Uma maioria dos portugueses (56%) faz uma avaliação positiva do trabalho do primeiro-ministro, António Costa, uma percentagem que subiu um ponto percentual em comparação com o registo de há dois meses – período de tempo atravessado pelo pior momento da pandemia de Covid-19. Este é um dos resultados a destacar de uma sondagem da Aximage feita para o Diário de Notícias e Jornal de Notícias, um estudo de opinião que regista um novo pico de popularidade de Marcelo Rebelo de Sousa.

Esta foi uma sondagem realizada nos últimos quatro dias da semana passada, um período em que os números da pandemia já indicavam uma melhoria clara em relação aos piores dias de janeiro e início de fevereiro. Para António Costa, o registo de 56% de avaliações positivas compara com os 55% que tinha em dezembro, sinal de que ou esse momento não afetou a opinião dos portugueses sobre o primeiro-ministro ou, então, mesmo que a popularidade de António Costa tenha sido penalizada no pior momento da pandemia, houve uma recuperação.

Por outro lado, ao passo que em dezembro a popularidade de Marcelo Rebelo de Sousa estava em queda, segundo o mesmo barómetro da Aximage, o Presidente da República voltou a conquistar mais avaliações positivas por parte dos portugueses. Depois de ter sido reeleito à primeira volta para Presidente da República e de, nesta fase, estar a ser o mais vocal defensor de um desconfinamento muito cauteloso (e só depois da Páscoa), Marcelo goza, agora, de avaliações positivas aos olhos de 68% dos portugueses.

O barómetro calcula que Marcelo Rebelo de Sousa tem um saldo positivo de 50 pontos (calculado entre a percentagem de avaliações positivas e a percentagem de avaliações negativas), mais 10 pontos do que no estudo de opinião divulgado em dezembro. Por outro lado, António Costa tem um saldo positivo de 27 pontos, praticamente o mesmo do que tinha em dezembro.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Este estudo revela, também, que os dois políticos gozam de boa popularidade entre os eleitores socialistas e começam a ver a popularidade descer à medida que se caminha para a direita política. Marcelo só tem saldo negativo entre os eleitores do Chega e António Costa perde muita popularidade à direita mas também não tem bons resultados entre os eleitores que habitualmente votam no Bloco de Esquerda.

Tanto no caso de Marcelo como de Costa, o saldo positivo das opiniões diminui à medida que são maiores os rendimentos dos inquiridos.