Rádio Observador

Séries

Presidente, político, presidiário. A vida de Gil y Gil deu uma série documental

Foi preso pela primeira vez em 1969 e, se não tivesse morrido entretanto, em 2004 contabilizaria a quarta "encarceração". A vida do polémico presidente do Atlético de Madrid estreia dia 14 na HBO.

A série documental "O Pioneiro" estreia dia 14 de julho na HBO

Getty Images

É a voz do próprio quem o diz, no final do trailer da série documental de quatro episódios que estreia dia 14 na HBO: Jesús Gil y Gil sempre foi um líder. Até na prisão, para onde entrou pela primeira vez em 1969, ainda era empresário do ramo imobiliário, condenado a cinco anos de prisão depois de o restaurante do seu mais novo complexo residencial na província de Segóvia colapsar durante um banquete, provocando a morte de 58 pessoas e ferido outras 150.

Ficou provado: a obra tinha sido feita sem qualquer tipo de licenciamento. Gregorio Jesús Gil y Gil, então com 36 anos, casado e já pai de quatro filhos, pagou a fiança de 100 milhões de pesetas exigidas para cobrir os custos de responsabilidade civil decorrentes do acidente. Depois deu entrada na pequena cadeia de Segóvia, que à data pouco mais albergava do que bêbedos e vagabundos — e era por isso jocosamente apelidada de “Ebrios” pelos cidadãos cumpridores da cidade.

Mais do que líder, na prisão foi rei: contou o El Mundo em 2002, ficou numa cela que mais parecia o seu escritório — e tratou de continuar a gerir os seus negócios, como se estivesse em liberdade. Impecavelmente vestido, recebia empregados e fornecedores. E ao negócio imobiliário, acrescentou o da venda de conservas, vinho, café e tabaco aos outros presos.

Não comia o mesmo que eles: todos os dias, os chefs dos melhores restaurantes Los Ángeles de San Rafael, o complexo residencial que ergueu sem licenças a 68 km de Madrid, tratavam de lhe preparar o almoço, a partir de ementas feitas pelo próprio Gil y Gil, e que invariavelmente continham os seus favoritos: leitão, caranguejos de rio, robalo, pescada, patas de rã e ensopado de peixe, com whisky e charutos Montecristo para a sobremesa.

De vez em quando, Gil y Gil — que estudou num colégio de padres, ainda entrou na universidade em Madrid e viveu numa pensão de prostitutas mas começou a vida adulta a trabalhar num stand de carros em segunda mão — convidava outros prisioneiros ou funcionários da prisão para a sua mesa.

Quando, em fevereiro de 1972, ao fim de 27 meses, foi indultado por Francisco Franco, todos o adoravam. E ele a eles: seria preso outras duas vezes (em 1999 e em 2002, ambas as vezes por desvio de fundos públicos, prevaricação e falsidade), trataria sempre de ajudar os antigos companheiros de cárcere assim que saíam, primeiro dando-lhes emprego em Los Ángeles de San Rafael, depois nos serviços de limpeza e jardins da Alcaldía de Marbella, que liderou entre 1991 e 2002.  Só não existem registos de que tenha levado ex-presidiários para o Atlético de Madrid, clube de futebol de que se tornou sócio em 1981 e a que presidiu entre 1987 e 2003.

Um jacuzzi, um partido político e um cavalo

Um personagem corrupto, polémico e megalómano, que uns odeiam e, ainda assim, outros tantos adoram. É desta forma que a HBO apresenta Jesús Gil y Gil, o homem que no mesmo ano (1991) em que criou um partido político com o seu nome — Grupo Independiente Liberal, GIL –, ganhou as eleições com maioria absoluta e aceitou apresentar um programa de televisão em cuecas e cordão de ouro ao pescoço, dentro de um jacuzzi, rodeado por uma série de raparigas em biquíni.

“Já começam a ter medo. Não querem que o Gil seja alcaide, tenho a certeza. O Gil chateia, o Gil é difícil, o Gil é perigoso”, ouve-se também na promoção de “O Pioneiro”, com o político e dirigente a recorrer ao popular recurso futebolês e a falar na terceira pessoa no singular.

Como esta, há muito mais frases polémicas e até listas com as barbaridades que Gil y Gil,  nascido numa família humilde, numa pequena cidade na província de Sória, proferiu ao longo dos anos. Grande parte delas foram ditas enquanto presidente do Atlético de Madrid, cargo que o tornou conhecido internacionalmente mas que nem por isso lhe deu tantas alegrias desportivas quanto isso: ao longo dos 16 anos em que esteve à frente do clube, era Paulo Futre a estrela maior da equipa, os colchoneros ganharam um campeonato e três taças de Espanha.

“Era pegar numa metralhadora e fuzilá-los. Se não marcam, que morram. Alguns jogadores não merecem viver.”

“Para mim, contratar um treinador é como beber uma cerveja. Posso contratar 20 num ano. Ou até cem se for preciso.” 

“O meu erro foi tratar os futebolistas como pessoas.”

“Os pretos do Ajax… Aquilo parecia o Congo, com todo o respeito. Olhavas para um lado e estavam quatro pretos a aquecer, olhavas para o outro e estavam outros cinco, e no campo mais três. Saíam pretos de todo o lado, como de uma máquina de fazer churros. E, para que conste, eu não sou racista.”

“Ia contratar um jogador importante mas entretanto soube que ele era maricas… e aí disse: este não ponho eu no balneário.”

Também enquanto presidente do clube, que converteu em sociedade anónima desportiva, mantendo em seu poder 85% do capital social, chegou a agredir outros dirigentes, um deles, o presidente do Compostela, em frente a câmaras de televisão e enquanto gritava: “Volta a dizer o nome do Gil e arranco-te a cabeça!”. Já nos dois cargos que ocupava, fazia o que queria sem prestar contas a ninguém — e isso incluía inflacionar o preço de jogadores, falsificar contratos e movimentar dinheiro entre as suas contas pessoais e as do clube e da Alcaldía de Marbella.

Paradoxalmente, nos jornais, fazia por aparecer como o excêntrico e destravado presidente que não fechava negócios sem antes se aconselhar com Imperioso, o seu cavalo branco — “A paixão que tinha por ele provocou até ciúmes nos meus jogadores. Em 1997, enquanto estávamos a jogar para a Champions com o Ajax, em Amesterdão, o Imperioso foi operado em Madrid despois de uma cólica intestinal, foi uma situação de vida ou de morte. Telefonei desde o relvado 16 vezes para saber como estava a correr. O Radomir Antic [então treinador do Atlético] queixou-se de que o presidente estava mais interessado no cavalo do que na equipa”, contou uma vez o próprio Gil y Gil –, ou a exibir um crocodilo bebé, que dizia alimentar a ovo cozido, maçã e peixe.

Na série documental de quatro episódios que se estreia no próximo domingo, estarão alguns destes episódios, outros talvez não. Para fazerem “O Pioneiro” Enric Bach e Justin Webster tiveram acesso a material de arquivo e entrevistaram jornalistas, conhecidos e familiares de Jesús Gil y Gil.

Jesús Gil Marín, o primogénito, recordou perante as câmaras os anos de juventude do pai e o primeiro descapotável que comprou, que em Madrid era conhecido como o “carro da carne”, tantas eram as mulheres a quem ele fazia questão de dar boleia. “Até casar, o meu pai foi muito travesso. E quando digo muito travesso é mesmo muito”, contou Jesús Gil. “Era muito mulherengo, muito putanheiro. Muito, muito, muito”, disse mais prosaicamente um amigo de infância de Gil y Gil, que na noite em que ganhou o primeiro milhão de pesetas, já no ramo imobiliário, terá dormido em cima de uma série de notas de mil.

O retrato é o de uma vida de excessos que, talvez por isso mesmo, acabou cedo. Jesús Gil y Gil morreu a 14 de maio de 2004 de paragem cardíaca, cinco dias depois de ter sofrido um AVC, e foi velado no Estádio Vicente Calderón por mais de 15 mil pessoas. Tinha 71 anos e dois processos pendentes em tribunal — postumamente seria absolvido por prescrição dos factos num e considerado culpado no outro. O seu património líquido provisório, informou a família às autoridades, era de 625.007 euros em participações de empresas, mas nas suas contas existiam apenas 854 euros.

Em 2011, María Ángeles Marín e os quatro filhos do casal foram condenados a entregar ao Estado espanhol 105 milhões de euros, o valor (mais juros) alegadamente desviado por Gil y Gil da cidade de Marbella para os seus próprios cofres ao longo dos 11 anos em que foi alcalde da cidade. Como nunca chegaram a fazê-lo, as 150 propriedades da família continuam, em 2019, sob arresto. Não obstante, a família, agora encabeçada por Miguel Ángel Gil Marín, conselheiro do Atlético de Madrid e dono de 51% do clube, figura este ano na lista dos 200 mais ricos de Espanha. Património líquido: 240 milhões de euros.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: tpereirinha@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)