O grupo Michelin, um dos líderes mundiais de produção de pneus, anunciou esta quarta-feira, que vai cortar até 2.300 postos de trabalho em França, sem saídas forçadas, como parte de um “plano de simplificação e competitividade”.

A fabricante de pneus pretende “melhorar a sua competitividade em até 5% ao ano” em atividades terciárias e na indústria, o que pode significar “em três anos uma redução de até 2.300 postos de trabalho”, entre os 21.000 que a Michelin tem em França.

O grupo já cortou quase 1.500 empregos desde 2017 como parte da sua reorganização, em particular na sua sede histórica em Clermont-Ferrand (centro de França) e nos Estados Unidos. Também fechou as fábricas de La Roche sur Yon (Vendée, França) e Bamberg (Alemanha).

Em 2024, “quase 60% das saídas previstas serão por reforma antecipada e o resto serão saídas voluntárias”, explicou a Michelin em comunicado.

De Clermont-Ferrand a Epinal via Troyes, esta nova reorganização diz respeito a “todos os centros franceses do grupo”, disse à AFP Florent Menegaux, presidente do grupo Clermont-Ferrand. “A Michelin está empenhada em recriar tantos empregos quantos forem eliminados”, acrescentou.

O número de saídas em cada centro será especificado nos próximos meses.

A direção do grupo deseja abrir “rapidamente” negociações com os sindicatos em torno de um “acordo-quadro por um período de três anos”.

Nos últimos 10 anos, o grupo tem enfrentado “profundas mudanças estruturais no mercado mundial de pneus, marcadas em particular pela chegada massiva de produtos de baixo custo”.

Segundo o presidente do grupo, este deve “apoiar as mudanças estratégicas nas suas atividades para se preparar para o futuro”.

“É particularmente o caso de França, onde a vitalidade das suas posições exige um reforço significativo da sua competitividade”, sublinha.

“A Michelin não abandona a França” e “reinvestirá parte das poupanças conseguidas no desenvolvimento de novas atividades”, acrescentou Florent Menegaux.

As 15 unidades industriais em França especializaram-se gradualmente em pneus agrícolas, industriais e de competição de alta qualidade.

Ao mesmo tempo, a Michelin segue “a sua estratégia de localizar novas atividades de alto valor agregado em França”, como o hidrogénio, a impressão 3D e a reciclagem de resíduos plásticos.

Em 2030, a Michelin pretende que 30% da sua faturação seja gerado fora do setor dos pneus.