PS

Até 2019 muita água correrá debaixo da ponte

Autor
150

O PS de Costa para além de ter inovado com a “geringonça”, está em processo de liquidação do socratismo financeiro despesista da segunda legislatura que foi, e bem, punido nas urnas em 2011.

1. Imagine que está a correr uma mini maratona de 10 km, e que ainda faltam 3,75 km para a meta. Mesmo que vá na posição da frente, e que isso o faça sentir bem, é tão irracional fazer um sprint como achar que já ganhou. Do mesmo modo, quem vai em 2º, em 3º, ou em 4º lugar, ainda não perdeu. Essa é a distância aproximada a que estamos das eleições de 2019, pelo que há ainda muito caminho a percorrer. As sondagens que agora foram divulgadas, colocando o PS em primeiro, alimentam análises de cenários pós-eleitorais manifestamente prematuros e podem ter efeitos perversos. No PS podem ter um efeito de adormecimento, de que “isto já está ganho”, que espero que António Costa e, sobretudo, Ana Catarina Mendes combatam, ativando a necessária preparação programática para 2019, já a partir do congresso de Maio. No PSD podem ter um efeito de “isto já está perdido e vamos é pensar só no pós 2019”. Rui Rio está certo ao defender a estratégia de um “governo sombra”, mas veremos se é eficaz na sua implementação, sendo que já percebeu que Montenegro é o ausente-omnipresente  que lhe pretende suceder após as eleições. No PCP e no BE há o perigo de estratégias políticas baseadas na contabilidade do que se ganha e se perde com o apoio ao governo e de quem ganha mais e porquê.  A minha interpretação das sondagens é simples. O PS está a mostrar (nestes 6,25 km) que é possível governar à esquerda e gerir bem as finanças públicas. A larga maioria dos portugueses já percebeu que esta última é uma condição necessária de soberania nacional. O PS de Costa para além de ter inovado com a “geringonça”,  está em processo de liquidação do socratismo financeiro despesista da segunda legislatura que foi, e bem, punido nas urnas em 2011.

2. Em vez de olharmos para as sondagens devemos concentrar-nos na solução dos problemas que temos em mãos. Uma questão essencial é perceber, tendo em conta a desejável qualidade dos serviços públicos e o  nível de fiscalidade necessário para os financiar, qual o saldo orçamental que o país pretende alcançar. A polémica em torno da recapitalização da CGD contar, ou não, para o défice de 2017 esclarece-se com o Manual sobre o défice e dívida pública do EUROSTAT. Parece-me claro que parte deve ser considerado como injeção de capital (fluxo financeiro sem ir ao défice) e parte como transferência de capital (não financeiro, indo ao défice). O essencial é, porém, perceber como se alcançou este défice e se ele é sustentável.* Desta questão resulta uma outra que, não sendo fácil, exige análise, diálogo e sentido de responsabilidade: o processo de descongelamento das carreiras na função pública e a negociação em tudo o que tem impacto na massa salarial pública (emprego público, atualizações remuneratórias e suplementos). Um outro tema que testará a vontade política dos partidos é o pacote legislativo da transparência (enriquecimento injustificado, código de conduta de deputados, etc.) cujo debate será reiniciado esta semana na Assembleia da República (AR), depois de ter sido dado tempo ao PSD para após nova direção definir novas orientações. Este irá ser um dos grandes testes a Rui Rio. Será que quem tem vindo a defender a importância da reforma do sistema político e da ética na política irá recuar na altura de tomar decisões importantes? Irá ser também um teste ao PS esperando-se que apoie de forma sólida o que consta explicitamente do seu programa eleitoral. Também nesta semana a AR vai deliberar (em votação indiciária), após inúmeras audições e debates, sobre um direito humano fundamental: o direito a “ser-se quem se é”, uma expressão feliz de Agostinho da Silva, que aplico agora à condição das pessoas trans. Muita coisa importante se vai passar no país antes das eleições e o melhor é cada um, no seu lugar, assumir desde já as suas responsabilidades.

PS – A resposta a estas e outras questões está dada num livro que sairá esta  semana  “Uma Estratégia Orçamental Sustentável para Portugal”, na Almedina de P.T. Pereira, R. Cabral, L.T. Morais e J. A. Vicente, e será lançado a 10 de Abril no ISEG.     

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Finanças Públicas

Como evitar um 4º resgate? /premium

Paulo Trigo Pereira

Portugal necessita de mais doze anos (três legislaturas completas) de crescimento económico e de finanças públicas quase equilibradas para sair da zona de risco financeiro em que ainda se encontra.

Crónica

Portugal, país-slime /premium

Helena Matos
153

Estão a ver aquela massa viscosa com que as crianças se entretêm? O slime, claro. Portugal está a tornar-se num país-slime, onde os valores são moldados a gosto e a responsabilidade não  existe.

Política

Podemos falar de coisas sérias?

Salvador Furtado

Outubro já não está assim tão distante, e o governo sabe isso. Mas o assunto da maior carga fiscal de sempre? E o da corrupção? E o de sermos um dos países com um dos piores crescimentos da zona euro?

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)