819kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Veículos elétricos: carregar na rua é viável?

Com o aumento de utilizadores de veículos elétricos, é inevitável que quem não pode carregar em casa questione: é economicamente viável fazê-lo na rua? A resposta é “sim” e há aplicações que ajudam.

É um dos temas que mais preocupa quem pensa optar por um veículo elétrico: será que carregar na rua é fácil e responde às diferentes necessidades?

O aumento do número de veículos elétricos em circulação traz desafios para o carregamento público, já que as necessidades de carregamento também aumentam. Para se ter uma ideia, segundo dados da Associação Automóvel de Portugal (ACAP), entre janeiro e dezembro de 2023, as matrículas de veículos ligeiros de passageiros eletrificados (elétricos – BEV, híbridos plug-in – PHEV, e híbridos convencionais – HEV) totalizaram 92 395 unidades, o que se traduziu numa variação positiva de 58,5% relativamente ao mesmo período de 2022. Este foi um crescimento muito acima do verificado na categoria dos automóveis ligeiros de passageiros em todas as energias (+26,1%).

A boa notícia é que, para fazer face ao aumento de veículos elétricos em circulação, também o número de postos de carregamento público, em Portugal, registou um aumento exponencial nos últimos anos. Com efeito, de acordo com dados da MOBI.E, passou-se de menos de 500 postos em 2018 para mais de 4 mil em fevereiro de 2024. Isto significa que existem atualmente, 8.173 pontos de carregamento, garantindo uma muito maior cobertura das necessidades da população.

Previsão do número de novos pontos de carregamento público a instalar em Portugal

9044

2023-2025

12436

2026-2030

14250

2031-2035

40275

2036-2050

Estima-se que estas necessidades continuarão a ser progressivamente atendidas, na medida em que está previsto que, até 2050, se chegue aos 76 mil novos pontos de carregamento, o que corresponderá a um total de 84 mil pontos de carregamento públicos, de acordo com os dados incluídos no estudo “Infraestruturas de Carregamento de Apoio à Transição Energética da Mobilidade em Portugal”, levado a cabo em parceria pela TIS e MOBI.E. Tal progressão trará importantes benefícios ambientais, pois estima-se que estes novos pontos possam evitar a emissão de 3,3 milhões de toneladas de CO2 para a atmosfera, ao mesmo tempo que irá ao encontro das preocupações dos condutores portugueses de veículos elétricos em relação à disponibilidade de pontos de carregamento.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A EDP tem sido uma das empresas que mais tem investido no desenvolvimento da rede pública de carregamento, tanto em Portugal como em Espanha. Esta aposta tem como objetivo contribuir com a disponibilização de soluções que facilitem a transição para uma mobilidade mais verde e sustentável, de forma que esta seja mais conveniente e adequada às necessidades dos consumidores.

Os números da rede pública de carregamento em Portugal

8173

pontos de carregamento

1782

dos pontos de carregamento instalados são EDP Comercial

1650

postos de carregamento rápido e ultrarrápido

684000

sessões de carregamento nos postos da EDP em 2023

15376

toneladas de CO2 evitadas entre 2018 e 2023, devido aos carregamentos em postos EDP

A EDP Comercial está presente em todos os distritos do país e em mais de 190 municípios. Com o contributo das mais de 500 mil sessões de carregamento realizadas nos pontos EDP, ao longo de 2023, foi possível aos utilizadores percorrerem mais de 80.000.000 Km, o que se traduziu numa poupança de mais de 8.300 toneladas de CO2.

Com o objetivo de ir ao encontro das necessidades dos consumidores, nomeadamente, no que diz respeito à conveniência de carregamento, desde 2018 que a empresa está a construir uma vasta rede nacional de pontos de carregamento, através do estabelecimento de parcerias, um terço das quais com municípios, mas também um elevado número em áreas da restauração e hotelaria, espaços de saúde, parques de estacionamento, espaços comerciais, áreas de serviço, entre outras. Também para quem viaja, a EDP investe nos principais eixos rodoviários de autoestradas, numa parceria com a Brisa, a BP e a Repsol.

Além disso, as empresas que dispõem de parque de estacionamento de acesso público podem também criar parcerias com a EDP para disponibilizar pontos de carregamento aos seus Clientes.

Carregar em casa ou na rua?

Esta é a questão que muitos condutores colocam antes de optarem por um veículo elétrico. E embora a preferência passe por carregar em casa – desde logo por ser a solução mais cómoda, acessível e barata – a verdade é que nem todos têm a possibilidade de o fazer. Nem todas as pessoas dispõem de garagem ou lugar de estacionamento dedicado, acabando por depender totalmente dos pontos de carregamento que se localizam em espaços de acesso público.

De acordo com a UVE – Associação de Utilizadores de Veículos Elétricos, um cenário típico de carregamento é constituído por 75% dos carregamentos em casa e os restantes 25% na rede pública. No entanto, estima-se que, em 2030, venha a registar-se um maior equilíbrio entre os dois tipos de carregamento.

À semelhança do que acontece com o abastecimento dos veículos convencionais, também no caso dos veículos elétricos há diversos padrões de utilização e comportamento. Como tal, há utilizadores que preferem carregar o veículo no destino final, ou os que optam pelo carregamento por conveniência, por exemplo, durante uma ida ao supermercado. Em ambos os casos, a potência de carregamento é adequada ao tempo de permanência no espaço. Há ainda os que carregam o veículo durante uma viagem, dando primazia aos pontos de carregamento rápido e ultrarrápido, por permitirem carregar o veículo em menos tempo.

Como carregar o carro na rua?

Existem diferentes tipos de postos de carregamento elétricos, a que é possível recorrer para alimentar a bateria do veículo, conforme as necessidades. Esta é a classificação dos postos de carregamento da MOBI.E – Rede de Mobilidade Elétrica, uma rede de postos de carregamento de veículos elétricos de acesso universal, interoperável e centrada no utilizador:

Postos normais – Potência inferior a 7,4 kW. O carregamento pode demorar mais de oito horas.

Postos semirrápidos – Potência entre 7,4 kW até 22 kW. Carregamento máximo até quatro horas.

Postos rápidos – Potência superior a 22 kW e até 150 kW. Carregamento máximo entre uma hora e uma hora e meia.

Postos ultrarrápidos – Potência igual ou superior a 150 kW. Carregamento máximo até uma hora.

Usar a app EDP Charge para facilitar (ainda mais)

Para usar os postos de carregamento da rede pública, é necessário efetuar um contrato com um CEME (Comercializador de Eletricidade para a Mobilidade Elétrica), com vista a poder usar o cartão por este enviado, para iniciar e terminar cada sessão de carregamento. Em alternativa a usar um cartão CEME físico, é também possível recorrer a uma aplicação de telemóvel para efetuar os carregamentos do veículo elétrico, como a EDP Charge.  Esta aplicação, permite iniciar e terminar as sessões de carregamento, simular custos, visualizar o mapa de carregadores públicos disponíveis, visualizar o histórico de carregamentos e planear a rota de viagem, tendo em consideração o estado da bateria do veículo e os postos de carregamento existentes entre os pontos de partida e chegada.

A app EDP Charge permite ainda a contratação do cartão EDP Charge (CEME) diretamente na aplicação, ficando este associado à aplicação e estando sempre acessível através da mesma, ou seja, deixa de ser necessário a utilização física do cartão CEME, bastando recorrer à app. Saiba tudo sobre a app EDP Charge aqui e carregue o seu veículo na rua sem problemas nem hesitações.

Brevemente será também possível carregar com recurso a cartão bancário nos novos pontos de carregamento rápido instalados pela EDP e restantes operadores.

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Vivemos tempos interessantes e importantes

Se 1% dos nossos leitores assinasse o Observador, conseguiríamos aumentar ainda mais o nosso investimento no escrutínio dos poderes públicos e na capacidade de explicarmos todas as crises – as nacionais e as internacionais. Hoje como nunca é essencial apoiar o jornalismo independente para estar bem informado. Torne-se assinante a partir de 0,18€/ dia.

Ver planos