Rádio Observador

Uber

1500€ por taxista

Autor
7.960

É inaceitável que seja o dinheiro dos contribuintes a pagar a modernização do sector dos táxis. Sobretudo quando este teve meios e tempo para se modernizar mas optou sempre por não o fazer.

Chamam-lhe “síndroma UBER”, e não é mais do que a inquietação que gestores e agentes económicos sentem face à emergência de novos concorrentes, nascidos precisamente das ineficiências das empresas tradicionais – introduzem mais inovação, mais tecnologia e impõem menos custos. Os líderes das maiores empresas do mundo percebem que das duas uma: ou se adaptam, antecipando alterações significativas nos seus modelos de negócio, ou são ultrapassados. Eis, portanto, um bom ponto de partida para ler a colisão, em Portugal, entre o sector dos táxis e o serviço UBER – e perceber o quanto a solução do governo está errada.

O serviço prestado pelos táxis foi, até recentemente, um exclusivo dos táxis. Sem alternativa. E daí que se tolerasse as suas ineficiências, que nunca foram poucas: imprevisibilidade de tempo de espera, má educação, veículos degradados, condução agressiva, ameaças, odores vários, embriaguez, percursos propositadamente mais longos, tarifas mais altas. Não acontece sempre e até pode nem ser a regra, mas acontece vezes demais. E, enquanto sempre foi assim, nunca as empresas do sector ou os seus sindicatos encontraram dentro de si vontade para corrigir esses problemas. O seu erro começa aí: é que, entretanto, houve quem viesse resolvê-los por si – a UBER.

As vantagens da UBER são proporcionais às desvantagens do serviço dos táxis, visto ser uma alternativa pensada à medida dessas ineficiências – o que os táxis têm de mau, a UBER tem de bom. Apesar disso, esta é, legalmente, uma alternativa coxa, à qual falta regulamentação? Sim, da mesma forma que existe um vazio legal sempre que a inovação irrompe pela realidade, formatada por defeito para as actividades existentes. Sendo essa a questão, adeqúe-se a legislação, regulamente-se e encerre-se o assunto. Mas é mesmo essa a questão? Para os taxistas e para o governo, não parece que seja.

Por um lado, os taxistas nunca quiseram corrigir as ineficiências do seu sector e, agora, também não querem concorrência – entenda-se, pretendem a proibição de circulação dos carros do serviço UBER, por via da lei ou da intimidação e violência. Querem o melhor de dois mundos, uma posição impossível de defender e digna de quem julga deter um monopólio por direito. Por outro lado, mais preocupante, o governo propõe-se a gastar 17 milhões de euros dos contribuintes na modernização do sector dos táxis, cerca de 1500€ por taxista registado (como assinala o Carlos Guimarães Pinto), atirando dinheiro público para o problema. E sem que se perceba exactamente o ganho desse investimento para o público.

De facto, se a posição dos taxistas tem uma lógica corporativa, embora errada, a decisão do governo não poderia estar mais errada ou ser mais ilógica – por três razões. Primeiro, porque o Estado está a investir em empresas que recusaram investir nelas próprias. O apoio à modernização dos táxis é um apoio a empresas privadas que têm (e tiveram) meios e tempo para se modernizar mas optaram sempre por não o fazer, prestando um serviço de pior qualidade no conforto de um monopólio. Como tal, é inaceitável que seja agora o dinheiro dos contribuintes, muitos dos quais deixaram de utilizar táxis, a pagar um resgate que os próprios taxistas recusaram evitar. Segundo, porque o Estado interfere num mercado do sector privado: se as pessoas preferirem um UBER a um táxi, compete ao Estado suportar os prejuízos dos táxis? Óbvio que não. Além de que a decisão abre um perigoso precedente: da próxima vez que a tecnologia e a inovação ameaçarem um negócio, o Estado vai suportar os custos da ineficiência desse negócio? Terceiro, porque, para além de errada, a solução passa ao lado do real problema: os taxistas não querem modernizar-se, querem que tudo fique como estava há 10 anos atrás. Daí que o mais certo seja que, depois de gastos os 17 milhões, tudo fique na mesma. E daí que o anúncio do governo possa acalmar temporariamente os ânimos, mas não satisfaça as reais pretensões dos taxistas – a proibição do serviço UBER.

Isto é tudo demasiado evidente para que, no governo, tenha passado despercebido. Daí que a decisão de pagar a modernização dos táxis só possa ser lida sob o objectivo de agradar e comprar a paz no sector dos transportes – que tem muita força reivindicativa e cujos protestos podem fragilizar os equilíbrios políticos da “geringonça”. É verdadeiramente triste se for esse o caso.

O Portugal dos discursos enche a boca de “inovação” e “empreendedorismo”. Fica sempre bem no papel. Mas, no país real, aquele que mistura corporativismos e interesses políticos de curto prazo, persegue-se qualquer ameaça ao status quo, proibindo-a ou recompensando com dinheiros públicos as empresas que, precisamente, escolheram não inovar. O PS, carente de apoios e de uma vitória eleitoral, parece disposto a fazer desse cocktail de corporativismo e interesses o seu seguro de vida. É por isso que, digam o que disserem, o erro vai muito além de táxis e de ubers. É que um país governado assim não pode ir longe.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
António Costa

Prioridades à la carte /premium

Alexandre Homem Cristo
697

Capaz de prometer tudo e o seu contrário, este PS de 2019, embriagado pela hipótese de uma maioria absoluta, não é diferente daquele PS de 2009, cuja soberba atirou um país para o abismo.

Regionalização

O multiplicador de tachos /premium

Alexandre Homem Cristo
615

PSD e PS patrocinam o debate da regionalização que, traduzido para politiquês, não é mais do que um multiplicador de cargos políticos, nomeações e despesa pública – de tachos, portanto. Não, obrigado.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)