É inegável o aumento da oferta de bebidas vegetais no mercado. Se há uns anos apenas se encontravam em lojas da especialidade, hoje estão à venda em todas as grandes superfícies como mais uma opção para pequenos-almoços e lanches saudáveis. Dados da agência de estudos de mercado Nielsen mostram que, em 2015, se venderam perto de 19 milhões de litros de bebida de soja, mais 19% do que no ano anterior. Ao mesmo tempo, segundo o INE, o consumo de leite de vaca tem vindo a diminuir – menos um milhão de litros de 2016 para 2017.

Se faz parte dos curiosos mais recentes, talvez ainda não tenha dado o passo para provar algumas das variedades existentes, que podem ser produzidas a partir de soja, aveia, arroz, amêndoa, avelã ou coco , entre outras. Se, inicialmente, eram sobretudo procuradas por consumidores vegetarianos ou vegan e pessoas com intolerâncias ou alergias relacionadas com o leite de vaca, hoje em dia, as bebidas vegetais são também encaradas como mais uma possibilidade a ter em conta no contexto de uma alimentação variada, saudável e sustentável.

Já é consensual que uma alimentação de base vegetal é melhor para a saúde e para o Planeta. «Uma dieta rica em legumes, frutos, cereais integrais, leguminosas, frutos secos e sementes é a melhor forma de diminuir o risco de doenças crónicas, além de diminuir muito o impacte ambiental da nossa alimentação. A evidência aponta não só para a importância do consumo regular de produtos de origem vegetal, como para o facto de uma alimentação exclusivamente baseada nestes produtos ser igualmente ou até mais protetora da saúde humana», assinalava o Programa Nacional para a Promoção da Alimentação Saudável da DGS, em 2015.

Assim, diminuir o consumo de proteína animal é cada vez mais uma preocupação que justifica a procura de alternativas igualmente saudáveis e nutritivas, como é o caso das bebidas vegetais.

As mulheres e os jovens parecem ser quem mais procura as opções vegetais, a crer num estudo da agência Mintel, em que o sexo feminino representa 26% dos consumidores e os jovens entre os 14 e os 24 anos, 33%. A bebida de aveia é a que mais tem crescido em vendas, com um aumento de 71% desde 2017, seguida das bebidas de coco (16%), e variações de amêndoas (10%).

O que são, afinal?

De forma geral, pode dizer-se que as bebidas vegetais são compostas por água e extratos de cereais, leguminosas ou sementes de oleaginosas. A aparência é semelhante ao leite de vaca, mas não contêm colesterol, proteína de leite, nem lactose, o açúcar do leite. As formulações variam muito consoante os ingredientes e de marca para marca, pelo que, para avaliar o valor nutricional de cada uma, será sempre necessário analisar a composição no rótulo.

São uma alternativa ao leite?

O leite de vaca continua a ser um alimento com maior densidade e qualidade nutricional do que a maior parte das bebidas vegetais, dado o elevado teor proteico (3,3g/100ml), e o mais alto valor biológico por conterem todos os aminoácidos essenciais (aqueles que apenas conseguimos obter pela alimentação). No entanto, no contexto de uma alimentação saudável e variada que privilegie os alimentos de base vegetal, as bebidas vegetais são uma opção que pode ser igualmente saudável e nutritiva.

Comparativamente, e de forma genérica, as bebidas vegetais têm um menor teor proteico do que o leite, sendo a bebida de soja a única que se aproxima ao leite de vaca neste campo. Muitas bebidas vegetais são fortificadas com cálcio e vitaminas, o que enriquece o seu valor nutricional.

As bebidas vegetais tendem a ter também um teor mais elevado de hidratos de carbono e açúcares do que o leite, sobretudo a bebida de arroz, que é a que apresenta maior índice glicémico, juntamente com a bebida de coco. Já as bebidas à base de oleaginosas, como a de amêndoa, nozes ou avelãs, são as que apresentam menor teor de hidratos de carbono e índice glicémico.

A bebida de aveia constitui uma opção especialmente interessante, uma vez que este cereal é bastante rico em fibra e tem um excelente perfil nutricional. Além de ser rico em proteína, é ainda uma ótima fonte de selénio, magnésio, zinco e potássio.

Como usar?

Estas bebidas podem ser consumidas da mesma forma que o leite, ao pequeno-almoço ou ao lanche, a solo ou em combinação com cereais e papas. Sempre numa perspetiva de aumentar a variedade e diversificação alimentar, aproveitando as inúmeras combinações no mercado, inclusivamente com sabores como cacau ou baunilha, excelentes opções para os mais novos.

É o caso do Nesquik Go Vegetal, uma bebida vegetal de aveia e cacau, ideal para usar nos pequenos-almoços ou lanches de toda a família. Esta opção tem a particularidade de, além da aveia, ter na sua composição proteína de ervilha, que aumenta o teor proteico e contribui para uma alimentação mais equilibrada.

Aliadas na cozinha

As bebidas vegetais também podem ser usadas na confeção de sobremesas, bolos, pães e pratos salgados, neste caso, tendo em conta que algumas variedades, por terem menos gordura do que o leite, poderão deixar as massas mais secas, o que pode ser compensado usando mais gordura de outras fontes, idealmente também vegetais. Precisamente por serem mais ricas em gordura, as opções de amêndoa e coco serão as mais indicadas para bolos e pães, por exemplo.

As bebidas com cacau, como o Nesquik Go Vegetal, podem ainda ser interessantes para confecionar papas tipo mousse, acrescentando amido de milho ao leite e levando ao lume até engrossar, ou fazer saborosos muffins de chocolate. O limite é mesmo a imaginação.

Como escolher?

-Além de privilegiar os sabores da sua preferência, em termos nutricionais será interessante optar por variedades com maior teor proteico, sem açúcar adicionado e enriquecidas em cálcio.

Como conservar?

Tal como o leite, as bebidas vegetais conservam-se fora do frio antes de abertas e depois no frigorífico, devendo ser consumidas no prazo de 48h, no caso de Nesquik Go Vegetal.