o comunicado distribuído hoje ao final da tarde.

Estes dados, lê-se no comunicado, “dão colocados no site do Gabinete de Estatísticas Nacional, utilizando a Troca de Dados e Metadados Estatísticos”, e é acessível através de uma plataforma informática disponibilizada pelo FMI.

“Esta página contém ligações para as estatísticas publicadas pelos produtores oficiais de dados, nomeadamente o Banco Central dos Estados Africanos Centrais, o Instituto de Estatísticas Nacional e o Ministério das Finanças, Economia e Planeamento” da Guiné Equatorial, segundo o comunicado.

“A publicação de dados macroeconómicos essenciais através do site vai dar aos decisores políticos nacionais e acionistas internos e externos, incluindo investidores e agências de notação financeira, acesso fácil a informação que o FMI identificou como crítica para monitorizar as condições económicas e de políticas”, lê-se ainda no comunicado divulgado em Washington.

A Lusa já enviou questões ao FMI pedindo esclarecimentos sobre esta discrepância nos dados, mas não teve resposta até ao momento.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)