814kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

João Oliveira e Paulo Raimundo celebraram resultados da CDU nas eleições europeias
i

João Oliveira e Paulo Raimundo celebraram resultados da CDU nas eleições europeias

LUSA

João Oliveira e Paulo Raimundo celebraram resultados da CDU nas eleições europeias

LUSA

Depois do susto, o alívio. CDU grita vitória com a eleição de João Oliveira, apesar do pior resultado de sempre em europeias

Nunca a percentagem de votos na CDU tinha sido tão baixa, e nunca os comunistas se tinham ficado pela eleição de apenas um mandato, mas cenário apresentado pelas sondagens permitiu relativizar.

A espera foi grande, a ansiedade ainda maior, mas no fim, o clima foi de festa no quartel-general da CDU em Lisboa, pela eleição de João Oliveira para o Parlamento Europeu. A noite até começou da pior maneira, com as projeções iniciais a apontarem para a possibilidade dos comunistas nem sequer conseguirem representação parlamentar. Face a este cenário, o silêncio absoluto foi reinando, enquanto militantes e simpatizantes iam seguindo telemóveis e televisões com receio. Quem ali estava dificilmente poderia prever que apenas algumas horas depois, os jovens que compunham maioritariamente a sala acabariam aos saltos, a cantar e a dançar a “Carvalhesa“, tema obrigatório nos eventos comunistas.

Mas esse cenário nem sempre esteve garantido. Aliás, a meio da noite, João Oliveira apareceu para uma primeira declaração, admitindo o grau de incerteza que ainda reinava. “A luta continua“, garantiu, independentemente da tendência que a noite pudesse ainda seguir. Pelo discurso contido do cabeça de lista, tornava-se óbvio que os comunistas se iam preparando para qualquer resultado. De resto, quase duas horas passaram entre o primeiro discurso do candidato e a confirmação da eleição pela boca do próprio, e o tempo foi mais uma vez passado a olhar para ecrãs, à espera das boas notícias que acabariam mesmo por chegar.

“A força que o povo nos deu é a força com que podem contar a partir de amanhã. E essa força que nos foi dada inclui também a intervenção no Parlamento Europeu com o candidato eleito pela CDU”, anunciou João Oliveira, desta vez assumindo o púlpito ao lado do secretário-geral comunista, Paulo Raimundo, e sob o olhar atento de Jerónimo de Sousa, que se tinha juntado à sala minutos antes. O cabeça de lista confirmava assim a eleição para Estrasburgo. A segunda aparição do agora eurodeputado foi breve e terminou com uma certeza: “A voz do povo continuará a fazer-se ouvir”.

Depois, era a vez de Paulo Raimundo tomar a palavra, podendo pela primeira vez enquanto secretário-geral cantar vitória depois de uma noite eleitoral — mesmo que a CDU tenha perdido um deputado em Estrasburgo, o susto pregado pelas sondagens permitiu olhar para os resultados com o copo meio cheio. “O resultado que tivemos não corresponde àquilo que precisávamos”, garantiu, antes de lembrar as circunstâncias difíceis em que a batalha eleitoral foi travada e de sublinhar a ideia-chave do discurso: “Alguns pensavam que hoje iam calcar o desaparecimento da CDU. Enganaram-se. O povo não permitiu que isso acontecesse”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

LUSA

Desde as primeiras eleições europeias, em 1987, nunca a percentagem de votos na CDU tinha sido tão baixa — 4,1% —, e nunca os comunistas se tinham ficado pela eleição de apenas um mandato, mas na política, as vitórias acabam por ser relativas. “O cenário que nos era apresentado era o desaparecimento da CDU. Não foi isso que aconteceu, e por isso aqui estamos com confiança redobrada“, frisou o secretário-geral. “Gostaríamos de ter mais? Obrigado, claro, é uma evidência”, ironizou, mostrando no entanto satisfação “por continuar a luta pelos trabalhadores”.

“O sinal que sai é de confiança na CDU”, considerou Paulo Raimundo. Por isso, garantiu, é hora dos comunistas responderem com trabalho, continuando a luta pelos salários — a “emergência nacional” —, “pelo aumento das reformas, o acesso ao Serviço Nacional de Saúde, o drama da habitação e pela paz”.

“Voto a voto”, como Paulo Raimundo foi pedindo ao longo da campanha, o alívio lá chegou. Mas para o secretário-geral, a festa tem de ser curta. “Temos mesmo de estar muito satisfeitos pelo nosso resultado. Hoje festejemos, para amanhã voltarmos ao combate”.

O drama da extrema-direita e o “resultadão” do Chega que acabou por não chegar

Apesar da queda substancial do Chega, a noite eleitoral sorriu a vários partidos da extrema-direita europeia, e Paulo Raimundo não deixou de manifestar preocupação com um fenómeno que vai dando poucos sinais de abrandar. Para o secretário-geral comunista, foi fácil encontrar os culpados: “Os governos prometem, prometem, e não resolvem nada da vida das pessoas”, começou por dizer, identificando ainda outro problema: “Não só não resolvem como alimentam essas forças. Sabemos todos do que é que estamos a falar. Utilizam todos os meios ao seu dispor para promover essas forças — cada um que assuma as suas responsabilidades”.

Da parte da CDU, a consciência permanece tranquila. Como Paulo Raimundo sublinhou, os comunistas combateram esse espectro político várias vezes: primeiro durante a “noite sombria” do Estado Novo e ainda hoje essa batalha continua, “no dia-a-dia, olhos nos olhos”. “Pena é que nem todos tenham seguido essa luta“, lamentou, deixando um aviso: “É bom que o façam, é bom que não a alimentem, é bom que não lhe dêem gás. Não metam mais gasóleo na fogueira”.

Para o Chega, estava ainda guardada uma tirada: “Da mesma forma que alguns afirmaram que íamos desaparecer, também afirmaram que outras forças iam ter resultadões extraordinários. Pronto, nada disso se verificou”.

As “manobras abjetas” e as “cortinas de fumo” que João Oliveira teve de fintar

Ainda os resultados iam sendo apurados, e João Oliveira já apontava responsabilidades a quem quis pregar rasteiras à CDU durante a campanha. Mesmo que não o tenha nomeado diretamente, o agora eurodeputado referia-se ao artigo do jornal Politico, que incluiu Sandra Pereira e João Pimenta Lopes, eurodeputados comunistas na última legislatura, na lista de “melhores amigos” de Vladimir Putin no Parlamento Europeu.

EPA

“O voto na CDU é um voto de quem conseguiu ver para lá das cortinas de fumo, das mentiras e do preconceito”, sublinhou, condenando “as manobras abjetas” que tinham como objetivo obrigar a CDU a mudar de posição em relação ao conflito na Ucrânia. “Tivessem votado a favor da continuação da guerra e não havia rankings em que pudessem aparecer”, lamentou.

Escusam de continuar a gastar dinheiro nessas operações”, atirou ainda, responsabilizando assim quem “promoveu” e “deu voz” ao artigo em Portugal, além de apontar o dedo também a quem está interessado nos lucros gerados pela indústria da guerra. De qualquer forma, garantiu, nenhuma destas manobras vai demover os comunistas de defender a paz da Ucrânia, por muito que queiram fingir que a CDU é “uma força que se sujeita à política de confrontação e da guerra”.

Depois de Sandra Pereira e Pimenta Lopes, é agora a vez de João Oliveira representar a CDU na Europa. Pela primeira vez na história, segue viagem sozinho rumo a Estrasburgo, mas tendo em conta o susto, a falta de companhia será a última das preocupações dos comunistas.

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Vivemos tempos interessantes e importantes

Se 1% dos nossos leitores assinasse o Observador, conseguiríamos aumentar ainda mais o nosso investimento no escrutínio dos poderes públicos e na capacidade de explicarmos todas as crises – as nacionais e as internacionais. Hoje como nunca é essencial apoiar o jornalismo independente para estar bem informado. Torne-se assinante a partir de 0,18€/ dia.

Ver planos