A Unidade Especial de Proteção e Socorro (UEPS) da GNR realizou 163 missões helitransportadas de julho de 2018 até hoje, entre as 104 em ataque inicial a incêndios e as 59 em ataque ampliado, foi esta sexta-feira anunciado.

O município de Proença-a-Nova, no distrito de Castelo Branco, e a Unidade Especial de Proteção e Socorro (UEPS) da GNR assinaram recentemente o contrato de comodato que prolonga a colaboração existente entre as duas entidades no âmbito da instalação desta força no Aeródromo Municipal local para o combate a incêndios florestais.

“O documento que assinámos garante condição de continuidade no médio prazo, reforçando aquele que é o dispositivo permanente que temos no concelho para a defesa da floresta contra os incêndios florestais”, explica, em comunicado, o presidente da Câmara de Proença-a-Nova, João Lobo.

Na prática, a autarquia continua a garantir as instalações onde esta força está instalada desde julho de 2018, quando foi inaugurada a Base Permanente da UEPS. “O trabalho que esta força tem desenvolvido ao nível da primeira intervenção, vigilância e reforço da segurança beneficia todo este território”, refere o autarca.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Quanto a “missões terrestres com recurso a viatura, o Posto de Intervenção conta com uma média, desde 2018, de 16 intervenções em incêndio florestal, cerca de 200 patrulhas em missão de prevenção e fiscalização, com uma média anual de 265 patrulhas, 2.000 horas de patrulhamento e 30.000 quilómetros efetuados anualmente”, refere a nota.

No Aeródromo Municipal de Proença-a-Nova está uma equipa de 18 elementos que guarnece o helicóptero e a brigada terrestre para ataque imediato assim que é comunicado um incêndio florestal.