Se os dados do boletim diário da Direção-Geral de Saúde tinham indicado que, de sexta-feira para sábado, tinha havido mais 480 novos casos de Covid-19, número que não era tão alto desde o início do desconfinamento, em maio, agora a tendência mantém-se, mas em patamares mais estabilizados. Este domingo, o boletim diário da DGS com dados de sábado aponta para um aumento de 315 casos de infeção, sendo que desde 25 de agosto que este número não se fixa abaixo dos 200 (houve 192 casos nesse dia).

A maior fatia desses 315 novos casos registou-se no Norte do país, onde houve mais 143 registos de pessoas infetadas, seguido da região de Lisboa, onde mais 124 pessoas ficaram infetadas no espaço de 24 horas. Na região Centro, o aumento foi de 19 casos face ao dia anterior, no Alentejo foi de 21 e no Algarve de apenas 6. Nos Açores houve mais 2 casos de infeção (mantendo-se com 15 mortes e agora com 217 casos de infeção) e na Madeira, que continua sem registar vítimas mortais, não se identificou mais nenhum caso (são 170 ao todo).

Desde o início da epidemia que a maior concentração de novos casos oscila entre Lisboa e o Norte do país, sendo que, em termos globais é a região de Lisboa e Vale do Tejo que concentra maior número de infetados (30.963 contra 21.797 no Norte). Coisa diferente é o número de mortes que é superior no Norte do que em Lisboa: no total, morreram 849 pessoas na região Norte, e morreram 683 na região de Lisboa e Vale do Tejo.

Em todo o caso, as duas mortes registadas este domingo foram na região de Lisboa. Recorde-se que a Área Metropolitana de Lisboa tem estado em estado de contingência devido ao maior número de casos, enquanto o resto do território nacional desceu um grau de prontidão e passou a estado de alerta, com regras menos apertadas. A partir do próximo dia 15, contudo, como forma de combater, preventivamente, o aumento do risco de contágio devido ao regresso generalizado das crianças às escolas e dos pais aos locais de trabalho, e também devido ao início do outono/inverno, período mais propício a gripes e a transmissão de vírus respiratórios, o Governo vai dar um passo atrás e colocar todo o país ao nível da área da Grande Lisboa, em estado de contingência, estando a preparar medidas adicionais de controlo da epidemia.

Mais de 300 doentes internados, mais 160 recuperados

Depois de uns dias a diminuir ligeiramente, o número de doentes internados volta a estar em tendência crescente. Se, no dia 3 de setembro, passou a haver 334 doentes internados face aos 337 da véspera, a partir de sexta-feira foi sempre a subir: sexta-feira passou a haver 339 pessoas internadas, sábado já eram 345 e este domingo são 354, mais nove do que ontem.

Nos cuidados intensivos, a tendência é semelhante. Hoje são mais dois do que ontem, havendo atualmente 43 pessoas internadas em unidades de cuidados intensivos, em estado considerado mais crítico.

De acordo com o boletim diário divulgado pela DGS com dados relativos ao dia de ontem, até à meia-noite (e revistos às 12h deste domingo), mais 160 pessoas recuperaram da Covid-19, o que eleva para 42.953 o total de doentes que recuperaram da doença. Ontem, contudo o número de pessoas que tinham recuperado era maior: 217.

Em termos globais, Portugal ultrapassou hoje a barreira dos 60 mil infetados (atingindo já um total de 60.258), e um total de 1840 mortes. A taxa de letalidade é neste momento de 3,05%. Em vigilância estão neste momento 34.240 pessoas, mais 39 do que nas últimas 24 horas.