O Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC) acusou esta terça-feira a TAP de utilizar um algoritmo “cego” que despede “no mesmo dia marido e mulher”, no âmbito do despedimento coletivo que a companhia aérea iniciou segunda-feira.

“A cegueira do algoritmo é tanta que esta gestão sem qualquer sentido social coloca no desemprego no mesmo dia marido e mulher”, denunciou esta terça-feira o SNPVAC, em comunicado, referindo-se ao algoritmo utilizado para a seleção dos trabalhadores abrangidos pelo despedimento coletivo que a companhia está a levar a cabo, no âmbito do processo de reestruturação. O despedimento coletivo iniciou-se na segunda-feira e abrange 124 trabalhadores do grupo, dos quais 28 são tripulantes de cabine.

O SNPVAC classificou o processo como o “momento laboral mais difícil dos 76 anos de história da TAP” e lamentou que não tenham dado fruto a “série de diligências” levadas a cabo junto da empresa, do Governo, dos grupos parlamentares e da própria União Europeia, “com o objetivo de demonstrar as incongruências de um processo muito pouco claro”, visto pela direção do sindicato como “ilegal, imoral e plenamente evitável”. Os representantes dos tripulantes de cabine lembraram ainda que todas as alternativas que apresentaram tiveram como resposta um “mecânico ‘não'”.

Groundforce garante pagamento atempado dos salários de julho

“A nova gestão da TAP tornou-se também ela refém de um ‘Velho Algoritmo’ que a todos prejudica”, reiterou o sindicato, lamentando “veementemente” a decisão tomada pela companhia aérea e pelo Governo. O processo de despedimento coletivo de 124 colaboradores iniciado pela TAP abrange 35 pilotos, 28 tripulantes de cabina, 38 trabalhadores da manutenção e engenharia e 23 funcionários da sede, segundo uma mensagem enviada pela administração aos trabalhadores.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Na mensagem interna enviada em 8 de julho, a que a agência Lusa teve acesso, a presidente executiva (CEO) da TAP, Christine Ourmières-Widener, destaca que este número fica abaixo do inicialmente previsto e exigido pelo plano de reestruturação da companhia, que ascendia a 2.000 trabalhadores, tendo essa redução sido conseguida através da adesão a medidas voluntárias, como acordos temporários de emergência com os sindicatos, rescisões por mútuo acordo e integrações na Portugália.