Uma mulher de 34 anos foi reanimada num hospital em Espanha depois de ter estado seis horas em paragem cardiorrespiratória na sequência de uma hipotermia severa. Audrey Marsh, uma professora de inglês em Barcelona, estava com o marido a esquiar em Girona quando foi surpreendida por uma tempestade de neve. Perdeu a consciência, a temperatura corporal desceu aos 18ºC e o coração deixou de bater. Mas sobreviveu sem sequelas seis horas depois do resgate. conta o La Vanguardia.

Este é “um caso excepcional no mundo, a paragem cardíaca mais longa alguma vez documentada em Espanha”, anunciou esta quinta-feira um médico do Serviço de Medicina Intensiva e membro da equipa de Oxigenação com Membrana Extracorporal do Hopistal de Vall d’Hebron. Neste momento, Audrey Marsh está praticamente recuperada, embora os movimentos e a sensibilidade das mãos tenham sido afetados pelo frio.

Era meio-dia de 3 de novembro, um domingo, quando Audrey Marsh foi atingida pela tempestade que a atirou para uma hipotermia severa. Após analisarem as chamadas telefónicas do casal e as fotografias enviadas aos amigos, as autoridades conseguiram chegar ao local do acidente. Eram 15h40. Por essa altura, a temperatura corporal da professora era de 18ºC.

A mulher foi então levada de helicóptero para o hospital, onde deu entrada às 17h44. A temperatura corporal tinha subido ligeiramente — era, nessa altura, de 20,2ºC —, mas Audrey já não tinha sinais vitais constantes: o coração não tinha atividade elétrica, os rins tinham-se desligado e os pulmões não funcionavam. Ainda assim, os médicos consideravam que havia uma última opção — o ECMO.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O ECMO é um “tratamento de oxigenação com membrana extracorporal”, explica o El País. A máquina usada nesse tratamento consegue substituir as funções do coração e dos pulmões, retirando todo o sangue que existe no corpo humano, enriquecendo-o com oxigénio e reintroduzindo-o numa artéria. Isso não só contorna o problema do colapso dos órgãos, como permite aumentar a temperatura corporal.

Quando o termómetro chegou aos 30ºC, os médicos usaram um desfibrilador — o instrumento usado em casos de paragem cardíaca para enviar uma descarga elétrica para o coração e fazê-lo bater novamente. Foi nesse momento que Audrey Marsh voltou à vida. Eram 21h46 quando a professora de inglês foi reanimada com sucesso. Estava há seis horas em paragem cardíaca.