Giuseppe Conte, o primeiro-ministro de Itália, anunciou este sábado o fim do confinamento do país. Como conta o La Stampa, Conte afirma que a “fase 2” do desconfinamento permite começar a reabrir ainda mais o país recorrendo a um “risco calculado”. 3 de junho é data para fim de restrições entre regiões.

Estamos a assumir um risco calculado, cientes de que a curva de contágio pode subir novamente”, diz Conte.

Nas próximas três semanas, começando a partir da próxima segunda-feira, os italianos vão sentir fim das medidas até agora aplicadas. A 18 de maio, todas as lojas, bares, restaurantes e cabeleireiros vão abrir, com medidas como a utilização de máscaras. Depois, a 25 de maio, é a vez dos ginásios e piscinas, também com medidas extra, contudo. Por fim, a partir de 3 de junho, acaba a proibição de se viajar entre regiões e as pessoas que chegaram a Itália do espaço Schengen, outros países da União Europeia e Reino Unido, não vão ter de cumprir período de quarentena.

Entre outras medidas, Conte referiu que a partir de 18 de maio, mesmo sem o arranque da liga de futebol italiana, os jogadores vão poder voltar a treinar. Contudo, só quase um mês depois, a 15 de junho, é que os teatros e cinemas vão reabrir.

Apesar de tudo, Conte deixou a mensagem a todos a todos os cidadãos: “Somos cuidadosos, no entanto, as medidas de distanciamento social são muito importantes. É necessário andar-se sempre com uma máscara“.

Nas últimas 24 horas morreram em Itália 153 pessoas devido ao novo coronavírus, segundo os números oficiais do governo. Com este número, o país regista mais de 31 mil mortos (31.763). Esta sexta-feira o país tinha registado 242 vítimas. Contudo, o número de pessoas contagiadas está a crescer: nas últimas 24 horas horas as autoridades do país dizem que houve mais 875 infetados (esta sexta-feira eram 789).

A região mais afetada continua a ser a Lombardia que, esta sexta-feira, tinha registado 299 novos casos, tendo apresentando este sábado mais 100: 399. As autoridades de saúde italiana afirmam que este aumento no número de casos de infetados é devido a um aumento de testes a profissionais de saúde, principalmente na região da Toscana, que apresentou 30 novos este sábado (esta sexta-feira tinha apenas mais 6).

Relativamente a boas notícias, nas últimas 24 horas registaram-se 2.605 pessoas curadas.