A agência Saúde Pública de Inglaterra (PHE, na sigla em inglês) alertou este sábado que “não é aconselhável misturar vacinas [contra a Covid-19] de diferentes fornecedores”.

O alerta surge dias antes de o Reino Unido começar a distribuir a vacina da Oxford/AstraZeneca, o segundo tipo de vacina a ser aplicado no país. O primeiro foi a vacina da Pfizer/BioNTech, ainda em dezembro. Ambas as vacinas precisam de duas doses.

Na noite da passagem de ano, o governo britânico deu indicações aos médicos do serviço nacional de saúde sobre a vacinação que admitia precisamente o contrário. O guia indica que se não houver o mesmo tipo de vacina para uma pessoa que já recebeu uma primeira dose (ou não se saiba que tipo de vacina recebeu), então “é razoável” que esta pessoa receba uma dose de vacina de outro fornecedor.

“Esta opção é preferível se o indivíduo estiver em alto risco imediato”, indica o guia. No entanto, questionado sobre estes riscos, a médica Mary Ramsay, chefe de imunizações da PHE, disse à estação Sky News que não é aconselhável misturar os diferentes tipos de vacina. Só deveria acontecer “em raras ocasiões”.

“Não aconselhamos misturar as vacinas de Covid-19. Se a sua primeira dose for da vacina da Pfizer então não deve receber a vacina da AstraZeneca como segunda dose e vice-versa”, salientou.