Banca

Castiguem os responsáveis! /premium

Autor
233

A defesa tenaz de alguém como Tomás Correia faz-nos pensar que, se o PS fosse poder quando o BES faliu após toda a trafulhice, os seus líderes não se teriam atrevido a dizer não ao Sr. Ricardo Salgado

Há anos que insisto no facto de a crise financeira que estoirou em 2011 nas mãos do PS e do seu líder de má memória estar ainda muito longe de ter sido limpa de vez, mesmo depois das dezenas de milhar de milhões de euros que tem custado ao país! A prova é que, dez anos depois, ainda mal recuperámos o PIB per capita de 2008. Na realidade, desde o início do século XXI, a economia portuguesa cresce à média de meio-ponto percentual por ano e o PIB per capita pouco mais do que isso. Portugal é um caso limite de estagnação!

No cerne desta contra-performance que fez de Portugal um dos últimos países da zona euro, tendo sido ultrapassado por quase todos os países originários do «bloco soviético», encontram-se três factores que se têm alimentado um ao outro antes mesmo de nos levar à virtual bancarrota de 2011. Estou a falar da absorção do aparelho de Estado pelo sistema político-partidário; do desmesurado peso do sector bancário, seja público, privado ou «social»; e finalmente, da gigantesca corrupção promovida pela colusão dos dois primeiros factores.

Tanto assim que, neste momento, apenas sobram dois bancos minimamente sólidos, a saber, aqueles que foram adquiridos pela banca espanhola. Quanto ao BCP, está já subordinado aos chineses da FOSUN, cujo peso em Portugal é contestado pelos nossos parceiros internacionais. Os três bancos restantes não saem dos títulos dos jornais apesar da conspiração do silêncio que o actual governo procura manter, acumulando mentiras após mentiras e falhando promessas após promessas, como era aliás fácil de ver já há dois anos.

Um de cada vez ou todos ao mesmo tempo, ora se descobre que a menina dos olhos da «geringonça» governamental – isto é, a Caixa Geral de Depósitos – foi levada à beira da falência pelos seus administradores e clientes privilegiados, cujos nomes estão em todos os processos em curso; ora se verifica que a actual administração não tem condições para manter a CGD no sector público sem continuar a fornecer-lhe milhares de milhões de euros dos contribuintes.

O mesmo se passava na mesma altura com a pseudo-venda do «Novo Banco», isto é, a entrega dos restos do falido BES a um fundo-abutre com o nome poético de Estrela Solitária. Já então era possível ver que nem o objectivo do fundo-abutre era salvar o BES mas tão só vender o que for vendável, nem o governo da «geringonça» fugiria a enterrar mais alguns milhares de milhões de euros a fim de manter a ficção do «Novo Banco» à custa do défice do país…

Finalmente, há cerca de um ano já era evidente que «não havia milagres» e que também o chamado Montepio não só não seria resgatado pelos dinheiros que o governo pretendia ir buscar à Misericórdia de Lisboa, como teria de fazer frente, com os respectivos custos de reputação e não só, à falta de idoneidade do Sr. Tomás Correia, dono aparente da Mútua… O caso Montepio, que nos ficaria mais barato se fosse vendido a preço de saldo ao primeiro comprador, vem demonstrar a total incompetência do PS para lidar com os monos invendáveis da banca socrática assim como o seu despudor ao repetir as mesmas promessas.

Com efeito, a forma como o PS apoiou a reeleição de Tomás Correia e como persistiu em sustentá-lo depois de ele ter sido multado pelo Banco de Portugal, não hesitando em manipular a entidade reguladora e em passar por cima da acta que isenta o condenado de pagar a multa, tal comportamento mostra duas coisas fundamentais para nos compenetrarmos de vez que o PS foi totalmente responsável pelos comportamentos que levariam o país à falência sem o resgate internacional.

A defesa tenaz de alguém como Tomás Correia, cuja duvidosa credibilidade é conhecida, faz-nos pensar imediatamente que, no caso de o PS estar no poder quando o BES faliu após todas as trafulhices, os líderes do PS não se teriam atrevido a dizer não ao Sr. Ricardo Salgado. Alguém duvida? Ainda hoje ele lá estaria e os contribuintes a pagar, como lá estariam todos os mandantes e clientes da corrupção larvar!

Desde António Costa, antigo presidente da Câmara Municipal de Lisboa, de onde trouxe grande parte dos seus colaboradores, até Vieira da Silva, há perto de uma década com a mão na maior fatia do Orçamento de Estado para distribuir ao eleitorado e citado há pouco a propósito da burla das «Raríssimas», a protecção reservada pelo PS a alguém como o «dono do Montepio» devia surpreender-nos, mas a verdade é que mostra como estamos desarmados perante as redes de influência e de corrupção. É de esperar que o eleitorado castigue os responsáveis partidários!

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Demografia

Envelhecimento e crescimento económico /premium

Manuel Villaverde Cabral

Nada é mais importante para países como Portugal do que o imparável envelhecimento da população e as suas consequências a todos os níveis da sociedade, da saúde ao potencial de crescimento económico.

Marcelo Rebelo de Sousa

O comentador de televisão /premium

Manuel Villaverde Cabral
725

O presidente-comentador tem contribuído tanto como o PS para a paralisia política imposta pela «geringonça». Apenas lhes importa que as probabilidades de mútua reeleição não se alterem.  

União Europeia

A construção da Europa /premium

Manuel Villaverde Cabral

A União Europeia ficaria sem dúvida mais pobre sem o Reino Unido mas, em compensação, ficaria mais europeia; menos nacionalista e imperialista; porventura menos obcecada com os mercados.

Economia

Produtividade: a culpa é da mão de obra?

Fernando Pinto Santos

De quem é a culpa da baixa produtividade do trabalho em Portugal? Da mão de obra? Sim, mas é só um dos fatores. Falta também maior eficiência dos fatores produtivos e maior capacidade para criar valor

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)