Rádio Observador

Reino Unido

Boris Johnson diz que tem nova solução para o “backstop”, mas Tusk responde: “Não é alternativa realista”

Boris Johnson escreveu ao presidente do Conselho Europeu a propor o fim do principal obstáculo entre Londres e Bruxelas: a fronteira com a Irlanda. Tusk responde: "Não é alternativa realista".

Boris Johnson enviou a carta a Tusk na segunda-feira. O presidente do Conselho Europeu respondeu via Twitter esta terça-feira

Getty Images

Boris Johnson propôs numa carta enviada na segunda-feira ao presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, a eliminação do backstop, aquele que tem sido um dos principais pontos de discórdia entre Londres e Bruxelas no processo de negociação do Brexit. O primeiro-ministro britânico afirma que quer chegar a acordo e propõe soluções alternativas ao backstop. Contudo, Tusk já respondeu à carta e rejeita a proposta de Johnson. “Aqueles que são contra o backstop”, escreveu Tusk esta terça-feira no Twitter, não estão “a propor alternativas realistas”.

Na carta, o sucessor de Theresa May diz que espera sair da Europa “com um acordo”, apesar de já ter afirmado que o Reino Unido vai “sair” mesmo se não chegar a entendimento com Bruxelas.

Espero que possamos sair com um acordo. Tem a minha palavra em como este governo vai trabalhar com energia e determinação para alcançar um acordo. Essa é a nossa maior prioridade”, declara Johnson na carta.

Boris Johson acrescenta, no entanto, que quer a eliminação do backstop, a solução que pretende evitar uma fronteira física com a vizinha República da Irlanda e a Irlanda do Norte (que faz parte do Reino Unido). Essa fórmula consiste em criar um “território aduaneiro comum”, abrangendo a União Europeia e o Reino Unido, no qual não haveria quotas ou tarifas para produtos industriais e agrícolas. No fundo, o backstop é uma espécie de apólice de seguro para as relações entre Reino Unido, Irlanda do Norte e Europa no pós-Brexit.

O primeiro-ministro britânico afirma assim que o backstop não é viável, definindo-o mesmo como “anti-democrático e inconsistente” com a soberania do Reino Unido. Johnson explica o porquê em três pontos.

Primeiro, escreve, “o backstop fecha o Reino Unido, indefinidamente, num tratado internacional que vai cegar o país para um território aduaneiro e que aplica legislação de mercados únicos na Irlanda do Norte”. Em segundo, o backstop prejudica o desejo do Reino Unido de manter uma longa relação com a União Europeia, justifica. Por fim, Johnson afirma que a solução põe em risco a “delicada balança” do Acordo de Belfast, assinado em 1998, e que colocou um fim à violência armada na Irlanda do Norte. Nesse acordo, a fronteira entre as duas Irlandas passou a ser transitável de um lado para o outro.

Por estas três razões, o backstop não pode fazer parte do acordo de saída. Isto é algo que ambos sabemos. Penso que a tarefa que se impõe é a de encontrar outras soluções e acredito que é possível chegar a um acordo”, conclui o líder britânico.

Afinal, o que propõe então Boris Johnson? O primeiro-ministro sugere a substituição do backstop por um acordo onde tanto o Reino Unido como a União Europeia se comprometem a não restabelecer a fronteira entre Irlanda e Irlanda do Norte e onde não haverá controlo aduaneiro. Johnson quer ver estas alterações concluídas antes do período de transição e frisa que vai ser necessária “confiança” entre as partes. “Estamos prontos para olhar de forma construtiva e flexível para aquilo que este compromisso pode ajudar, de forma consistente, claro, com os princípios definidos nesta carta”, acrescenta o primeiro-ministro.

Mas Donald Tusk parece não estar disposto a seguir esses princípios. O presidente do Conselho Europeu destaca a importância do backstop enquanto não houver outra alternativa e diz que os opositores a esta solução defendem o restabelecimento das fronteiras, “mesmo que não o admitam”.

A porta-voz da Comissão Europeia, Natasha Bertaud, também refere que a carta de Johnson não oferece “uma solução operacional legal”. Ainda assim, Bertaud afirma que Bruxelas está disponível para “trabalhar de forma construtiva com o Reino Unido”.

Simon Coveney, ministro dos Negócios Estrangeiros irlandês, também apoiou a posição de Tusk, na sequência do tweet do presidente do Conselho Europeu: “Esta tem sido a posição da União Europeia, de forma clara e consistente, e assim vai continuar”, afirmou, citado pela Sky News.

Em julho, Jean-Claude Juncker já tinha afirmado que o acordo existente, firmado entre Bruxelas e o então governo britânico liderado por Theresa May, é a melhor solução para a União Europeia, acrescentando que este não estava aberto para novas negociações.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)