Luca de Meo, que deixou a liderança da Seat a 7 de Janeiro, acaba de ser nomeado CEO da Renault. Em comunicado, o gestor italiano é apresentado como a melhor escolha para os desafios que se avizinham: “O Conselho de Administração considerou que o senhor Luca de Meo, pela sua carreira, pela sua experiência e pelo sucesso que conquistou em funções anteriores, reúne todas as qualidades para contribuir para o desenvolvimento e a transformação do Grupo Renault em todas as suas dimensões.”

Tal como se esperava, o anúncio não só vem confirmar os rumores que há muito davam o ex-homem forte da Seat como certo na Renault, como também surge na altura esperada. Isto porque, de acordo com a Bloomberg, a Renault teria interesse em apresentar um novo rosto para a sua liderança, para sinalizar que a era Ghosn é algo do passado, antes de uma reunião “crucial” com os restantes membros da Aliança, Nissan e Mitsubishi. O encontro decorrerá no Japão, na próxima quinta-feira.

Luca de Meo só assumirá o novo cargo a 1 de Julho, adianta a nota enviada à imprensa. Recorde-se que o italiano, apesar de ter saído da Seat, continua ligado ao Grupo Volkswagen. Segundo a Reuters, o contrato que o liga ao conglomerado germânico tem uma cláusula de não concorrência, que Luca de Meo terá de respeitar. Daí que na semana passada, em Davos, o “patrão” da Volkswagen, Herbert Diess, tenha admitido aos jornalistas que o italiano deveria estar “em negociações com a Renault”.

Enquanto o novo CEO da Renault não inicia funções, Clotilde Delbos continuará a desempenhar o papel de directora-executiva interina, cargo que ocupa desde Outubro, quando a marca francesa destituiu Thierry Bolloré. A partir de 1 de Julho, Delbos passará a directora-geral adjunta.