Rádio Observador

PS

Mais uma vez, a propaganda socialista a chegar ao fim /premium

Autor
1.408

Uma certeza temos em relação aos governos do PS: está tudo a correr muito bem até ao dia em que começa tudo a correr muito mal. É quando a “política de comunicação” se torna curta para tanta realidade

Muita gente elogia, e volta a elogiar, a “política de comunicação” dos socialistas. Ouvi vezes sem conta, amigos meus, pessoas do PSD e do CDS lamentarem-se: “se nós tivéssemos a política de comunicação do PS”… Ou, “o Passos Coelho fez que devia ser feito mas não soube comunicar”. Tive sempre problemas com estes argumentos e a “política de comunicação” do PS nunca me impressionou. Mais: desconfiei sempre dessa “política” desde os tempos do Sócrates.

A “política de comunicação” do PS é basicamente convencer os portugueses de que tudo vai bem quando quase tudo vai mal. Se se usar a expressão ‘mentira organizada’, não se está longe da verdade. Obviamente, os socialistas a as esquerdas em geral beneficiam de uma complacência geral e, nalguns casos, de uma cumplicidade activa de grande parte da comunicação social. Sem esse apoio, não haveria “política de comunicação.” No caso do governo de António Costa, a “política de comunicação” beneficiou ainda da camaradagem do Bloco e do PCP. Com os camaradas mais radicais domesticados, a “política de comunicação” é mais eficaz.

O PS não resolveu um problema muito sério: nunca admitiu os erros que os seus governos cometeram e que provocaram o desastre de 2011. A culpa foi sempre de outros (e é sempre assim para os socialistas). Primeiro, em 2011, da “crise internacional” e da cobiça do PSD pelo poder. Depois, da deriva “neo-liberal” do governo de Passos e de Portas que foi “além da troika”. O PS foi incapaz de fazer uma reflexão séria sobre o que aconteceu em 2011, e sobre as responsabilidades dos seus governos. Por isso, não foi capaz de mudar. Essa incapacidade resulta da natureza dos socialistas desde os anos de Guterres: o partido tornou-se uma máquina de poder. A sua vocação e as suas clientelas exigem que não esteja muito tempo fora do poder.

Costa percebeu que os portugueses não poderiam continuar a ver o PS como um partido despesista. Foi a única lição que retirou de 2011. Mas uma coisa é convencer os portugueses que o PS já não é despesista; outra coisa, bem diferente, é mudar de políticas económicas. O resultado foi a redução dramática no investimento público na saúde, na educação e nos transportes públicos. Pelo meio, terá havido alguns truques nas finanças públicas. Só saberemos depois do PS deixar o governo. Mas a relutância de Centeno em continuar como ministro das Finanças deixa antever o pior.

A famosa “política de comunicação” criou outro problema. A promessa de restituição de rendimentos, cortados pelas “políticas neo-liberais da direita”, resultou num clima de facilitismo no país e de protestos. Onde se traça a fronteira na restituição de rendimentos? Mais, por que razão haverá um governo de restituir nuns casos e dizer que não a outros? Por que razão o governo não dá aos enfermeiros e aos professores o que eles pedem? Não eram os “neo-liberais“ que retiravam? Por que razão os socialistas não dão? Não foi isso que Costa disse aos portugueses desde o dia em que chegou a São Bento? Começa a crescer a ideia de que o PS governa sem rumo e sem estratégia. Decide de um modo arbitrário e segundo os interesses do momento. E que perante as dificuldades, se esconde e fica atrapalhado.

A acumulação de sarilhos e de trapalhadas começa a transformar a “política de comunicação” em propaganda que já não convence. Os portugueses não se esqueceram nem do modo como subitamente Guterres deixou o governo quando tudo estava tão bem, nem da bancarrota de 2011 quando Portugal era um exemplo no meio da crise internacional. Há uma certeza que temos em relação aos governos socialistas: está tudo a correr muito bem até ao dia em que começa tudo a correr muito mal. É o momento em que finalmente a “política de comunicação” se torna curta de mais para a realidade.

Nós sabemos que Costa também enfrentará esse momento. Só não sabemos quando será, antes ou depois de Outubro? E daqui até Outubro ainda falta muito tempo, sobretudo para um governo que vive de comunicação e ignora a realidade.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD

Rui Rio precisa do eleitorado de direita /premium

João Marques de Almeida

O eleitorado de direita deve obrigar Rui Rio a comprometer-se que não ajudará o futuro governo socialista a avançar com a regionalização e a enfraquecer o Ministério Público. No mínimo, isto.

Política

Os idiotas úteis da esquerda /premium

João Marques de Almeida
1.425

Pacheco Pereira e Marques Lopes querem fazer carreira na comunicação social como os cronistas de direita que atacam a direita. Eles querem ser a “direita” que a esquerda gosta.

Igualdade

Mulheres no poder /premium

João Marques de Almeida
304

O feminismo transformou a causa justa da igualdade de oportunidades na visão radical da “igualdade de género”. A igualdade de género é um disparate, é falsa e visa alcançar outros objectivos políticos

Parlamento Europeu

Portugal poucachinho na Europa. E cá?

Bruno Martins

Se estes são os representantes que conseguimos ter, então não é de espantar que os Portugueses tenham cada vez menos interesse na Europa e que a abstenção continue a aumentar nessas eleições.

Combustível

Teorias da conspiração /premium

Manuel Villaverde Cabral

A única coisa que não sabemos ao certo acerca da greve dos camionistas é se o governo a combate a sério, servindo-se para isso da implantação do PS na organização do patronato, ou se finge combatê-la.

Combustível

Uma história de hipocrisia /premium

Paulo Tunhas
447

António Costa precisa, quanto mais não seja por causa da dúbia origem do seu poder, de afirmar constantemente a sua autoridade. Daí também ter encenado um espectáculo sem par.

Educação

Cheques de Ensino

Diogo Fernandes Sousa

Com os cheques de ensino se um pai se enganasse afetaria apenas o seu filho. Agora, se um político se engana no Ministério da Educação, como sucede regularmente, afeta toda uma geração de estudantes

Combustível

Os motoristas e o mercado

Jose Pedro Anacoreta Correira

Quando o Governo não consegue instrumentalizar politicamente os sindicatos, passa ao ataque. A luta e defesa dos trabalhadores é só para trabalhadores do Estado e filiados na CGTP.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)