Caixa Geral de Depósitos

Joe Berardo foi uma criação do governo de Sócrates /premium

Autor
2.388

Com Sócrates e Vara, Berardo transformou-se num ‘empresário’ disponível para ajudar as estratégias do governo socialista para intervir na economia, escolhendo os seus aliados e derrotando os outros.

O Primeiro Ministro, António Costa, mostrou-se indignado com Joe Berardo. Afirmou, num debate parlamentar: “Acho que o país está seguramente todo chocado com o desplante que o senhor Joe Berardo respondeu na semana passada na Assembleia da República.” A maioria dos portugueses estará certamente chocada, ou pelo menos aqueles que ainda se chocam, mas duvido que o PM e o seu partido tenham aprendido devidamente as lições do que se passou com Berardo.

Até 2005, Berardo era um empresário como muitos outros. Tinha sobretudo sucesso na Madeira, mas estava longe de ser uma figura nacional. Durante o governo socialista de Sócrates, desenvolveu os contactos certos entre os próximos do então PM, especialmente com Armando Vara. Rapidamente, transformou-se num ‘empresário’ disponível para ajudar as estratégias do governo socialista para intervir na economia, escolhendo os seus aliados e derrotando os outros. O caso de maior visibilidade foi o papel desempenhado por Berardo, aliado ao governo, para tomarem o poder no BCP. Para isso, a Caixa Geral de Depósitos, administrada pelos amigos de Sócrates, emprestou dinheiro a Berardo. Com esses créditos, o “empresário de sucesso” comprou ações no BCP, tornando-se um acionista com capacidade para ajudar a contruir maiorias no Conselho de Administração do banco. Essas maiorias votaram de acordo com os interesses do governo.

As suas dívidas à banca, que agora tanto indignam os portugueses e o actual PM, são a herança desse capitalismo de Estado implementado pelo mesmo partido que está agora no governo. O problema é muito mais grave do que Berardo. O verdadeiro problema foi a aliança entre o governo e empresários para intervirem no sector privado de acordo com os interesses do PM José Sócrates e dos seus camaradas socialistas. Se António Costa está mesmo chocado, o que deve fazer é prometer aos portugueses que o seu partido nunca mais praticará o tipo de capitalismo de Estado que definiu os governos do seu antecessor José Sócrates. Está Costa preparado para o fazer?

Enquanto houver capitalismo de Estado haverá sempre ‘Berardos’ para se aliarem ao governo. No passado foi o Joe, amanhã será o ‘José’ ou o ‘Manuel’. Quando o governo socialista de Sócrates precisou de Berardo, ajudou-o em tudo. Agora que o empresário caiu em desgraça, o PM socialista está “chocado”. Estar chocado não chega. O problema foi o capitalismo de Estado. Não estou seguro que o PS tenha aprendido a lição.

E já agora se António Costa tivesse a grandeza de um verdadeiro homem de Estado, reconheceria o contributo fundamental que o governo de Passos Coelho deu para se combater as piores prácticas do capitalismo de Estado herdadas do governo de Sócrates. Hoje Costa pode chocar-se com Berardo porque houve uma troika e um governo entre 2011 e 2015 que quis tornar o capitalismo português mais decente e subordinado a regras. E sobretudo acabar com o capitalismo de alianças e esquemas entre o governo de Sócrates e os seus empresários favoritos, entre eles Joe Berardo.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
FC Porto

João Félix (e youth league) /premium

João Marques de Almeida
566

Uma mensagem para todos os portistas. Vamos dar os parabéns ao Benfica, esquecer os árbitros, ganhar ao Sporting na final da Taça e apostar nos nossos jovens jogadores nas próximas épocas. 

Caixa Geral de Depósitos

E Berardo deixou-os nús /premium

Helena Matos
1.931

A fúria dos seus parceiros nasce não do que Berardo fez mas sim daquilo que expôs sobre eles e como exercem o poder. Do BCP ao CCB, Berardo, o capitalista de Estado, é a outra face do socialismo.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)