Após a manifestação do setor da restauração realizada este sábado, em Lisboa, começaram a surgir nas redes sociais várias publicações a criticar o chef Lubjomir Stanisic, um dos promotores desse protesto. Uma delas, feita pela página Anonymous PORTUGAL, acusa o chef de hipocrisia porque, supostamente, terá dito que o Governo está a “matar” a restauração com o recolhimento obrigatório a partir das 13h00 aos fins-de-semana, quando ainda “há dias” defendeu o encerramento dos restaurantes. Lubjomir de facto chegou a apelar ao Governo que mandasse fechar os estabelecimentos, só que não foi “há dias”, mas sim há oito meses.

Ao fim de um dia, a publicação já tinha mais de uma centena de partilhas

Mais precisamente, foi numa entrevista à TVI a 14 de março, que o chef criticou o Governo por não ter coragem de tomar a decisão de fechar os restaurantes e defendeu que os estabelecimentos deviam “fechar as portas para não espalhar a doença”. “Neste momento, o que não conta é dinheiro. O que mais importa é a saúde pública”, dizia na altura. Na entrevista, Lubjomir queixava-se de falta de orientações por parte do Governo sobre que medidas tomar e revelava que ele próprio tinha tomado a decisão naquele dia de fechar os seus restaurantes. “A única maneira de sobrevivermos a esta crise é estarmos fechados, estarmos isolados, estarmos unidos”, dizia, admitindo que não sabia como é que ia pagar os ordenados ao final do mês de 80 famílias.

Estas declarações foram feitas numa altura em que a pandemia começava a atingir Portugal e em não havia sequer acesso facilitado a máscaras ou desinfetantes. Aliás, numa publicação feita na sua página Facebook a 9 de novembro, Lubjomir veio reconhecer precisamente que, em março, foi “uma das vozes que defendeu publicamente o encerramento dos restaurantes”. Mas explica que defendeu essa medida na altura porque Portugal enfrentava “pela primeira vez uma pandemia” desconhecida. “Não sabíamos exatamente como se propagava ou como nos poderíamos proteger”, lembrou.

A publicação de Lubjomir de 9 de novembro onde reconhece que ele próprio defendeu o fecho dos restaurantes

Agora, oito meses depois, o chef Lubjomir vem mostrar-se contra o fecho dos restaurantes (às 13h00 nos fins-de-semana) porque atualmente já existe equipamento de proteção individual e há uma série de cuidados que antes não havia. Na mesma publicação do Facebook, o chef defendeu que “nos mais de dois meses” que estiveram encerrados os profissionais desta área tiveram “tempo para aprender mais sobre o vírus, para definir regras para o funcionamento dos restaurantes salvaguardando trabalhadores e clientes, para estabelecer protocolos que nos permitem manter a economia a funcionar sem comprometer a saúde”.

Durante a manifestação do passado sábado, Lubjomir defendeu que os restaurantes respeitam as medidas mais do que alguns hospitais e defendeu que mais depressa alguém apanha Covid-19 num transporte público do que num restaurante. Na publicação no Facebook, lembrou que “a maioria dos restaurantes têm sido exemplares no cumprimento das regras” e que “serão provavelmente dos sítios onde as normas se seguem mais à risca”.

Na verdade, a principal reivindicação do chef prende-se não tanto com o fecho dos restaurantes, mas com o facto de considerar insuficiente o apoio do Governo para compensar o encerramento: 20% das perdas registadas pelos restaurantes nos fins-de-semana em que há recolhimento obrigatório. “Esta é uma medida com uma eficácia de que duvido muito e com um custo potencialmente letal para todos os que trabalham direta ou indiretamente neste sector”, escreveu ainda no Facebook. Se houvesse mais apoios, Lubjomir até admitiria o encerramento nestes moldes: “Fechamos [os restaurantes], mas temos de ter algum apoio”, disse numa entrevista à SIC a 12 de novembro.

Conclusão

O chef Lubjomir de facto chegou a apelar ao Governo que mandasse fechar os estabelecimentos, só que não foi “há dias” como afirma a publicação, mas sim há oito meses. Estas declarações foram feitas numa altura em que a pandemia começava a atingir Portugal e em não havia sequer acesso facilitado a máscaras ou desinfetantes. Agora, oito meses depois, o chef Lubjomir vem mostrar-se contra o fecho dos restaurantes precisamente porque atualmente já existe equipamento de proteção individual e há uma série de cuidados que antes não havia.

Na verdade, a principal reivindicação do chef prende-se não tanto com o fecho dos restaurantes, mas com o facto de considerar insuficiente o apoio do Governo para compensar o encerramento. Se houvesse mais apoios, Lubjomir até admitiria o fechar os restaurantes novamente.

Assim, de acordo com o sistema de classificação do Observador, este conteúdo é:

ENGANADOR

No sistema de classificação do Facebook este conteúdo é:

PARCIALMENTE FALSO: as alegações dos conteúdos são uma mistura de factos precisos e imprecisos ou a principal alegação é enganadora ou está incompleta.

Nota: este conteúdo foi selecionado pelo Observador no âmbito de uma parceria de fact checking com o Facebook.

IFCN Badge