Receba em vez de pagar: 14 bancos que remuneram a sua conta à ordem

06 Julho 2017891

Vários bancos aumentaram (ou aumentarão em breve) as comissões que cobram. Há, no entanto, algumas instituições que pagam juros sobre o saldo da conta à ordem. Saiba se compensa receber estas moedas.

O negócio dos bancos não está a correr bem. Em 2016, o montante cobrado pelo sistema bancário português em comissões e prestação de serviços somou 6,9 mil milhões de euros, menos 25% do que seis anos antes.

Para compensarem a quebra, muitos bancos já subiram as comissões cobradas aos clientes particulares. No mês de abril passado, a comissão de manutenção da maioria das contas à ordem no Novo Banco duplicou — ou mesmo mais do que isso. Outros bancos já agendaram a próxima revisão do preçário. A partir de setembro, a domiciliação de vencimento ou de pensão deixará de ser suficiente para os clientes da Caixa Geral de Depósitos não pagarem a comissão de manutenção. É preciso, por exemplo, fazer operações com o cartão de débito e com o cartão de crédito.

Uma consequência do aumento das comissões é inflação. Os preços dos serviços financeiros estão entre os que mais sobem em Portugal: escalaram 3,3% nos 12 meses que terminaram em maio passado, quase o dobro da inflação geral, segundo o Instituto Nacional de Estatística.

Em março, o Observador mostrou que é possível não pagar comissões bancárias optando pelos bancos certos. (Entretanto, o Banco CTT, que, a par do ActivoBank, era um dos bancos gratuitos, já começou a aceitar transferências de crédito à habitação.) Agora mostramos que é possível receber juros pelo dinheiro que está na conta à ordem.

Investigámos todas as contas à ordem para particulares, em euros, de todas as instituições financeiras a operar em Portugal. Encontrámos 14 que têm contas remuneradas disponíveis aos particulares. Descubra se é elegível — e se valem a pena. Na maior parte dos casos, não conte ganhar muito dinheiro. As condições descritas em baixo são as válidas no dia 3 de julho de 2017.

Bankinter: o mais generoso de todos

Taxa anual nominal bruta: 5% no primeiro ano, 2% no segundo ano
Frequência dos juros: semestral
Limites: saldo diário máximo de 5000€
Condições: novos clientes com domiciliação de despesas e de ordenado ou pensão superior a 800€ e compras mensais com cartão de crédito ou de débito.

Tal como em Espanha, a sucursal portuguesa do Bankinter está há quase dez meses a atrair novos clientes com a sua Conta Mais Ordenado. A remuneração do saldo dessa conta à ordem é de 5% durante o primeiro ano e de 2% no seguinte. É uma taxa muito alta, tendo em conta que o melhor depósito a prazo da banca nacional rende uma taxa anual bruta de 2,5% no prazo de um trimestre. Há, no entanto, um limite: o Bankinter calcula os juros semestrais tendo como máximo um saldo diário de cinco mil euros.

Por cada 100 euros de saldo médio até cinco mil euros, os detentores da Conta Mais Ordenado podem esperar receber 1,83 euros ao fim de cada semestre durante o primeiro ano. No segundo ano, a remuneração — já depois de descontar impostos — é de cerca de 73 cêntimos semestrais por cada 100 euros de saldo médio. Isto quer dizer que um saldo médio de 4200 euros — que é o montante que os portugueses têm à ordem, em média — rende cerca de 215 euros em dois anos.

O Bankinter não cobra comissão de manutenção na Conta Mais Ordenado, nem os seus cartões de crédito têm anuidade. Todavia, os seus cartões de débito custam 10,40 euros por ano à maioria dos clientes. Para os juros da conta ordenado compensarem essa despesa, os depositantes têm de ter um saldo médio superior a 284 euros no primeiro ano e superior a 712 euros no segundo ano.

BNI Europa: só a partir de 1000 euros

Taxa anual nominal bruta: 1%
Frequência dos juros: mensal
Limites: juros sobre o saldo entre 1000€ e 5000€
Condições: nenhuma.

Não precisa de entregar o seu ordenado ou pensão ao Banco BNI Europa para conseguir uma conta à ordem remunerada. Nem precisa de solicitar um cartão bancário. Todavia, as contas BNI Europa e BNI Europa Top Não Residentes não pagam juros desde o primeiro euro depositado: só a partir de mil euros é que se recebe rendimentos mensais. Por isso, se tiver um saldo médio de 100 euros, que é o mínimo para abertura da conta BNI Europa, não recebe nada. Se tiver um saldo médio de 4200 euros, não recebe juros sobre os primeiros mil euros e recebe uma taxa anual nominal bruta de 1% sobre os restantes 3200 euros, o que dá cerca de 1,95 euros por mês. Resulta em cerca de 23,40 euros por ano.

Embora a conta BNI Europa não tenha comissão de manutenção, a conta BNI Europa Top Não Residentes custa 5,20 euros por mês.

Banco Invest: amealhar por débito direto

Taxa anual nominal bruta: 0,70%
Frequência dos juros: mensal
Limites: não tem
Condições: a conta é reforçada apenas com débitos diretos regulares a partir de outras instituições.

Todos os clientes do Banco Invest podem ter uma Invest Money Box, uma conta à ordem remunerada que é reforçada periodicamente através de débitos diretos aplicados sobre contas noutras instituições financeiras. A taxa de remuneração anual é de 0,70% e os juros são pagos todos os meses. Sempre que os clientes quiserem usar o dinheiro na Invest Money Box podem transferir para a conta à ordem principal no Banco Invest.

Quem programar um reforço mensal de 500 euros da conta Invest Money Box terá cerca de 6017 euros após um ano: os 17 euros são os juros ganhos, já líquidos de IRS. É mais do que suficiente para pagar, por exemplo, o cartão de débito do Banco Invest (custa 5,20 euros por ano). A conta Invest Money Box, tal como a conta à ordem Invest Plus, não tem comissão de manutenção.

BiG: para quem está desligado

Taxa anual nominal bruta: 0,25%
Frequência de juros: trimestral
Limites: a partir de 250.000€
Condições: nenhuma.

Embora o BiG seja um banco voltado para as novas tecnologias, a Conta Off-line é para quem está desligado da Internet: as operações têm de ser feitas pelo telefone ou através de meios escritos. O BiG paga uma taxa anual bruta de 0,25% para saldos superiores a 250 mil euros nesta conta à ordem. A Conta Off-line não tem comissão de manutenção.

Atlântico Europa: uma conta à ordem paralela

Taxa anual nominal bruta: 0,20%
Frequência de juros: trimestral
Limites: entre 100€ e 100.000€
Condições: movimentação apenas de e para a conta à ordem de base.

A Conta Poupança à Ordem não pode ser movimentada diretamente pelos clientes do Banco Atlântico Europa. Para poderem aplicar ou resgatar dinheiro nesta conta, é preciso usar a conta à ordem de base. Ambas estão isentas de comissões de manutenção.

Para que os juros da Conta Poupança à Ordem compensem, por exemplo, o custo anual do cartão de débito do banco (15 euros, excluindo para os titulares de contas de serviços mínimos bancários), é preciso que os clientes tenham um saldo médio diário superior a 10.275 euros.

Caixa Agrícola do Bombarral: exclusivo para menores

Taxa anual nominal bruta: 0,20%
Frequência de juros: mensal
Limites: não tem
Condições: para particulares até aos 18 anos.

A Conta Poupança Júnior que a Caixa Agrícola do Bombarral propõe paga uma taxa anual de juro de 0,20% aos clientes menores. Esta conta está isenta de comissões. Por cada 100 euros depositados, o mínimo de abertura desta conta, o rendimento mensal é de cerca de um cêntimo.

Millennium bcp: só para solicitadores

Taxa anual nominal bruta: até 0,125%
Frequência de juros: mensal
Limites: não tem
Condições: exclusivo para solicitadores ou sociedades de solicitadores.

A Conta Cliente de Solicitador, cuja condição de acesso é ser solicitador ou uma sociedade de solicitadores, remunera por tranches: até 30 mil euros, não há juros; entre 30 mil euros e 50 mil euros, a taxa é de 0,0625%; e, partir de 50 mil euros, sobe para 0,125%. Os juros mensais só são pagos se somarem mais de 2,50 euros.

Banco BIC: para menores, mas em extinção

Taxa anual nominal bruta: 0,10%
Frequência de juros: trimestral
Limites: desde 25€
Condições: particulares menores de idade.

Os juros da Conta à Ordem com Futuro têm os dias contados: a partir do próximo dia 8 de agosto, esta proposta do Banco BIC deixa de ser remunerada. Até lá, a taxa de juro é de 0,10% a partir de 250 euros de saldo.

BiG: uma superconta que dá 0,10%

Taxa anual nominal bruta: 0,10%
Frequência de juros: trimestral
Limites: nenhum
Condições: movimentação apenas de e para a conta à ordem de base.

Qualquer cliente do BiG, incluindo as entidades coletivas, pode ter uma Super Conta: é uma aplicação à ordem que paga uma taxa anual nominal bruta de 0,10%. Os juros são pagos no primeiro dia útil de cada trimestre. As contas em euros do BiG não têm comissões de manutenção, mas é preciso ter um saldo médio de 10.685 euros na Super Conta para acumular 7,80 euros num ano, o custo do cartão de débito BiG Mastercard.

Banco Popular: juros progressivos

Taxa anual nominal bruta: até 0,10%
Frequência de juros: mensal
Limites: mínimo de constituição de 2500€
Condições: nenhuma.

Enquanto o Santander Totta, que comprou o Banco Popular na primeira semana de junho, não incorpora totalmente a sua aquisição, o Popular oferece a Conta D.O. Progressivo. Esta aplicação paga uma taxa anual nominal bruta de 0,05% para quem tem entre 10 mil euros e 50 mil euros. A taxa de juro sobe para 0,10% quando o montante é superior a 50 mil euros.

A Conta D.O. Progressivo tem, no entanto, um custo de manutenção que soma 74,88 euros ao fim de um ano. O Popular cobra apenas às contas que somem menos de cinco mil euros em operações por trimestre. Para conseguir acumular juros superiores a esse montante, a conta tem de ter, em média, mais de 102.500 euros.

Crédito Agrícola dos Açores: 0,10% para todos

Taxa anual nominal bruta: 0,10%
Frequência de juros: anual
Limites: montante mínimo de abertura de 100€
Condições: nenhuma.

Todos os detentores da Conta à Ordem do Crédito Agrícola dos Açores têm acesso a remuneração a partir de dez mil euros de saldo: uma taxa anual nominal bruta de 0,10%. Embora sejam calculados diariamente, os juros são pagos anualmente. O custo de manutenção de 156 euros por ano é cobrados apenas sobre as contas que não apresentem movimentos ao longo do ano.

Caixa de Crédito Agrícola Mútuo de Mafra: crescente até 0,06%

Taxa anual nominal bruta: até 0,06%
Frequência dos juros: mensal
Limites: montante mínimo de abertura de 50€
Condições: nenhuma

A Conta à Ordem do Crédito Agrícola de Mafra remunera de forma crescente: quanto mais dinheiro, mais elevada é a taxa de juro. Assim, até dez mil euros não há juros. Entre dez mil euros e 25 mil euros, a taxa anual nominal bruta é de 0,05%. A partir de 25 mil euros, a taxa sobe para 0,06%. Todavia, como a instituição financeira apenas credita valores a partir de dois euros, os depositantes só ganham juros mensais quando têm saldos médios superiores a 39.353 euros.

Montepio: contas para crianças de todas as idades

Taxa anual nominal bruta: até 0,05%
Frequência dos juros: anual
Limites: montante mínimo de abertura de 25€
Condições: para particulares até aos 18 anos.

A Caixa Económica Montapio Geral tem três soluções para abarcar todas as idades dos menores: a Conta Montepio Mini (até aos seis anos), a Conta Montepio Fun (dos sete aos 12 anos) e a Conta Montepio Futuro (dos 13 aos 18 anos). A remuneração é idêntica nas três contas: a taxa anual nominal bruta é de 0,01% entre cinco mil euros e 20 mil euros; sobe para 0,05% para montantes superiores a 20 mil euros. No entanto, a partir do próximo dia 1 de agosto, estas três contas deixarão de ter qualquer tipo de remuneração.

Caixa Agrícola de Torres Vedras: rendimento a partir de 50 mil euros

Taxa anual nominal bruta: até 0,02%
Frequência dos juros: anual
Limites: montante mínimo de abertura de 250€
Condições: nenhuma.

Só a partir de 50 mil euros de saldo é que a conta de depósito à ordem da Caixa Agrícola de Torres Vedras paga juros. Os rendimentos são pagos anualmente: esses 50 mil euros geram um ganho líquido de 7,30 euros.

Caixa Agrícola do Bombarral: uma superconta que dá 0,01%

Taxa anual nominal bruta: 0,01%
Frequência de juros: mensal
Limites: montante mínimo de abertura de 1500€
Condições: não tem.

A Super Conta não pode ser a conta à ordem principal dos clientes da Caixa Agrícola do Bombarral. Todavia, como se trata de uma conta à ordem, tem toda a flexibilidade para ser movimentada. A Super Conta, que exige um mínimo de 1500 euros, é uma das condições possíveis para os clientes ficarem isentos da comissão de manutenção da conta à ordem, que é de 26 euros por trimestre.

Caixa de Crédito de Leiria: indexada à Euribor

Taxa anual nominal bruta: 25% ou 50% da Euribor a 3 meses
Frequência de juros: trimestral
Limites: montante mínimo para abertura de 125€
Condições: juros não podem ser negativos.

Quando o saldo da conta à ordem da Caixa de Crédito de Leiria está entre 15 mil euros e 50 mil euros, a taxa de juro aplicada é equivalente a 25% da Euribor a 3 meses. Quando ultrapassa 50 mil euros, é 50% da Euribor a 3 meses. Contudo, como a Euribor a 3 meses está agora negativa, o rendimento da conta à ordem é nulo, qualquer que seja o montante.

Banco Popular: apenas ganham os clientes de banca privada

Taxa anual nominal bruta: Euribor a 1 mês
Frequência de juros: mensal
Limites: não tem
Condições: apenas para clientes de banca privada.

A Conta Tesouraria Dinâmica do Banco Popular, reservada aos clientes de banca privada, paga o equivalente à taxa Euribor a 1 mês. Todavia, como as taxas de juro do mercado monetário estão negativas, o rendimento desta conta é atualmente nulo.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)