Rádio Observador

Animais

Quase 50% das autarquias não têm como cuidar e esterilizar cães e gatos

1.830

Quase 50% das autarquias não instalaram serviços próprios para cuidar e esterilizar cães e gatos, havendo 136 Centros de Recolha que servem mais de 150 municípios. 130 candidataram-se aos apoios.

ESTELA SILVA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Quase 50% das autarquias ainda não instalaram serviços próprios para cuidar e esterilizar cães e gatos, havendo 136 Centros de Recolha Oficial (CRO) que servem mais de 150 municípios, informou esta quarta-feira a Direção-Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV).

“Existem 136 CRO, incluindo alguns que são intermunicipais, servindo mais de 150 municípios [de 308]”, revelou a DGAV à agência Lusa, indicando que os Centros de Recolha Oficial são tutelados pelas Câmaras Municipais ou pelas Comunidades Intermunicipais.

Em 2018, o Governo abriu um concurso que permitiu apoiar 17 candidaturas de autarquias ou agrupamentos de municípios na construção de CRO, com o financiamento de 975.318,91 euros, através de um programa de concessão de incentivos financeiros.

De acordo com a DGAV, em 2019, foram selecionados 20 projetos no valor de 1.128.615,70 euros, tendo já sido assinados 18 contratos para a construção de CRO.

“Para a construção de CRO foram abertas novas candidaturas nos termos do Despacho n.º 4417/2018, de 07 de maio, referente ao Programa de Concessão de Incentivos Financeiros para a Construção e a Modernização de CRO”, referiu a DGAV.

As entidades apoiadas foram as autarquias de Alcoutim, Almeida, Almeirim, Alpiarça, Amares, Arruda dos Vinhos, Avis, Campo Maior, Celorico de Bastos, Crato, Marvão, Monforte, Peniche Porto de Mós, Reguengos de Monsaraz, Vila Viçosa e os agrupamentos de municípios Baião e Resende; Penedono, Sernancelhe e São João da Pesqueira; Moimenta da Beira, Armamar e Tabuaço; e Bombarral e Cadaval.

A DGAV lembrou que os projetos foram selecionados e os contratos programa celebrados no âmbito da Cooperação Técnica e Financeira entre a Administração Central e o setor local.

A seleção de projetos e a assinatura de contratos ocorreram através do Despacho n.º 6258-A/2019, de 8 de julho, assinado pelo secretário de Estado da Agricultura e Alimentação, pelo secretário de Estado do Orçamento e pelo secretário de Estado das Autarquias Locais.

Mais de 130 municípios candidataram-se a apoios de esterilização animal até agosto

Mais de 130 municípios candidataram-se à campanha de apoio à esterilização de animais de companhia até agosto, financiada em 287.225 euros, mais do que todo o ano passado, anunciou esta quarta-feira a Direção-Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV).

De acordo com dados disponibilizados à agência Lusa, desde o início do ano, o Estado já pagou cerca de 270 mil euros às candidaturas de 136 municípios em apoios de esterilização para cães e gatos. Em 2018, a DGAV atribuiu mais de 250 mil euros em apoios à campanha.

A DGAV atentou que o controlo dos animais errantes é uma competência das Câmaras Municipais, devendo estas promover medidas de luta contra o abandono e campanhas de promoção de adoções ou reconciliação dos animais perdidos com os respetivos donos, além de promoverem a recolha no Centros de Recolha Oficial (CRO).

Para se candidatarem ao apoio é necessário que os Centros de Recolha Oficial (CRO) municipais ou intermunicipais registem um mínimo obrigatório de 25 esterilizações, podendo os municípios beneficiar de apoios até aos 15.000 euros e as entidades gestoras de CRO intermunicipais até 30.000 euros.

O apoio financeiro da DGAV consiste na atribuição de quantias fixas por cada esterilização: 15 euros para gatos, 35 euros para gatas, 30 euros para cães e 55 euros para cadelas. “A administração central tem apoiado financeiramente as autarquias na remodelação e construção de novos CRO, na construção de salas de esterilização e na realização de campanhas de esterilização [500 mil euros por ano]”, segundo a entidade.

Além do apoio financeiro às autarquias, o Governo tem promovido também iniciativas de sensibilização da população todos os anos contra o abandono de animais, com enfoque na detenção responsável dos animais.

A DGAV salientou que tem estado envolvida num grupo de trabalho, com a Direção-Geral da Educação (DGE), que visa a introdução das matérias relacionadas com a detenção responsável e com o bem-estar animal nos currículos escolares, para crianças desde o pré-escolar ao ensino secundário.

Com o objetivo de insistir em campanhas de esterilização, o Governo aprovou mais 50.000 euros até 30 de novembro, para esterilizações de cães e gatos.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Animais

Animais domésticos não são uma construção social

Manuel Magalhães Sant’Ana
1.648

Há uma espécie de socialismo utópico da relação homem-animal que tem vindo a ganhar influência na sociedade, catapultada por iniciativas animalistas do PAN e de outros partidos da esquerda parlamentar

Ambiente

Ser ambientalista agora é muito fácil

Salvador Malheiro
291

Qual é a estratégia de descarbonização quando, neste mandato, o Bloco quis a todo o custo taxar as energias renováveis, se opôs à construção de barragens, à energia eólica e à exploração de lítio?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)