Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A bastonária da Ordem dos Enfermeiros levantou esta quinta-feira dúvidas quanto à vacinação das crianças entre os cinco e os 11 anos. Em entrevista à Rádio Observador, Ana Rita Cavaco deixou ainda duras críticas às declarações de Marta Temido.

No dia em que a Agência Europeia do Medicamento (EMA) recomendou a vacinação das crianças, a bastonária justifica as reticências com o fraco desenvolvimento do sistema imunitário das crianças e questiona: “Não havendo um benefício superior ao risco, porque é que estamos a vaciná-las?”

Governo está pronto para vacinar crianças, mas ainda falta reforçar vacinação de centenas de milhares de idosos

Sobre as tomadas de decisão no âmbito da saúde pública, Ana Rita Cavaco é perentória em afirmar que devem ser sempre sustentadas pela evidência científica e não por quaisquer tipos de pressão política. Ainda assim, lança suspeitas quanto às bases de ciência invocadas pela EMA: “Ponderaram os fatores que entenderam ponderar”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Nesta fase do combate à pandemia, a bastonária apela ao Ministério da Saúde que divulgue o perfil dos doentes internados nos cuidados intensivos, para que a opinião pública perceba se se trata de pessoas com o esquema vacinal completo.

Na mesma entrevista à Rádio Observador, Ana Rita Cavaco teceu duras criticas à ministra da saúde, face às declarações proferidas na passada quarta-feira, nas quais Marta Temido alertou para a necessidade de o Serviço Nacional de Saúde contratar médicos “mais resilientes”.

Marta Temido quer contratar médicos mais resilientes. Bastonário sugere: “Se calhar arranjava-se outro ministro”

Para a bastonária, as frases de Marta Temido foram “inaceitáveis” e “inqualificáveis”. Diz mesmo que, “pelos vistos quem não é resiliente é o Governo”.  

Perante supostos apelos que estão a ser feitos aos enfermeiros para que adiem o seu período de férias, Ana Rita Cavaco incita os profissionais a rejeitarem por completo o pedido: “Não adiem coisa nenhuma”.