O número de mortos no sismo que atingiu na terça feira a zona de Caxemira controlada pelo Paquistão aumentou para 37, existindo pelo menos 500 feridos, informou esta quarta-feira o comissário local Mohamed Tayyab. A maioria das mortes ocorreu no distrito de Mirpur, a área mais atingida pelo terramoto de terça-feira.

Mohamed Tayyab indicou que o número de vítimas aumentou nas últimas horas devido à morte de pessoas hospitalizadas, alertando que é possível que aumente ainda mais, já que alguns feridos estão em estado grave. Pelo menos 167 pessoas permanecem hospitalizadas em tratamento, enquanto os restantes feridos foram tendo alta ao longo do dia.

O terramoto ocorreu na terça feira ao início da tarde, perto da cidade de Mirpur. O Serviço Geológico dos Estados Unidos relatou inicialmente um terramoto de magnitude 5,8 na escala de Richter, reduzindo-o mais tarde para 5,6. O sismo foi sentido em todo o Paquistão nas cidades de Peshawar, Lahore, Murree e Islamabad, capital do país.

As operações de resgate terminaram na madrugada desta quarta-feira. As autoridades locais estão a redigir um relatório sobre os danos em infraestruturas. A Autoridade Nacional de Gestão de Desastres disse em comunicado que 135 casas foram seriamente danificadas pelo terramoto, enquanto outras 315 sofreram danos menores na Caxemira.

O Exército informou em comunicado que três pontes foram danificadas pelo sismo e que várias estradas foram bloqueadas.

O sul da Ásia tem um alto nível de sismicidade pela proximidade aos Himalaias, onde chocam as duas placas continentais da Índia e da Euroásia, que convergem a uma velocidade relativa de 40 a 50 milímetros por ano.