Rádio Observador

Ambiente

Independência (excepto para gestão florestal) ou morte! /premium

Autor
  • José Diogo Quintela
340

Esta campanha contra o lítio é bizarra: estas pessoas desejam energias renováveis, mas não admitem que se extraia o lítio necessário para as baterias que vão, lá está, renovar a energia.

O primeiro registo de fuga aos impostos está na Teogonia, de Hesíodo. Escrito no séc. VIII a.C., narra, entre outras, a história de Prometeu, o titã que enganou Zeus com o conteúdo da oferta sacrificial que lhe era devida. Depois de morto e desmanchado o boi, Prometeu embrulhou a chicha em desagradáveis vísceras e os ossos em apetitosa gordura. Colocou os dois pacotes à disposição de Zeus que, ludibriado, escolheu o de aspecto mais tentador. Irritado com o logro, penalizou os homens, retirando-lhes o fogo. (É provável que tenha sido aí que, com boa alcatra, mas sem fogo para a cozinhar, a humanidade tenha inventado o bife tártaro. Estranhamente, Hesíodo não se debruça sobre o tema culinário).

Uma pena desproporcional, a confirmar a minha velha suspeita de que a Autoridade Tributária tem origem na Antiguidade Clássica: não só pela ressonância mitológica das punições, mas por todas as comunicações da AT serem grego para mim.

Entretanto, Prometeu não se fica e recorre da decisão de Zeus. Mas, sabendo da morosidade da justiça, principalmente a administrada por imortais, resolve roubar o fogo e devolvê-lo aos homens. É aqui que Zeus se irrita à séria e condena Prometeu a ser acorrentado a uma rocha, onde uma águia vem, todos os dias, para lhe comer o fígado. De noite a isca é regenerada, para que a águia a possa voltar a papar.

É um castigo duro demais. Sempre achei que Zeus tinha exagerado e que Prometeu não merecia tamanha condenação. Até hoje. Agora, já acho que a pena é leve. Se Prometeu não nos tivesse devolvido o fogo, hoje não tínhamos de aturar esta confusão na análise de incêndios, em que, se há fogos em Portugal, a culpa é do aquecimento global e falar em responsabilidades do Governo é aproveitamento político; e, se há fogos no Brasil, a culpa é do Governo e falar em aquecimento global é estúpido.

Nós já dizemos “talho”, “rebuçado” e “telemóvel”, enquanto os brasileiros dizem “açougue”, “bala” e “celular”. Agora, há mais uma diferença entre o português de Portugal e do Brasil: nós dizemos “incêndio causado pelas alterações climáticas, sem que haja nada que o Governo possa fazer”, e eles dizem “incêndio causado pelo Governo, sem intervenção das alterações climáticas”.

Prometeu precipitou-se. Nós não estamos preparados para falar do fogo, quanto mais tê-lo. Esta incoerência faz-me dores de cabeça. Prometeu merece bem as dores de fígado. Trata-se, ainda por cima, de uma incoerência que gera ainda mais incoerência. Neste momento, é normal ver grupos de pessoas que costumam vociferar contra a opressão do heteropatriarcado ocidental cis supremacista branco racista colonial (não sei se é o termo correcto, limito-me a usar todas as palavras que costumo ler, uma macedónia de jargão identitário), a defenderem a ingerência num assunto interno do Brasil. É gente que acha que o grito do Ipiranga tem um asterisco. “Independência* ou morte!” (*excepto para gestão florestal). Se a Amazónia é o pulmão do planeta, estes grupos são o apêndice do planeta: não servem para nada e, quanto mais inchados ficam, mais aborrecem.

São estas pessoas que desejam energias renováveis, mas não admitem que se extraia o lítio necessário para as baterias que vão, lá está, renovar a energia. Esta campanha contra o lítio é ainda mais bizarra por ser também um medicamento usado no tratamento do transtorno bipolar e estes activistas tanto estarem excitados com a transição energética, como deprimidos com o que é preciso para a fazer.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PAN

Totalitarismozinho dos anos 40 /premium

José Diogo Quintela

Este discurso da emergência climática dá muito jeito em termos políticos. Em primeiro lugar, tudo o que acontece de mal deve-se ao clima. Logo, a culpa nunca é do Governo, é de toda a humanidade.

José Sócrates

António Costa, o da memória má /premium

José Diogo Quintela
1.536

A questão não é os portugueses terem má memória da maioria absoluta do PS, antes é os portugueses não se lembrarem bem do que aconteceu nesse tempo. Se se lembrassem, não votariam nos mesmos marotos.

Filosofia Política

A doença mental chamada Amazónia

Gabriel Mithá Ribeiro

Resta decretar o estado de emergência climática que, na prática, se traduz no combate ao capitalismo em nome do socialismo, mas na condição daquele disponibilizar muitos mil milhões de dólares a este.

Ambiente

Ser ambientalista agora é muito fácil

Salvador Malheiro
799

Qual é a estratégia de descarbonização quando, neste mandato, o Bloco quis a todo o custo taxar as energias renováveis, se opôs à construção de barragens, à energia eólica e à exploração de lítio?

Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)