Sete pessoas morreram ao final da tarde de sábado (madrugada em Lisboa) durante um tiroteio na cidade de Odessa, no Texas, Estados Unidos da América, e há mais uma pessoa em estado crítico. O mais recente balanço foi divulgado este domingo aos jornalistas pela polícia da cidade texana. O autor do ataque já foi identificado.

Segundo as autoridades, 22 pessoas ficaram feridas, incluindo três polícias e um bebé de 17 meses, que sofreu ferimentos devido a estilhaços. A criança foi transferida para uma unidade pediátrica e encontrava-se, no domingo, em condição considerada “satisfatória”, de acordo com as fontes hospitalares citadas pelo HuffingtonPost. Um dos hospitais que recebeu seis vítimas, o Midland Memorial Hospital, afirmou no sábado à ABC que três feridos estavam em estado crítico e três estáveis.

O incidente começou cerca das 16h locais de sábado (22h de Lisboa) perto de um semáforo perto da Interstate 20 e da Highway 191, que liga Midland a Odessa. O indivíduo, que seguia num Honda dourado, disparou primeiro sobre um polícia que tentava mandá-lo encostar devido a queixas sobre a sua condução irregular ao longo da Interstate 20, a autoestrada que liga as cidades de Odessa e Midland.

Depois, terá começado a disparar aleatoriamente sobre outros condutores, residentes e pessoas que estavam às compras. Os agentes da polícia acabariam por matar o atirador no parque de estacionamento de um cinema, na autoestrada 191.

O atirador foi identificado pelas autoridades como sendo Seth Ator, um homem de 36 anos, residente em Odessa. Relatos iniciais davam conta de que poderia haver mais do que um envolvido no tiroteio, mas a polícia de Midland confirmou, ainda no sábado, numa publicação no Facebook, que “o (único) atirador ativo foi atingido e morto em Odessa”. “Não há nenhum atirador ativo neste momento. Todas as agências estão a investigar relatos de possíveis suspeitos”, acrescentou a mensagem daquela força policial.

As autoridades revelaram que Ator foi despedido do seu emprego de camionista na manhã de sábado, horas antes do ataque. No entanto, a polícia frisou que ainda não conseguiu encontrar explicação para o tiroteio e para o nível de violência. “Neste momento, não há respostas definitivas no que diz respeito ao motivo ou às razões”, declarou Michael Gerke, chefe da polícia de Odessa.

A polícia fez buscas naquela que seria a casa de Ator, numa zona remota em Ector County, perto de Odessa. Uma vizinha descreveu o homem como “um solitário” e reservado. A mulher disse o ex-camionista a assustava, porque disparava armas de fogo de forma regular no exterior da sua casa. “Embora me sinta mal com esta situação, sinto-me em paz sabendo que ele foi morto. A ameaça foi eliminada e a minha família está em segurança outra vez”, disse a vizinha, citada pelo New York Times.

Trump: “Por muito mau que tenha sido, podia ter sido pior”

No domingo, em declarações aos jornalistas em Washington, Donald Trump agradeceu às autoridades e definiu o atirador como “uma pessoa muito doentia”: “É trágico, mas as autoridades fizeram um trabalho incrível, dadas as circunstâncias. Foi outra pessoa muito doentia. Quero agradecer a todos os envolvidos. Como se costuma dizer, por muito mau que tenha sido, podia ter sido pior. Mas foi, sem dúvida, mau. É uma situação muito, muito triste”, disse o Presidente.

Trump revelou ainda que o governo norte-americano está a preparar novas leis para fazer face à onda crescente de tiroteios no país, mas defendeu que investigar o passado dos compradores de armas não mudaria nada, voltando a falar em “problemas mentais”. “Por mais forte que seja esse controlo do passado, eles não iriam parar. Por isso, é um grande problema. É um problema mental”, acrescentou.

Hora antes, em declarações à ABC News, a porta-voz da Casa Branca Stephanie Grisham garantiu que o Presidente dos Estados Unidos da América estava a ser informado da evolução dos acontecimentos. A primeira reação de Donald Trump chegou através do Twitter, onde confirmou que tinha sido informado acerca do assunto pelo procurador-geral, William Barr, acrescentando apenas que as autoridades policiais estavam “completamente envolvidas”.

No início deste mês, em El Paso, no mesmo estado, um jovem de 21 anos entrou num hipermercado Walmart e matou 20 pessoas num tiroteio.

EUA. Em menos de 24h, dois tiroteios resultaram em 32 mortos e mais de 40 feridos

Artigo atualizado às 9h30 desta segunda-feira