O centro dedicado ao maior massacre em França durante a II Guerra Mundial foi vandalizado. Na parede com a designação “village martyr” (“vila mártir”), a palavra mártir foi riscada com tinta branca e pintada a palavra “mentiroso”, noticiou a agência AFP. O Presidente francês e os vários partidos, da extrema-esquerda à extrema-direita, já repudiaram o ato de vandalismo.

As inscrições parecem ter sido feitas por um negacionista do Holocausto, pelo menos tendo em conta o nome que aparece escrito depois da palavra “mentiroso”. O nome foi reconhecido por Philippe Lacroix, presidente do município de Oradour-sur-Glane, onde se localiza o centro.

O ato de vandalismo foi descoberto na sexta-feira e coberto com uma lona. Este sábado, vários políticos reagiram ao incidente, entre eles o Presidente francês, Emmanuel Macron, e o primeiro-ministro Jean Castex que garantiram que tudo seria feito para trazer os responsáveis pela profanação do centro à justiça.

A vila de Oradour-sur-Glane foi alvo de um ataque, a 10 de junho de 1944, pelas tropas alemãs da divisão SS “Das Reich” que mataram 642 pessoas. Os habitantes foram fechados na igreja e em celeiros e a localidade foi incendiada. A vila de Oradour-sur-Glane foi reconstruída, mas a vila martirizada manteve-se como testemunho do maior massacre nazi em França.