Rádio Observador

Espanha

Listeriose. Carne de marca branca da fábrica da “La Mechá” também está contaminada

As análises à carne de marca branca da fábrica espanhola onde começou o surto confirmaram listeriose. E há um problema grave: a carne contaminada está mal etiquetada e é, por isso, difícil de detetar.

Robert King/Newsmakers

As análises preliminares à carne comercializada sob uma marca branca, proveniente da mesma fábrica da “La Mechá” que foi identificada como a origem do surto de listeriose que está a afetar Espanha, deram resultado positivo. Só na sexta-feira, seis dias depois de ser decretado o alerta sanitário, as autoridades espanholas conseguiram chegar à carne comercializada sob uma marca branca para a analisar e retirar do mercado.

A empresa Magrudis, que vende a marca La Mechá, terá produzido também carne para a marca branca vendida por Comercial Martínez León e as análises preliminares mostram agora que o produto também está contaminado com a bactéria listeria.

O governo andaluz só teve conhecimento que havia carne da empresa Magrudis a ser comercializada sob uma marca branca na quarta-feira, depois de um proprietário de uma loja em Brenes (Sevilha) ter comentado com um inspetor da junta que tinha vendido carne da empresa Magrudis sem saber. O alerta chegou de um responsável da Comercial Martínez León, que terá ligado ao comerciante para que retirasse o produto de venda. Os responsáveis da Câmara de Sevilha entraram nas instalações da empresa na sexta-feira, sem conseguir localizar o dono — que está a gozar o período de férias.

Fontes do município garantiram ainda, de acordo com o El País, que os clientes da empresa Comercial Martínez León foram todos notificados pelo proprietário, apesar de não ter sido confirmado o dia em que o aviso foi feito. Não se sabe, no entanto, quantos dias esteve disponível para venda a carne que também deu resultados positivos para listeria.

Carne vendida a marca branca está mal rotulada

A carne de “La Mechá” que foi comercializada como uma marca branca pela empresa Comercial Martínez León está mal rotulada, informou a Junta da Andaluzia à Agência Espanhola de Segurança Alimentar e Nutrição (Aesan), pertencente ao Ministério da Saúde.

Tal é confirmado pelo mais recente relatório da Agência sobre o surto causado pela bactéria listeria, que afeta mais de 200 pessoas e causou pelo menos uma morte — uma segunda está a ser investigada, a de uma pessoa em estado terminal com a presença da bactéria.

No relatório, a Aesan afirma ter conhecimento, através da Junta, de que se trata de um produto comercializado “sem qualquer marca registada”, o que implica “uma grande deficiência de comercialização e rotulagem”.

A Junta confirmou que o produto tem a mesma apresentação que o comercializado pela Magrudis, mas não aparece no rótulo nenhuma marca, apenas a informação nutricional, segundo a Aesan.

Para a saúde, isto é “uma deficiência gravíssima”, porque a rotulagem incorreta permite a comercialização deste produto – quando não deveria permitir – e impossibilita o consumidor de o associar ao produto da Magrudis ligado ao surto, mesmo tendo sido objeto de um alerta emitido a 16 de agosto.

Segundo os técnicos do Ministério, na situação atual do surto, esta deficiência tem “uma importância muito especial para a saúde” e pode ser entendida como uma prática “não padronizada” vender ao consumidor final um produto destinado a canais profissionais, o que acarreta um “risco inegável para a saúde”.

As autoridades de saúde da Andaluzia também informaram o Ministério de que contactaram as empresas-alvo destes produtos, que foram imobilizadas para impedir a venda do que é “um produto com um risco grave para os consumidores”.

Perante essa situação, a Aesan insiste na importância de adquirir apenas produtos corretamente rotulados, nos quais seja possível saber quem é o responsável por colocá-los no mercado.

No caso de produtos de carne destinados ao consumidor final, recorda que é necessário que a rotulagem contenha uma marca oval que inclua o número de registo sanitário do estabelecimento responsável.

Na sexta-feira, a investigação da listeriose foi estendida a outros doze produtos da Magrudis, bem como ao item de carne distribuído à Comercial Martínez León, que o comercializou logo como marca branca.

A Aesan também estendeu o alerta de surto, ou seja, vigilância e atenção sobre outros doze produtos da marca “La Mechá”, contabilizando já um total de 17.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)