O presidente executivo dos CTT, João Bento, disse esta quarta-feira à Lusa que o correio registou uma “quebra substancial” durante o primeiro mês de restrições devido à Covid-19, sendo que as compras ‘online’ de particulares (B2C) subiram “brutalmente”.

Questionado sobre a atividade dos CTT no primeiro mês de restrições, devido à pandemia do novo coronavírus, o presidente executivo dos Correios de Portugal fez um pequeno balanço. “Temos uma quebra substancial de correio, que inclui uma quebra” do que chega da China, “que tem alguma importância que ainda não sabemos quantificar”, avançou.

Isto porque “parte dessa queda é atraso, porque esse correio vem agora de barco em vez de vir de avião”, explicou o gestor. Nas encomendas, também se registou uma “queda substancial no B2B [entre empresas]”, pois “como fechou o comércio deixou de haver abastecimento às lojas”, prosseguiu João Bento.

No que respeita ao segmento B2C [compras dos consumidores às empresas], registou-se “uma subida muito substancial”, acrescentou, mas o peso ainda é pouco expressivo. “Depois temos uma quebra com algum significado na dívida pública porque as lojas estão abertas menos tempo, mas sobretudo porque as pessoas vão menos às lojas”, explicou o gestor.

Sobre o futuro, João Bento disse que acredita que “a quebra do correio não vai voltar para o que era, mas vai recuperar”.

No caso do B2B Expresso, é possível que suba e no que respeita ao B2C, “que subiu brutalmente, vai continuar a ser muito mais elevado do que era no passado”, uma vez que as pessoas “se habituaram mais a fazer compras ‘online'”.

Parte desta tendência “resulta do muito que temos feito no melhorar e facilitar as condições de adesão ao Dott [marketplace resultante da parceria entre CTT e Sonae]”, acrescentou. João Bento adiantou que “entraram [no Dott] já nas últimas semanas, em crise, 130 novas empresas”.

Já nas iniciativas de lojas ‘online’ dos CTT, “nas primeiras quatro semanas já temos mais de 800 empresas a criar as suas lojas ou mesmo em atividade ou a vender”, apontou. Destacou ainda a iniciativa dos CTT de feiras regionais, onde conta já com 10 produtores a vender queijo.