Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Este vai ser um ano de grandes mudanças para a Lotus. Os seus três actuais modelos a gasolina, o Evora, o Exige e o Elise vão ser descontinuados, mas o construtor inglês pertença dos chineses não vai ficar por aqui. Para já vai lançar o eléctrico Evija, bem como um novo desportivo, também em 2021, com base no Type 131. Isto apesar de serem ainda desconhecidas todas as ramificações do acordo anunciado com a Alpine.

A Lotus já foi um respeitado fabricante de desportivos, sempre a apostar em mecânicas pequenas mas chassis ligeiros. Depois veio a crise e, com ela, os tempos difíceis, que agora parecem pertencer ao passado desde que foi adquirida pelos chineses da Geely, os mesmos que compraram a Volvo e se tornaram o maior accionista da Daimler. E já se notam diferenças com a entrada de Li Shufu, o dono da Geely, nomeadamente na tecnologia incluída no Evija, um hiperdesportivo eléctrico com 2000 cv e aerodinâmica inovadora.

Nos últimos anos, a Lotus investiu mais de 100 milhões de libras a modernizar a sua fábrica de Norfolk e está no processo de reforçar a força de trabalho com a contratação de mais 250 técnicos, para o que contou com os bolsos fundos da Geely. A parte mais visível do ânimo renovado que se sente nos britânico é evidente no Evija, que monta quatro motores eléctricos de 500 cv, um por roda, alimentados por uma bateria de apenas 70 kWh, o que explica uma autonomia de somente 400 km. Porém, os 320 km/h de velocidade máxima, aliados à capacidade de ir de 0-100 km/h em 3 segundos, são mais que suficientes para quem busque emoções fortes.

O próximo desportivo da Lotus, que será mais pequeno, menos potente e irá começar a ser testado ainda este ano, adoptará uma mecânica híbrida plug-in desenvolvida pela marca inglesa, em associação com a Geely, conhecido para já como Type 131. Fruto do acordo com a Lotus, a Alpine poderá ceder-lhe a plataforma que irá utilizar no seu próximo desportivo, uma espécie de A110 mas agora 100% eléctrico. Sabe-se, contudo, que o “casamento” envolve ainda troca de tecnologia para competição.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR