Maioria de Esquerda

Não íamos “virar a página da austeridade”?

Autor
1.797

À medida que a demagogia dos propagandistas da esquerda radical que impulsionaram a “geringonça” vai colidindo com a realidade, o “virar de página da austeridade” dará lugar a ainda mais austeridade.

Hospitais. Pagamentos em atraso subiram para 605 milhões de euros: “Um valor superior aos atuais 605 milhões de euros de pagamentos em atraso não era registado desde fevereiro de 2015. O valor mais baixo foi o registado em setembro de 2015, mas as dívidas em atraso dos hospitais EPE começaram a disparar a partir de janeiro deste ano.”

Escolas sem dinheiro para luz e água: “Há agrupamentos de escolas prestes a ficar sem dinheiro para pagar despesas correntes, como as faturas de água ou eletricidade.”

Grávidas e doentes com apoios em atraso: “O portal das queixas da Segurança Social regista centenas de reclamações por causa de atrasos nas prestações compensatórias – subsídios que os trabalhadores não receberam por motivo de baixa prolongada, por exemplo.”

Hospital pede papel higiénico a doentes: “O hospital de Portimão está a pedir aos familiares de doentes internados que tragam de casa champô, gel de banho, papel higiénico e toalhas.”

A sucinta amostra de notícias diz respeito às últimas semanas e evidencia algumas das consequências mais imediatamente visíveis da encenação do suposto “fim da austeridade” levada a cabo pela “geringonça”. Era evidente já em Outubro de 2015 que o país não tinha dinheiro para pagar mais socialismo, mas o imperativo político de acabar com a austeridade para alguns está muito rapidamente a conduzir a pesados custos para os portugueses em geral – com particular incidência nos grupos mais desfavorecidos, com menos capacidade reivindicativa e com menos acesso aos corredores do poder.

O facto de, por artes mágico-mediáticas da “geringonça”, a “austeridade” se ter passado a chamar “rigor” é fraca consolação para quem esteja consciente da gravidade da situação a que a actual maioria de esquerda está a conduzir o país. A reversão das tímidas reformas do anterior governo, o crescimento económico anémico, o incumprimento dos objectivos de redução do défice, a delicada situação do sistema bancário nacional e a crescente descredibilização face às instituições europeias são factores que apontam todos no sentido de uma nova crise, de consequências difíceis de prever na nova conjuntura europeia e mundial.

À medida que a demagogia dos propagandistas da esquerda radical que impulsionaram a “geringonça” vai colidindo com a realidade, fica cada vez mais claro que o prometido “virar de página da austeridade” acabará por conduzir a um novo capítulo com ainda mais austeridade. Desde Passos Coelho às instituições europeias – sem esquecer os “mercados” – não faltarão bodes expiatórios a quem apontar o dedo no momento do colapso, mas nessa altura importará recordar que foi a “geringonça” quem fracassou estrondosamente no cumprimento das suas promessas.

Professor do Instituto de Estudos Políticos da Universidade Católica Portuguesa

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Liberalismo

Anthony de Jasay (1925-2019)

André Azevedo Alves

Com uma personalidade de trato nem sempre fácil e ideias heterodoxas e politicamente incorrectas, Jasay fez o seu percurso maioritariamente à margem do sistema académico vigente. 

Ensino Superior

A fraude da eliminação das propinas

André Azevedo Alves
893

Aos 18 anos os jovens poderiam votar, mas estariam ao mesmo tempo sujeitos à frequência compulsiva de um “ciclo geral universitário” para receberem a adequada doutrinação socialista.

Maioria de Esquerda

A austeridade pelo racionamento /premium

Helena Garrido
2.132

Caos nos transportes, filas intermináveis em serviços públicos e listas de espera ou condições degradadas no SNS. São reflexos das escolhas políticas do Governo. Como agora reconhece António Costa.

Maioria de Esquerda

Nauseante /premium

Alexandre Homem Cristo
462

Não se deve aceitar que quem branqueia opressão política na Coreia do Norte e justifica miséria e ataques contra a população na Venezuela participe numa maioria parlamentar num país democrático.

Crónica

Portugal, país-slime /premium

Helena Matos
153

Estão a ver aquela massa viscosa com que as crianças se entretêm? O slime, claro. Portugal está a tornar-se num país-slime, onde os valores são moldados a gosto e a responsabilidade não  existe.

Política

Podemos falar de coisas sérias?

Salvador Furtado

Outubro já não está assim tão distante, e o governo sabe isso. Mas o assunto da maior carga fiscal de sempre? E o da corrupção? E o de sermos um dos países com um dos piores crescimentos da zona euro?

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)