Rádio Observador

Racismo

O coração racista só tem uma cor: preto e branco /premium

Autor
153

A confirmar-se que escrever parvoíces dá cadeia, acho que prefiro correr o risco e abraçar o sonho antigo de uma carreira no tráfico internacional de orgãos humanos. Sempre se viaja para sítios novos.

Que semana inolvidável ao nível da tolerância, sã convivência étnica e respeito pelo ser humano. Tudo começou com um artigo no Público em que a historiadora Maria de Fátima Bonifácio explanou uma versão do clássico “Isto os negros e os ciganos é tudo a mesma corja”. Na sequência deste despautério, Mamadou Ba, do SOS Racismo, exigiu que a senhora seja presa por dizer estas parvoíces. E eu neste momento confesso que estou na expectativa. A confirmar-se que escrever parvoíces dá cadeia, acho que prefiro correr o risco e abraçar o meu sonho antigo de uma carreira no tráfico internacional de orgãos humanos. Em vez de estar em casa sentado ao computador, sempre se viaja para sítios novos e conhece-se imensas pessoas. Algumas delas mesmo muito intimamente.

Acaba por ser pena esta desavença entre Maria de Fátima Bonifácio e Mamadou Ba, porque na verdade creio que se conversassem um bocadinho entender-se-iam às mil maravilhas. A Maria de Fátima acha que os negros e os ciganos são inferiores pelo simples facto de serem negros e ciganos. O Mamadou acha que os negros e os ciganos — só eles e todos eles — devem sentir-se pessoalmente ofendidos por estas estupidezes pelo simples facto de serem negros e ciganos. No fundo ambos concordam que é a dosagem de melanina no organismo de um indivíduo que comanda a vida. E não o sonho, como muita gente pensava, parvamente. Tipo o Martin Luther King, que tinha aquele sonho pateta das pessoas não serem julgadas pela cor da pele mas pela qualidade do carácter e tal.

Enfim, felizmente estão a ser dados passos decisivos no combate ao racismo, nomeadamente na indústria cinematográfica. Agora que Daniel Craig anunciou a sua reforma enquanto James Bond crescem os rumores que a atriz britânica de origem jamaicana Lashana Lynch será a nova agente 007. Claro que isto obrigará a algumas mudanças nos filmes, mas se eu mandasse mantinha as Bond Girls. Estou em crer que uma agente secreta que além de ser mulher e negra fosse também homossexual faria, aí sim, maravilhas pelo combate a toda a sorte de preconceito.

Mas esta será apenas a primeira de muitas novidades na saga 007. Por exemplo, nos próximos filmes protagonizados pela nova agente secreta já não vai haver aqueles gadgets tecnológicos todos, típicos dos filmes do 007. Não que as mulheres não possam adorar engenhocas inovadoras, claro. Isso seria sexista. Não haverá gadgets porque o MI-6, para cumprir quotas de género, teve de contratar uma engenheira para substituir o velhinho Q. Engenheira essa que já tinha entrado no curso de engenharia através de quotas. Depois de ter ido para Letras no 10º ano para fugir à matemática. Resultado: há muita justiça social, sim senhor; jigajogas espectaculares é que nem vê-las.

E esqueçam desde já os mauzões tipo Dr. No e Raoul Silva, ou a vilã interpretada por Grace Jones. O primeiro era um semi-asiático com mãos prostéticas, o segundo resvalava um bocadinho para a homossexualidade e a terceira era uma mulher negra. Ora, nos dias que correm toda a gente sabe que é impossível alguém com estes tipos de perfis engendrar velhacarias. Daqui para a frente o vilão dos filmes 007 será sempre um opressor homem caucasiano heterossexual, passe a redundância. E nem precisa de arquitectar planos maquiavélicos para destruir o mundo. Basta aparecer e estar quieto. Ali, sossegado, ele é o símbolo máximo da malvadez e da perfídia. E agora que penso nisso até sei quem seria o actor ideal para o papel: o próprio Daniel Craig. O futuro ex-James Bond é, nos tempos que correm, o protótipo de vilão do James Bond. Pois é, parece que isto deu a volta. Como as calças à boca de sino, que afinal já são cool outra vez. Agora é só aguardar com calma que as coisas dêem a volta de novo e tudo regresse ao normal.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Incêndios

Quem dera que este kit fosse um KITT /premium

Tiago Dores

A realidade mostra que o executivo não está a alijar responsabilidades. Isto porque se o governo quisesse mesmo sacudir a água do capote haveria já água suficiente no país para apagar fogos até 2157.

Racismo

O mérito não tem cor de pele nem etnia

João Pedro Marques
381

Os activistas querem implementar quotas e outros mecanismos compensatórios e precisam desesperadamente de argumentos científicos para justificar esse seu propósito. É gato escondido com rabo de fora.

Europa

Para uma etiologia da “política de identidades”

Guilherme Valente

É a ameaça de uma sociedade comunitarista, fragmentada, tribalizada e regressiva que se configura. Anti-humanista e anti-universalista, contra o melhor do espírito europeu. E contra uma Europa unida.

Racismo

Quotas? Pura campanha política

Teresa Cunha Pinto
135

O verdadeiro racismo reside em aceitar que determinada etnia precisa de medidas especiais para chegar a certos lugares. Se há constrangimentos a este nível não serão as quotas que os vêm diminuir.

Racismo

Liberdade ou violação dos Direitos Humanos?

João André Costa

Distopia é esta vergonha de viver num país e numa língua onde não existe uma palavra para quem tem a pele negra. Preto? É insultuoso. Negro? Negros eram os escravos. Pessoas de cor? É supremacista.  

Privacidade

Gratuito é mentira

João Nuno Vilaça

Que estamos a ceder em troca destas aplicações e serviços gratuitos? A nossa alma? Quase. Estamos a ceder os nossos dados, que são extremamente valiosos e pessoais. São o recurso mais valioso do mundo

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)