O formato era diferente, as dificuldades após uma longa paragem devido à pandemia também, mas Pedro Pablo Pichardo brilhou no regresso à competição, alcançando a vitória no triplo salto da Liga Diamante.

Numa prova que, face aos tempos que ainda hoje se vivem em termos mundiais, se realizou entre três atletas em três locais distintos, o luso-cubano do Benfica, que saltou no Estádio Universitário de Lisboa, conseguiu 17.40, ainda longe do recorde pessoal acima dos 18 metros mas com mais três saltos entre 17.11 e 17.20.

Na Califórnia, Christian Taylor, atual campeão mundial e olímpico que tem ganho todas as grandes provas nos últimos anos, não foi além dos 17.20, num concurso onde somou apenas mais um salto acima dos 17 metros e dois nulos em tentativas onde arriscou mais para tentar ultrapassar Pichardo (que fez 17.40 no segundo salto). Ainda assim, o americano que tem como melhor registo pessoal 18.21 superou a marca máxima em 2020 (16.75).

Pedro Pablo Pichardo termina em quarto e falha medalha na final do Mundial por quatro centímetros

Omar Craddock, americano de 29 anos que tem feito a carreira um pouco à sombra dos compatriotas Christian Taylor e Will Claye, realizou a sua competição na Florida, terminando com 17.04, naquela que foi a única tentativa acima dos 17 metros num atleta que tem como melhor marca pessoal 17.68.