A meio da semana foi uma estátua do Padre António Vieira em frente à Santa Casa de Lisboa – vandalizada com tinta vermelha na cara e os dizeres “Descoloniza”. Esta sexta-feira, terão sido encontradas frases racistas numa parede da escola Eça de Queiroz, nos Olivais, e da Escola Secundária da Portela, ambas na Área Metropolitana Lisboa. Também um centro para refugiados terá sido vandalizado com slogans racistas.

As frases nos Olivais: “Deportação de minorias já!”

A informação relativa às frases na escola dos Olivais foi avançada no Twitter – com fotografias a ilustrar – pelo dirigente e deputado municipal do Bloco de Esquerda Ricardo Moreira. As frases são fortes: “Fora com os pretos! Deportação de minorias já! A Europa é branca!” e “Portugal é branco!”. Ao lado desta última frase também parece ter sido desenhado um símbolo circular.

No texto do seu post, Ricardo Moreira diz que o Bloco em Lisboa “condena o raide de pinturas” que afirma ter como autores a “direita racista e xenófoba em Lisboa”.

Também Fabian Figueiredo, da Comissão Polítia do Bloco de Esquerda, fez uma referência ao vandalismo junto à escola dos Olivais, acrescentando a informação de que as pinturas terão sido apagadas — e ilustrando-o com fotografias. “Entretanto, a direção da escola já apagou as frases. Um professor desta escola contou-nos que, entre várias coisas, lia-se ‘poder branco.”, refere o post.

“Voltem para África” e “Morram”, lia-se na Portela

Também na Escola Secundária da Portela terão sido detetadas pinturas com frases racistas. A primeira denúncia foi feita pelo rapper Zizzy, membro do popular grupo de hip-hop nacional Wet Bed Gang. Na sua conta oficial de Instagram — com mais de 50 mil seguidores —, o rapper publicou uma “story”, conteúdo que fica disponível durante 24 horas, com um vídeo que tinha a seguinte legenda: “Fui à minha antiga escola e fui recebido assim”.

No vídeo, que foi posteriormente descarregado e publicado no Twitter pelo membro da Comissão Política do BE Fabian Figueiredo, era possível ver expressões escritas numa parede à entrada da escola como “Pretos de Merda Morram!” e “Voltem para África”.

O mesmo rapper partilhou um outro vídeo junto à Escola Secundária de Sacavém, pertencente ao agrupamento de escolas Eduardo Gageiro, com a legenda “na mesma área”. Na parede lia-se a expressão “fartos do cheiro a catinga”.

Centro de Refugiados também vandalizado. “Morte aos refugiados”

Também um Centro de Acolhimento para Refugiados (CAR) terá sido vandalizado. Situado na Bobadela, concelho de Loures, o Centro terá sido alvo de pinturas racistas, com frases como “Europa aos europeus”, “morte aos refugiados” e “árabes e pretos fora!”. A denúncia foi feita também por Fabian Figueiredo na rede social Twitter, que escreveu ainda: “Não sou especialista, mas a caligrafia parece-me muito parecida”.

Posteriormente, a página oficial no Facebook da Organização Não Governamental para o Desenvolvimento “Conselho Português para os Refugiados” publicou um texto onde refere: “Na sequência dos atos de xenofobia e de racismo expressos nos muros externos vandalizados do Centro de Acolhimento para Refugiados na Bobadela, durante a última madrugada, o Conselho Português para os Refugiados manifesta sua preocupação e repudia veementemente qualquer atitude de violência e de ódio na sociedade portuguesa”.