A alimentação artificial nas praias da Costa de Caparica e São João de Caparica, em Almada (Setúbal), começa na terça-feira, levando ao encerramento rotativo das praias, informou esta sexta-feira a Agência Portuguesa do Ambiente (APA). A empreitada tem um prazo de execução de 60 dias e concretiza-se no verão, num dos meses de maior afluência às praias de Almada, devido à operação de dragagens e bombeamento de areia que “só pode realizar-se em período de baixa ondulação (menos de dois metros) e sempre respeitando as marés”, explicou a APA, em comunicado.

Ainda assim, aquela entidade tranquilizou os banhistas ao referir que as praias serão “intervencionadas rotativamente” e que cada uma “só encerrará por um período curto, permitindo a utilização das praias restantes”. Segundo a nota divulgada, são mais de um milhão de metros cúbicos de areia que serão distribuídos pelas instâncias balneares, estando previsto que se inicie nas praias da Saúde e Nova, situadas a sul, e posteriormente vai continuar para norte.

“Esta intervenção é uma obra de proteção costeira e tem como objetivo a proteção de pessoas e bens através da melhoria da proteção da costa contra o desgaste e destruição provocados pela ação dos agentes hidráulicos de erosão”, explicou. A empreitada é realizada em parceria com a Administração do Porto de Lisboa e tem um investimento total na ordem dos 5,8 milhões de euros, sendo financiada por fundos comunitários do Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos (POSEUR).

O protocolo de cooperação técnica e financeira entre as duas entidades foi celebrado em 21 de dezembro de 2018, tendo em vista o “aproveitamento das areias retiradas do Canal da Barra Sul, na entrada do estuário do Tejo, para posterior colocação nas praias”, segundo a APA. A consignação da obra realiza-se na próxima terça-feira, dia 13 de agosto, pelas 11h00.