816kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Russia-Ukraine war
i

Militares ucranianos patrulham localidades já reconquistadas aos russos na zona de Kharkiv

Anadolu Agency via Getty Images

Militares ucranianos patrulham localidades já reconquistadas aos russos na zona de Kharkiv

Anadolu Agency via Getty Images

Como a Ucrânia enganou russos (e não só) com um golpe de contrainformação para recuperar território

Quando as forças armadas russas se preparavam para receber uma ofensiva ucraniana em Kherson foram surpreendidas com uma contraofensiva em Kharkiv. Estratégia passou por campanha de desinformação.

A Ucrânia fez bandeira de uma ofensiva musculada no sul do país para, afinal, conseguir vencer os militares russos em Kharkiv. A contraofensiva silenciosa resultou de uma estratégia ucraniana, ao difundir informações falsas ao longo de vários dias — e que foram mesmo difundidas pelos órgãos de comunicação social em todo o mundo — enquanto orquestrava um plano e o punha em prática para surpreender os militares russos no ponto oposto da região. A informação é avançada pelo The Guardian que cita fontes das forças especiais da Ucrânia. Com a surpresa, as forças ucranianas conseguiram recuperar mais de um terço da região ocupada em Kharkiv em apenas três dias.

O próprio ministério da Defesa russo já confirmou que saiu de algumas zonas de Kharkiv, embora alegue que se trata apenas de um “reagrupar” dos militares russos. Poderá este golpe estratégico da Ucrânia ser uma peça chave para o fim da invasão russa?

Russos admitem saída de cidade-bastião no nordeste da Ucrânia, mas dizem que é “reagrupar” de forças

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Zelensky alertou, este sábado no Fórum Internacional anual Yalta European Strategy,  que o “inverno pode tornar-se um ponto de viragem e levar à rápida desocupação dos territórios ucranianos”, mas que para isso “precisa de armas mais poderosas”.

E como é que nos últimos dias os militares ucranianos conseguiram recuperar território tão rapidamente? Ao The Guardian, o ex-assessor de segurança nacional (que agora é assessor de imprensa de uma das brigadas das forças especiais ucranianas), Taras Berezovets diz que tudo começou com “uma grande operação especial de desinformação”.

“[A Rússia] pensou que seria a sul e movimentou os equipamentos. Então, em vez de ser a sul, a ofensiva aconteceu onde menos esperavam. Entraram em pânico e fugiram”, explica o especialista.

A bem sucedida campanha de desinformação, que se espalhou pelos meios de comunicação social de todo o mundo, terá começado a 29 de agosto. No dia seguinte, dia 30, o Observador citava a CNN que dava conta de uma fonte militar ucraniana que garantia que quatro aldeias perto de Kherson teriam sido tomadas: Pravdyne, Novodmytrivka, Tomyna Balka e Arkhanhelske. Havia, conforme reportava o Observador, “silêncio” em torno da contraofensiva, mas afinal o anúncio da conquista dessas quatro localidades mais não era do que uma peça no puzzle estratégico para enganar os militares russos.

Kherson. Que contraofensiva é esta e como está a correr?

A conquista dessas localidades não era sinónimo de um grande avanço, conforme foi badalada internacionalmente, fez parte apenas do plano, para que parecesse efetivamente que os militares ucranianos estavam a conseguir grandes avanços.

A porta-voz do comando militar ucraniano no sul do país, Natalia Humeniuk, remeteu-se ao silêncio e impediu os jornalistas durante algum tempo de se deslocarem às linhas da frente em Kherson. Assim, os ucranianos conseguiram iludir toda a gente criando a ideia de que estavam a avançar de forma musculada a sul. Se o invasor do Kremlin queria segurar o território já invadido tinha que reforçar posições. Ora, para reforçar de um lado… facilitou do outro, — onde os ucranianos tinham, de facto, preparado os homens para avançar.

Enquanto os militares de Putin reforçavam os meios em Kherson, os ucranianos “recebiam as melhores armas ocidentais em Kharkiv”, explica o especialista Taras Berezovets.

Russia-Ukraine war Russia-Ukraine war

Camião e caixas de munições deixadas para trás pelos militares russos numa estrada de Hrakove, uma das localidades recuperadas pelos ucranianos nos últimos dias

Anadolu Agency via Getty Images

Armas enviadas pelos norte-americanos terão sido essenciais na contraofensiva

As armas enviadas pelos norte-americanos terão sido essenciais na contraofensiva em Kharkiv que resultou na recuperação de um terço do território aos russos. “[Os informadores] foram completamente enganados. Eram principalmente civis ucranianos, mas havia agentes russos disfarçados. Os russos não faziam ideia do que estava a acontecer”, explica Berezovets.

A recuperação do território de Izium pode ser encarada como um dos principais e mais importantes sucessos dos militares ucranianos na saga de reconquista do território às tropas do Kremlin. Segundo Serhiy Kuzan, especialista militar do Centro de Segurança e Cooperação da Ucrânia, também ouvido pelo The Guardian, se a Izium os ucranianos conseguirem somar Kupiansk isso poderá significar o corte das linhas de “abastecimento aos militares russos que controlam a área”.

"A frente defensiva russa está sob pressão a norte e a sul"
Serhiy Kuzan, especialista militar do Centro de Segurança e Cooperação da Ucrânia

O ministério da Defesa britânico estima que as forças de Kyiv tenham avançado um total de 50 quilómetros na linha da frente, retomando ou cercando várias cidades até aqui sob controlo russo.

“A frente defensiva russa está sob pressão a norte e a sul”, diz o especialista Serhiy Kuzan que diz que a contraofensiva foi realizada “à velocidade da luz”.

“Na verdade estamos surpreendidos com o quão mal os russos recuaram. Retirar faz parte da arte da guerra. Quando recuamos garantimos que eles sofriam perdas à medida que avançavam e fizemo-lo para garantir que avançavam apenas 1, 2 ou 3 quilómetros”, diz acrescentando que “estavam tão confiantes que não prepararam as defesas.”

“Isto mostrou que a única vantagem que têm está no número de peças da artilharia e equipamento pesado. Logo, tudo o que precisamos é a mesma quantidade de armamento”, diz o especialista. Nas localidades que vão sendo recuperadas pelos ucranianos, os russos deixam ficar material para trás e as iniciais que identificam os russos são substituídas por abreviaturas ucranianas, sinal da atual presença de forças de Kyiv e da retirada dos russos.

Russia - Ukraine war

O símbolo das forças armadas russas ‘Z’ começa a ser substituído pelo ‘ZSU’, a abreviatura das forças armadas ucranianas no alfabeto cirílico.

Anadolu Agency via Getty Images

Zelensky diz que já foram libertados “dois mil quilómetros desde início de setembro” e pede mais armas

Em consonância, depois de já ter sido tornado público o golpe de contrainformação levado a cabo por Kyiv e, em resultado, os avanços dos militares ucranianos, Zelensky voltou a apelar ao reforço do armamento ao longo dos próximos meses.

Na sessão anual do Fórum Internacional no Yalta European Strategy, Zelensky fez questão de frisar que a recuperação de um terço do território de Kharkiv só foi possível graças ao armamento americano recebido para defender o país dos russos.

Garantindo que o único objetivo do avanço dos militares ucranianos é a recuperação de território ucraniano ocupado pelos russos, Zelensky diz que os militares “estão sempre prontos para defender a terra”.

O presidente ucraniano diz que a 24 de fevereiro começou “uma espécie de contraofensiva ucraniana” com a “união de toda a sociedade na luta contra o inimigo”. Zelensky diz que o “contra-ataque” é “defender a Ucrânia e sobreviver”.

"Haverá paz. A paz caminha com a bandeira ucraniana, com os nossos militares"
Zelensky no discurso deste sábado

“Todos acreditamos na vitória mais que eles [russos] e isso é o mais importante. A nossa principal arma é acreditar, saber, sentir a vitória”, disse Zelensky no Fórum.

“Desde início de setembro cerca de 2 mil quilómetros da Ucrânia já foram libertados”, garantiu Zelensky que assegurou: “Toda a Donetsk será livre”

Também este domingo, no seu habitual discurso em vídeo, Zelensky reclamou “dois mil quilómetros de território recuperados” desde o início deste mês. No comunicado, Zelensky deu os parabéns “às duas belas e fortes cidades pelo dia”, referindo-se a Lyman e Dnipro, que os russos já reconheceram terem voltado às mãos dos ucranianos, alegando contudo tratar-se de um “reagrupamento” dos militares russos.

Russia-Ukraine war Russia-Ukraine war

Em Hrakove, recuperada aos russos na primeira semana de setembro, já estão a ser investigados eventuais crimes de guerra

Anadolu Agency via Getty Images

“Lyman, na região de Donetsk, ainda espera a nossa bandeira, mas é inevitável, a Ucrânia regressa sempre“, disse Zelensky que garantiu que “toda a Donetsk ficará livre, segura e feliz novamente”.

“Haverá paz. A paz caminha com a bandeira ucraniana, com os nossos militares”, afirmou Zelensky, que aproveitou também a declaração para agradecer diretamente aos moradores de Dnipro. “A vossa cidade fez tanto pela defesa ucraniana desde 2014 e, agora, desde 24 de fevereiro que a história da nossa vitória é também a história de Dnipro”, disse o presidente ucraniano acrescentando ainda que “foram salvas milhares de vidas de soldados ucranianos”.

“O movimento dos nossos soldados em diferentes direções na frente de combate vai continuar. Desde início de setembro cerca de 2 mil quilómetros do nosso território já foram libertados“, garantiu Zelensky que ironizou ainda com aquilo que é o melhor do exército russo e que agora é visível: “As costas”.

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Vivemos tempos interessantes e importantes

Se 1% dos nossos leitores assinasse o Observador, conseguiríamos aumentar ainda mais o nosso investimento no escrutínio dos poderes públicos e na capacidade de explicarmos todas as crises – as nacionais e as internacionais. Hoje como nunca é essencial apoiar o jornalismo independente para estar bem informado. Torne-se assinante a partir de 0,18€/ dia.

Ver planos