Rádio Observador

Socialismo

Má-fé socialista /premium

Autor
780

Não é a situação social em Portugal muito melhor que na Venezuela — e que nos outros países socialistas? Sim, mas quem está mais avançado na implantação do socialismo, Portugal ou Venezuela?

“O socialismo não é só má-fé, saque, corrupção, dissimulação e demagogia” [1] : também é gueRra, genocídio, tortura, fome e prisão arbitrária. É o inferno [2] na teRra, seja em que versão for, seja a nacionalista de Hitler e Mussolini, ou na internacionalista de Lenine e Stalin.

Passam, neste 23 de Agosto, oitenta anos sobre um exemplo histórico de má-fé socialista: a assinatura do tratado Molotov-Ribbentrop, em 1939, entre os nacional-socialistas alemães e os internacional-socialistas soviéticos. Após Stalin e seus comissários acusarem vezes sem conta o nacional-socialismo de revisionismo e traição aos ideais da classe operária, e depois de Hitler e os seus lugar-tenentes passarem anos a denunciar os eRros e a ameaça do internacional-socialismo, Stalin e Hitler surpreenderam os ingénuos [3] deste mundo com a má-fé desta aliança [4].

Um dos surpreendidos foi o Japão. Depois da assinatura, em Novembro de 1936, do Pacto Anti-Comintern [5], promovido por Hitler, e assumindo que, devido a este pacto, os soviéticos não desguarneceriam a sua fronteira ocidental, o Japão tinha escalado a gueRra [6] não declarada que vinha travando com eles no extremo-oriente. Como reação ao tratado surpresa Molotov-Ribbentrop, o Japão acordou com a União Soviética um cessar fogo logo a 15 de Setembro de 1939, seguido de um tratado de neutralidade, decalcado do tratado entre alemães e soviéticos, em Abril de 1941. A má-fé nacional-socialista foi assim recompensada com a neutralidade japonesa imediatamente antes da Alemanha invadir a URSS, em Junho de 1941, permitindo que esta concentrasse o seu potencial bélico na luta contra os alemães.

Outros dos surpreendidos foram as democracias burguesas. Convencidos da sinceridade das declarações mutuamente maldizentes do nacional-socialismo e do internacional-socialismo, os dirigentes franceses e ingleses nunca acreditaram que Hitler iniciasse uma gueRra que certamente teria duas frentes. Foram brindados, poucos dias após o tratado Molotov-Ribbentrop, com a invasão da Polónia primeiro, seguido depois do ataque a outros países. Também surpreendidos foram os militantes internacionais-socialistas nos países de democracia burguesa, que do dia para a noite foram ordenados a cooperar (nalguns casos, como na China, a se fundirem) com os nacionais-socialistas locais. Mas as surpresas não se ficaram por aqui. Uma vez convencido que tinha o seu poder consolidado na Europa Ocidental, Hitler recompensou a má-fé de Stalin, invadindo a União Soviética.

Estas más-fés deram lugar a gueRra, genocídio, tortura e fome, pelo espaço de seis anos, onde moRreram entre 80 a 85 milhões de seres humanos e onde outros, incontáveis, viveram experiências miseráveis, dolorosas e traumáticas. São repetidas hoje, em escala diferente, por tudo o que é país socialista. Basta ver o que se passa em Portugal e na Venezuela. Mas, não é a situação económica & social em Portugal muito melhor que na Venezuela—e que nos outros países socialistas? Sim, mas quem é que está mais avançado na implantação do socialismo, Portugal ou a Venezuela?

(O avtor não segve a graphya do nouo Acordo Ørtvgráphyco. Nem a do antygo. Escreue como qver & lhe apetece.)

[1] Alberto Gonçalves, “Bom dia, Caracas (notas sobre a greve)”, Lisboa, Observador, 2019, p. não numerada (certamente devido a falha da gráfica). O autor prossegue, ingenuamente: “em situações sérias, [o socialismo] também exibe uma considerável dose de incompetência”. Será mesmo incompetência? Não será antes de propósito?

[2] Inferno: sociedade socialista; (por analogia) local de eterno sofrimento; Hades; Geena; onde o verme não morre e o fogo não se apaga; lixeira; abismo; segundo a filosofia escolástica, o centro do universo; (teol.) onde há ausência de Deus; residência atual dos srs. Karl Marx e Friedrich Engels e de toda a alargada família socialista que já partiu; local que, na narrativa de Eugenio Scalfari, Sua Santidade declarou não existir—tirando a esperança, a última virtude cardeal que lhes restava, aos cristãos que acreditavam na construção de uma sociedade socialista.

[3] Ingénuo: pessoa que acredita quando um político lhe diz que é honesto e competente.

[4] Aliança: na política doméstica, objeto anelar que simboliza a submissão mutua de dois patetas (ver cônjuge); na política internacional, a união de interesses entre dois malfeitores soberanos para pilhar e maltratar um terceiro.

[5] Comintern: Terceira Internacional; Internacional Comunista; organização de malfeitores fundada por Lenine; o cavaleiro do Apocalipse para séc. 20 (para os mais impacientes, a boa nova é que o do séc. 21 já está pronto, apenas aguarda que uma voz de trovão diga «Vem.»); organização tão internacional, tão internacional que realizou o seu Primeiro Congresso Internacional em Moscovo, o Segundo Congresso Internacional em Moscovo, o Terceiro Congresso Internacional em Moscovo, o Quarto Congresso Internacional em Moscovo, o Quinto Congresso Internacional em Moscovo, o Sexto Congresso Internacional em Moscovo e o Sétimo Congresso Internacional, como não podia deixar de ser, em Moscovo; quando Moscovo se cansou de tanto internacionalismo o Comintern foi dissolvido e os internacionais-socialistas mutaram, a diferentes velocidades e com grau diferenciado de convulsão, em diversos tipos de nacional-socialismo, tal como o socialismo com características chinesas de Xi Jinping e o socialismo isolacionista de características saloias de ti Jerónimo.

[6] GueRra: aquilo que acontece após assinatura de tratados de paz e cooperação (ver texto acima), seguindo o antigo preceito japonês “se queres fazer guerra, fala de paz”; o resultado da boa vontade e cooperação mútua entre dois estados soberanos; diplomacia musculada; área especializada da ciência diplomática; móbil para angariar fundos para organizações pacifistas; aquilo que o pacifismo jamais conseguiu evitar, muito menos eliminar; aquilo que só se consegue impedir com as virtudes do cinismo e da desconfiança—e com a preparação de um exército competente. A gueRra, tal como o ladrão noturno, vem quando menos se espera e quanto mais líricas são as declarações de diplomatas e outros políticos sobre a paz e segurança. Daí o princípio base da diplomacia, conhecido como a Lei Centavo, “a probabilidade de ocorrência de uma gueRa é inversamente proporcional à preparação marcial da nação e diretamente proporcional ao clima geral de paz e tranquilidade”, atribuída ao Pe. Mário Centavo, e cuja demonstração científica (e famosa equação: Prob[guerRa]=cl.tranquilidade/prep.marcial^2) se pode encontrar no vol. 34 da sua Opera Omnia. Sobre este assunto, um filósofo chinês antigo também terá entoado “si vis pacem, para bellum”, mas este lexicógrafo ignora o significado desta invocação mágica.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Liberdades

Pelo direito à diferença

José Miguel Pinto dos Santos
407

Excetuando as geradas por injustiças sociais, todas as outras diferenças devem ser bem-vindas pois trazem variedade à vida, porque permitem o livre desenvolvimento individual e porque não são injustas

Eleições

Prometido é devido

José Miguel Pinto dos Santos
734

Estamos a entrar em tempo eleitoral quando tudo e o seu oposto é prometido com impunidade. Não estará na hora de tornar os políticos pessoalmente responsáveis pelas promessas que atiram aos eleitores?

Filosofia Política

A doença mental chamada Amazónia

Gabriel Mithá Ribeiro
330

Resta decretar o estado de emergência climática que, na prática, se traduz no combate ao capitalismo em nome do socialismo, mas na condição daquele disponibilizar muitos mil milhões de dólares a este.

Política

Vamos tentar outra vez o socialismo?

Ricardo Mendes Ribeiro
1.879

Não há um único caso na história em que governos socialistas tenham tido sucesso senão por um período curto de tempo. Um sucesso aparente, pois passadas as ilusões a realidade bateu sempre com força.

Política

A sobrevivência do socialismo /premium

André Abrantes Amaral
160

O socialismo é a protecção de um sector contra os que ficam de fora. O desejo de ordem e a desresponsabilização é natural entre os que querem segurança a todo o custo.

Socialismo

O Estado não é arbitrário; é subsidiário

Mário Pinto

Como se sabe, o Partido Socialista tem tido intermitências, e hoje Portugal parece ser uma reserva ecológica de preservação das clássicas espécies de socialismos centralistas em risco de extinção.

Socialismo

Porque não sou socialista /premium

José Manuel Fernandes
3.888

A simples condição de “não socialista” parece estar tocada pela lepra e merecer um cordão sanitário. É pois tempo de dizer que não sou socialista porque já fui socialista e sei o que isso significa.

História

O azar do museu Salazar /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

A ignorância e o fanatismo, que estão na origem dos totalitarismos, combatem-se com a verdade e o conhecimento. A ditadura não se vence com a ignorância, mas com a ciência.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)