Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Volkert Reig, presidente da GNB Real Estate, garante que não se faz qualquer distinção na forma como se gerem os ativos que estão ao abrigo do mecanismo de capital contingente e aqueles que não estão. “O [ficheiro] Excel é o mesmo“, afirmou o responsável na audição parlamentar no âmbito da comissão de inquérito às vendas do Novo Banco.

No nosso Excel não se identifica quais ativos são CCA e quais não são CCA“, afirmou o gestor, em alusão ao mecanismo de capital contingente que é mais conhecido pela sigla anglo-saxónica. É ao abrigo desse mecanismo que o Fundo de Resolução, um organismo público, injeta capital no Novo Banco num valor máximo de 3.890 milhões de euros para compensar perdas num determinado perímetro de ativos.

Nenhum valor é manipulado para aumentar ou diminuir o valor dos ativos“, garantiu Volkert Reig aos deputados, asseverando que na gestão de todos os ativos do Novo Banco, neste caso os ativos imobiliários que estão encaixados em fundos imobiliários da GNB Real Estate.

Fala-se muito de conflito de interesses, mas o que vejo é um nível de escrutínio muito elevado”

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Quando se opta por uma venda há um processo que é seguido posteriormente, que no banco é centralizado na chamada CCA Unit, mas na base “o mecanismo é igual para todos, o pricing é o mesmo…”, sejam ativos garantidos ou não, sublinhou o responsável, garantindo que em todo o momento a equipa que dirige, “com os recursos que tem”, faz o seu melhor para rentabilizar todos os ativos e as vendas que existem foram todas “em processos abertos e competitivos“.

Volkert Reig exclui “categoricamente” que tenha havido vendas de ativos a partes relacionadas com o fundo Lone Star, o que poderia configurar um conflito de interesses. “Em 10 anos que trabalho com estas pessoas, são pessoas honestas não têm qualquer interesse em prejudicar ninguém“, afirmou o responsável.