O enviado pessoal do secretário-geral da ONU para Moçambique considerou esta sexta-feira motivador o encontro de quinta-feira entre o Presidente da República, Filipe Nyusi, e o líder da Renamo, Ossufo Momade, no âmbito do processo de paz.

“Sentimo-nos motivados pela reunião que teve lugar ontem [quinta-feira] entre o Presidente [Filipe] Nyusi e o líder da Renamo, Ossufo Momade”, disse Mirko Manzoni, em comunicado divulgado esta sexta-feira em Maputo.

Manzoni afirmou que o encontro entre Filipe Nyusi e o líder da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo) é uma prova de que os dois dirigentes atribuem grande importância à comunicação e ao diálogo para a implementação do Acordo de Paz e Reconciliação Nacional que assinaram no dia 6 de agosto de 2019.

O enviado pessoal do Secretário-Geral da ONU, embaixador da Suíça em Maputo, assinalou que a comunidade internacional é favorável à retomada do processo de Desarmamento, Desmobilização e Reintegração (DDR) dos guerrilheiros da Renamo, mas a prioridade neste momento é o combate à Covid-19.

“Embora sejamos favoráveis ao objetivo de retomar o DDR, compreendemos que, neste momento, as preocupações com a saúde pública devem vir em primeiro lugar”, refere a nota de imprensa.

As Nações Unidas, prosseguiu, estão disponíveis para trabalhar com o governo e Renamo na definição dos próximos passos da implementação do processo de paz.

O Acordo de Paz e Reconciliação Nacional foi o terceiro entre o governo da Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo) e a Renamo e pretende acabar com ciclos de violência que opõem as duas partes, de forma cíclica.

O acordo é contestado por uma dissidência da guerrilha da Renamo, que têm sido acusada pelo governo de protagonizar ataques armados na região Centro do país, desde a assinatura do entendimento.

Uma nota de imprensa divulgada pela Presidência da República na quinta-feira refere que foi “consensual a necessidade de tornar o processo de Desarmamento, Desmobilização e Reintegração dos guerrilheiros da Renamo mais célere”.

Além do processo de implementação do acordo, os dois líderes debateram os ataques armados que têm sido atribuídos a dissidentes da Renamo no Centro de Moçambique, incursões que desde agosto já mataram cerca de 20 pessoas

O documento não avança detalhes sobre o estado do processo negocial, limitando-se a descrever um “ambiente de harmonia e cordialidade” que terá caraterizado o encontro.

Passados oito meses após o Acordo de Paz e Reconciliação Nacional, ainda nenhum guerrilheiro entregou as armas, excetuando 10 oficiais da Renamo indicados para integrar o Comando-Geral da Polícia moçambicana e que concluíram instrução em novembro.

Em entrevista recente à Lusa, Ossufo Momade disse que o DDR vai abranger 5.000 guerrilheiros da Renamo, avançando que o processo iria arrancar em breve.