Liberalismo

Anthony de Jasay (1925-2019)

Autor

Com uma personalidade de trato nem sempre fácil e ideias heterodoxas e politicamente incorrectas, Jasay fez o seu percurso maioritariamente à margem do sistema académico vigente.

Morreu esta semana Anthony de Jasay (1925-2019), um dos mais brilhantes pensadores liberais clássicos da sua geração. Jasay nasceu na Hungria em 1925 e teve uma trajectória de vida simultaneamente complexa e fascinante. Depois de períodos na Áustria e na Austrália, acabaria por estudar com uma bolsa em Oxford (Nuffield College), aí tendo permanecido como investigador até 1962, com várias publicações em revistas científicas de Economia. Em 1962, Jasay mudou-se para Paris onde trabalhou na banca de investimento (primeiro por conta de outrem e depois estabelecendo o seu próprio negócio) até 1979, ano em que se retirou para a Normandia, onde passou as quatro décadas seguintes numa vida de recolhimento e dedicada em larga medida à reflexão e ao trabalho intelectual.

Com uma personalidade de trato nem sempre fácil e ideias heterodoxas e politicamente incorrectas, Jasay fez o seu percurso maioritariamente à margem do sistema académico vigente. Talvez por isso, e apesar de um gradual crescendo de interesse que creio tenderá a aumentar ao longo dos anos, os seus contributos não mereceram ainda a atenção devida.

As marcas principais da sua obra são o rigor conceptual e analítico, o cepticismo em relação à política e aos políticos e a acutilância e sentido de humor das suas observações. Ao interesse e formação inicial na teoria económica pura (que nunca abandonou), Jasay juntou um crescente interesse pela filosofia política, sendo que o seu pensamento reflecte esta combinação. O seu livro mais conhecido e influente foi The State mas toda a sua obra, em especial a mais tardia, é rica em ideias inovadoras e críticas desafiantes a muitas concepções estabelecidas (os ensaios reunidos em Justice and its Surroundings são um exemplo particularmente feliz desta realidade).

Pessoalmente, valorizo especialmente os seus contributos no domínio da teoria da escolha pública, área na qual Jasay frequentemente criticou de forma acutilante o que ele percepcionava como falta de rigor, inconsistência ou excessiva crença na possibilidade de restringir por via constitucional os abusos do poder político. Desenvolvendo esta linha de pensamento e o que de mais importante penso ter aprendido com ele, tive o privilégio de contribuir para o Symposium sobre Anthony de Jasay promovido pela revista The Independent Review (e organizado por Patrick Lynch) em 2015 com o artigo “No Salvation through Constitutions: Jasay versus Buchanan and Rawls“.

Como bem sintetizou Alberto Mingardi:

“Tony was a partisan of liberty and a political realist. His comments on real-world politics were crisp and most of the times politically incorrect. He had a marvellous, dry sense of humour, which he allowed to come to surface in his shorter pieces. A great mind of our times left us: one day, a greater number of people will remember Anthony de Jasay as such.”

A rara combinação de qualidades que Jasay reunia não será facilmente replicável e por isso a falta dos seus contributos no debate teórico e intelectual será especialmente sentida.

Professor do Instituto de Estudos Políticos da Universidade Católica Portuguesa

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ensino Superior

A fraude da eliminação das propinas

André Azevedo Alves
893

Aos 18 anos os jovens poderiam votar, mas estariam ao mesmo tempo sujeitos à frequência compulsiva de um “ciclo geral universitário” para receberem a adequada doutrinação socialista.

Liberalismo

Para o menino Adam Smith, uma salva de palmas!

Sérgio Barreto Costa
127

Adam Smith festejaria a 5 de Junho, se fosse imortal como as suas ideias, os seus 296 anos e por certo o faria na sua linguagem moderada, humana e carregada de empatia em relação aos menos afortunados

Eleições Europeias

Dois liberalismos

Ricardo Mendes Ribeiro
217

Temos dois partidos nestas eleições que se dizem liberais e no entanto são muito diferentes: o Iniciativa Liberal e o Aliança. O que distingue estes liberalismos são os limites que colocam à liberdade

Liberalismo

Porque um liberal não vota Iniciativa Liberal

José Miguel Pinto dos Santos e Andre Alvim
1.992

Para quem acredita que liberalismo não é apenas sobre impostos e regulação económica, mas é essencialmente sobre a pessoa humana e a sua dignidade, o “liberalismo” da Iniciativa Liberal não é o nosso

União Europeia

Mercados abertos num mundo em convulsão

Cecilia Malmström

Se alguma coisa aprendemos com a última década é que o comércio livre já não é um dado adquirido, pelo que temos de desenvolver mais esforços para manter os mercados abertos para as nossas empresas.

Demografia

Envelhecimento e crescimento económico /premium

Manuel Villaverde Cabral

Nada é mais importante para países como Portugal do que o imparável envelhecimento da população e as suas consequências a todos os níveis da sociedade, da saúde ao potencial de crescimento económico.

Crónica

Amorfo da mãe /premium

José Diogo Quintela

O Governo deve também permitir que, no dia seguinte ao trauma que é abandonar a criança no cárcere escolar, o progenitor vá trabalhar acompanhado pelo seu próprio progenitor. Caso precise de colinho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)