A publicação no Facebook já foi partilhada mais de 23 mil vezes e tem mais de duas centenas de comentários, alguns até a alertar para o facto de o homem na imagem não ser o enfermeiro Luís Pitarma, mas continua a ser partilhada como se fosse. Um dos utilizadores da rede social partilha uma fotografia e escreve que se trata do “enfermeiro português que salvou Boris Johnson”, mas é falso.

A publicação que associa uma imagem a Luís Pitarma, que não é a real

É verdade que Luís Pitarma preferiu ficar em silêncio depois do agradecimento público que o primeiro-ministro britânico Boris Johnson lhe fez quando saiu do hospital onde estava internado, mas nesse mesmo dia o Observador publicou um artigo no qual explicava quem era o enfermeiro de Aveiro, com 29 anos, que estava emigrado em Londres desde 2014, que continha uma fotografia de Luís Pitarma.

Na segunda-feira, a mãe do enfermeiro confidenciou à apresentadora Cristina Ferreira, durante o seu programa de televisão, que a partida do filho para Londres tinha sido difícil e que, nas últimas semanas, à medida que o número de infetados pela Covid-19 no Reino Unido aumentava, “tinha sentido” o enfermeiro nervoso — já que  trabalhava nos cuidados intensivos e estava, por isso, na linha da frente.

Luís Pitarma é de Aveiro e tem 29 anos. Foi ele o enfermeiro português ao lado de Boris Johnson

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Luís Pitarma é mais um entre os milhares de enfermeiros portugueses que optaram por emigrar depois de não conseguir trabalho em Portugal. Inicialmente, trabalhou no Hospital Universitário Luton e Dunstable, que pertence ao serviço nacional de saúde britânico — durante este período ficou em segundo lugar num prémio que destaca os “enfermeiros graduados mais promissores” e depois mudou-se para o St Thomas’ Hospital, onde trabalha como enfermeiro na unidade de cuidados intensivo desde maio de 2016.

Foi no St Thomas’ Hospital que teve oportunidade de tratar do primeiro-ministro britânico, que esteve internado durante alguns dias nos cuidados intensivos. À saída, o grande defensor do Brexit, agradeceu a dois estrangeiros que cuidaram dele: o português Luís e a neozelandesa Jenny.

O texto que acompanha a fotografia começa a ser habitual na difusão de fake news. O utilizador faz um post lamentando a falta de partilhas por não se tratar “de um futebolista”, mas de um enfermeiro. Um dos problemas é que a imagem está a induzir milhares de pessoas em erro: a fotografia é mesmo de um futebolista, o argentino Luciano Vietto.

A fotografia de Vietto, utilizada na publicação, está disponível no website “fifarosters” que tem imagens de centenas de futebolistas em todo o mundo e permite aos utilizadores criar jogadores do FIFA para depois utilizar no jogo. Além de serem ambos morenos, o jogador argentino e o enfermeiro português têm poucas semelhanças à primeira vista. A fotografia de Vietto foi indevidamente associada a Luís Pitarma.

Fotografia de Vietto disponível no site fifarosters.com

Conclusão

A fotografia utilizada na publicação para identificar o enfermeiro português Luís Pitarma corresponde ao futebolista argentino Luciano Vietto. Ainda que Luís Pitarma não tenha dado até ao momento nenhuma entrevista, a sua identidade foi divulgada no dia em que o primeiro-ministro britânico Boris Johnson teve alta hospitalar e agradeceu a dois enfermeiros estrangeiros: um português e uma neozelandesa.

A mãe de Luís Pitarma participou através de videochamada no programa de Cristina Ferreira, na SIC, e afirmava que o filho continua “reservado como sempre foi”: “O meu filho nunca gostou muito de protagonismo. Mas já comprei alguns jornais para lhe mostrar”, disse Edite Pitarma durante o programa desta segunda-feira. Assim, é falso que a imagem de Vietto utilizada na publicação sirva para identificar o enfermeiro Luís Pitarma.

Assim, segundo a classificação do Observador, este conteúdo é:

Errado

No sistema de classificação do Facebook este conteúdo é:

FALSO: as principais alegações do conteúdo são factualmente imprecisas. Geralmente, esta opção corresponde às classificações “falso” ou “maioritariamente falso” nos sites de verificadores de factos.

Nota: este conteúdo foi selecionado pelo Observador no âmbito de uma parceria de fact checking com o Facebook.

Nota 2: O Observador faz parte da Aliança CoronaVirusFacts / DatosCoronaVirus, um grupo que junta mais de 100 fact-checkers que combatem a desinformação relacionada com a pandemia da COVID-19. Leia mais sobre esta aliança aqui.

IFCN Badge