1 Bem podem argumentar os perdedores das próximas autárquicas que estas eleições são locais e que nunca têm consequências nacionais. Basta perguntar a António Guterres em 2001 e recordar outros episódios no passado (para os governos ou líderes da oposição em exercício de funções) para concluir que não é assim. Essa será uma premissa essencial para analisarmos os resultados do próximo dia 26 de setembro.

Temos também de ter em atenção o histórico das últimas eleições autárquicas para percebermos as tendências, compararmos resultados e retirarmos as devidas conclusões. E, no que diz respeito aos dois principais partidos (PS e PSD), há que ter em conta o seguinte contexto:

  • O PS tem vindo a bater os recordes autárquicos do partido desde 2009. Começou com José Sócrates em 2009, um mês depois de ter perdido a maioria absoluta. Continuou com António José Seguro em 2013 no auge da política de austeridade do Governo Passos Coelho: 149 autarquias e 923 mandatos. E manteve-se a tendência de crescimento com António Costa em 2017: 159 câmaras e 952 mandatos. São três vitórias consecutivas sempre a crescer, com a particularidade de Costa ter suplantado o recorde absoluto que estava na posse do PSD de Cavaco Silva (1985) em termos de autarquias conquistadas.
  • O PSD não ganha umas eleições autárquicas desde outubro de 2005 e tem vindo a descer de forma sustentada desde 2001 — ano em que conquistou sozinho 149 câmaras e 17 em coligação com o CDS e outros partidos. Sozinho baixou pela primeira vez das 100 autarquias em 2013 e nunca mais recuperou; se contarmos com as coligações com o CDS, baixou da fasquia das 100 autarquias em 2017 com Passos Coelho. Se compararmos 2001 com 2017, os social-democratas perderam 63 autarquias — sem contar com Lisboa e Porto e outros concelhos em que o PSD ganhou em 2001 em coligação com o CDS.

A primeira conclusão é simples: o PS é desde há largos o grande partido autárquico nacional, enquanto o PSD tem cada vez menos votação, com destaque para a erosão do seu eleitorado nos principais centros urbanos do país.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.