Que bonita, esta quadra natalícia: as ruas iluminadas, os sorrisos das crianças, as infindáveis greves que provocam o caos em toda a parte. Vão ser dezenas de greves até ao final do ano. Felizmente, António Costa deu tolerância de ponto nos dias 24 e 31. Assim os funcionários públicos podem descansar um bocadinho de tanta greve.

A minha greve predilecta está a ser a dos enfermeiros. Para viabilizar a paralisação os enfermeiros fizeram contas a quanto custava apoiar os grevistas e efectuaram uma campanha de crowdfunding para financiar a greve. Estamos portanto na presença da primeira greve com um modelo de negócio. Quem disse que sector público e sector privado não podem coexistir em harmonia? Este exemplo combina na perfeição a típica greve do sector público com o empreendedorismo do sector privado. Parece é ser trabalhoso de organizar. Não daria muito menos trabalho ir simplesmente trabalhar?

Como é óbvio os funcionários públicos têm razões de queixa. De Passos Coelho, claro. Basta lembrar como em 2015 o PSD optou, maldosamente, por ganhar as eleições apenas com maioria relativa. Só para obrigar António Costa a formar a geringonça. Depois, claro, o actual primeiro-ministro não teve alternativa salvo ir a reboque dos comunistas na reposição de rendimentos. E perante isto que alternativa tinha Mário Centeno excepto cativar despesa ao ponto de deixar os serviços públicos à beira do colapso? Maquiavélico, aquele Passos.

Mas este fim de semana trouxe uma esperança renovada à política portuguesa. Foi eleita a nova secretária-geral da Juventude Socialista. Confio estarmos na presença de uma futura líder do PS que um dia pode alcançar uma maioria absoluta, à imagem de José Sócrates. Se não, vejamos o que Maria Begonha tem para apresentar. Currículo aldrabado: check. Recebimento duvidoso de verbas: check. Uma investigação do Ministério Público em curso: check. Uma defesa destas acusações baseada na tese da cabala: check. Distanciamento prudente e sonso de António Costa, que nem sequer foi ao congresso da JS: check. De Maria Begonha fica só a faltar conhecermos a melhor amiga e a prima que lhe é muito querida.

Por falar em melhores amigos e primos queridos, em Paris a revolta dos coletes amarelos parece já ter acalmado. Foi a altura do ano ideal para o protesto uma vez que a lista de reivindicações mais parecia a carta de uma criança de 8 anos ao Pai Natal: os manifestantes queriam tudo, com destaque para muito menos impostos e muito mais ordenados e reformas. Mais facilmente o Pai Natal poria nos sapatinhos unicórnios embrulhados em nuvens. É o tipo de exigência que se esperava não tanto de alguém com um colete amarelo, mas de alguém envergando um bibe. Perante esta lista de pedidos o Presidente Macron optou por aumentar o salário mínimo. É aquela típica solução do “Como não sei bem o que querem, prefiro dar-vos dinheiro. Assim compram qualquer coisa ao vosso gosto.”