Rádio Observador

População e Censos

Carta aberta ao meu amigo Alexandre Homem Cristo

Autor
  • Guilherme Valente

O delírio das identidades (num país como o nosso ainda mais criminoso), a invenção dessa tolice, pode ser a criação de um problema e um drama para personalidades pessoal e educativamente mais frágeis.

Li entre o choque e a surpresa o artigo “Quando o estado perpetua o racismo” publicado no Observador pelo meu amigo Alexandre Homem Cristo.

Porque não uma estrela de David na lapela dos judeus? E meia estrela com meio galo de Barcelos nos semi-judeus, seja em que grau for, como seremos quase todos, mesmo, porventura, alguns dos chineses humildes mas laboriosos que vivem connosco? E, sei lá, uma tanga nos africanos e meia tanga e meio galo de Barcelos nos luso-africanos? E uma pinta na testa dos indianos e meia nos luso-indianos? E uma flor de lótus nos chineses e meia com meio galo de Barcelos nos lusos chineses, até agora raríssimos pelas razões que sei? E, sei lá que parte desses símbolos todos nos descendentes de terceira geração? E nos de quarta e quinta? E o quê, por exemplo, no José Manuel Fernandes em que me parece poder vislumbrar-se uma clara ascendência berbere?

Talvez, aliás, um emblema para as “identidades” próprias inumeráveis que abençoadamente somos todos nós, brancos e pretos, meio-brancos e meio pretos, caucasianos e semitas, mistura riquíssima crescente de tudo isso, seja lá o que isso for. Eu, branco – que estranho e que horror dizer-me assim de mim próprio –, louro e de olhos esverdeados, apenas, apenas, com 32% de genes africanos, por ter nascido a Norte do Tejo, mas possivelmente mais parecido com um negro de S. Tomé pela biologia do meu fígado ou pela educação que aquele terá recebido por ter nascido e vivido em Portugal, do que com um filho de beirões como eu nascido e crescido em Angola e com diabetes que felizmente nem eu nem o meu primo africano têm? Percebe? “Todos diferentes, todos iguais”… e agora o quê?

Depois do orgulho gay, o orgulho negro – e portanto, porque não o branco? –, e porque não o orgulho rico, e meio rico? E o orgulho dos filhos de elites, sejam lá elites do que for, dos políticos, dos doutores, dos médicos, dos cientistas, dos grandes industriais, e dos médios? E o INE passar a registar isso tudo.

Fui até à caricatura para se perceber a tolice. Mas o pior, claro, não é a tolice. É o crime, os dramas pessoais e a catástrofe social que essa estupidez desencadearia.

Lembro-me, numa Feira do Livro em que estive no stand da Gradiva com José Hermano Saraiva – que saudades tenho desse amigo admirável – de ele me ir convidando a identificar, na sua maneira de ser lúdica, hiperpespicaz e na sua erudição, para o mosaico caleidoscópio de facto admirável de origem étnica dos leitores que iam passando e com quem ia conversando gostosamente.

Meu caro Alexandre: li o seu artigo chocado e surpreendido. Pois nem mesmo o Alexandre vê, VÊ, a armadilha em que está cair? O delírio – criminoso! – que também o Alexandre está a ajudar a promover, a promover?

A intenção do Alexandre é também boa, não duvido, tal como achou ser bem intencionada a daqueles de quem discorda. Boa mas inadvertida, ingénua, só pode ser isso. É que com essa sua posição está a dar importância e sentido ao que deve ser tratado e enfrentado como a pura ideologice que é. Está a dar “corda” ao que devia saber ser a um delírio cuja natureza devia conhecer, percebendo-lhe as consequências devastadoras, pessoais e sociais.

O delírio das identidades (num país como o nosso ainda mais criminoso), a invenção dessa tolice, pode ser a criação de um problema e de um drama para as personalidades pessoal e educativamente mais frágeis. E sem nenhum sentido. Ora repare. E uso o Alexandre para mais um dos inumeráveis exercícios possíveis na nossa sociedade, repito, abençoadamente geneticamente riquíssima: em que etnia o inscrever a si? É que lhe vislumbro (na sua foto no Observador bem percetíveis) traços de uma distante ascendência africana*. Presente, aliás, no stock genético dos Portugueses ao Sul do Tejo numa percentagem de 72% (dados do último estudo). Por curiosidade, 32% nos Portugueses ao Norte do Tejo.

E se for assim, diga-me em que categoria étnica o colocariam. Que designação? Português/berbere, com ascendência recente?

Nos inúmeros cidadãos que não têm formação intelectual e convicções sedimentadas como felizmente pudemos ter, nos que não sejam elites com somos, que sentimentos desencadearia tal enormidade?

E note bem: no que gente como nós tem de insistir é no seguinte:

Há discriminação(ões)? Há, e são o nosso grande e endémico problema. Mas a mais significativa e nefasta nem é da “raça”. Esta, aliás, no seu feito, sempre ligada à pobreza. O problema real são essas discriminações, pessoal e nacionalmente “despedaçantes” realmente. O problema real é não serem enfrentadas como as devíamos enfrentar e ir erradicando. As nepóticas, de família, compadrio político ou de interesses.

Comunguemos, combatamos por uma sociedade meritocrática. Pela educação, pela liberal igualdade de oportunidades, por um ensino público de qualidade, pela avaliação a todos os níveis, pela justiça. Não é esse o combate que temos travado ou querido travar?

A tal “política de identidade”, que o seu artigo objectivamente alimenta, multiplicação exponencial de racismos, conduziria se o delírio não parasse – e acho que parará por extinção natural — numa espécie de mundo “mad max”… que parece anunciar-se.

Pense nos meus argumentos, meu Amigo. É epifânicio mudarmos de opinião!

* Já agora, gostava de saber de onde é originária a sua família. Se tiver curiosidade em conhecer a origem dos componentes presentes no seu stock genético, diga-me. Falarei ao meu amigo Carlos Fiolhais que o ajudará nisso.

Abraço do amigo e admirador,

GV, descendente sem linha recta do português D. Duarte de Almeida, o herói porta-bandeira da Batalha de Toro. O Decepado de Toro.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Imigração

Um desafio exaltante

Guilherme Valente

O grande desafio do nosso tempo é organizar uma política da emigração justa, viável, bem-recebida, aceitável pelos europeus. A Europa não conseguirá ser de facto o refúgio e o emprego do mundo.

China

Xi Jiping e os falsos penitentes do horror maoísta

Guilherme Valente

O prestígio e grande apoio da população que Xi Jinping conquistou devem-se sobretudo a seu combate à corrupção (e à afirmação do País no exterior, paz social e progresso económico).

Estado Islâmico

Daesch, a "islamização da radicalidade"

Guilherme Valente

É a crença num apocalipse final, de que o Daesh se considera agente promotor, que explicará porque tem atraído psicopatas e fanáticos sobretudo de populações marginalizadas do Médio Oriente e Europa

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)