Rádio Observador

Politicamente Correto

Os autocarros do amor

Autor
1.284

Felizmente, à revelia da propaganda que tanta “vender” os transportes públicos a título de amigos do ambiente ou da circulação urbana, há jornalistas sem medo de os denunciar como os amigos do deboche

Só entravam nele passageiros, jovens bem bonitos e solteiros
Logo a seguir noutra paragem, entrou uma moça na viagem
Olhando para todos perguntou, que carro é este em que eu vou?
É o autocarro do amor, logo respondeu o revisor
O Autocarro do Amor (Os Taras e Montenegro, 1969)

Uma candidata à câmara de Lisboa propôs a segregação de “géneros” no metro local e, sem cedência a falsos pudores ou à hipocrisia, destapou um dos maiores dramas nacionais: o abuso sexual das mulheres nos transportes públicos, pelo menos nos da capital. Corajosa, Joana Amaral Dias não hesita em imitar métodos usados, para fins raciais, na África do Sul do apartheid ou no Alabama de 1950. Democrata, Joana Amaral Dias concede que a utilização dos lugares “protegidos” seja facultativa – as senhoras sérias escolhem-nos; as galdérias, se assim quiserem, permanecem na zona da pouca-vergonha.

Naturalmente, um assunto desta gravidade não podia ficar por aqui, para cúmulo quando a gravidade raia o inominável. A polémica, como é típico das polémicas, instalou-se. E, de acordo ou em desacordo com a segregação, os testemunhos pungentes sucederam-se. Nas “redes sociais”, uma arguta jornalista de investigação, célebre por ter namorado com um trapaceiro sem suspeitar de nada, escreveu: “quero q (sic) as miúdas (sic) d (sic) 11 possam andar na rua sem lhes pedirem broches. não (sic) quero q (sic) andem em autocarros so (sic) p (sic) meninas. quero (sic) q (sic – tenham paciência) a lei as proteja”. Em resposta a este apelo angustiado, outra alegada jornalista, filha do presidente da Assembleia da República (juro), acrescentou: “Quero que andem de autocarro sem receio de que um gajo qualquer se encoste a elas para se vir entre uma paragem e outra.”

Embora não penetre (vade retro) um autocarro desde 1989, não me passa pela cabeça duvidar de gente séria. Parece-me evidente que alguma coisa medonha acontece na Carris e similares, cujos veículos estão aparentemente repletos de exibicionistas apreciadores de fellatio e ejaculadores precoces. Não me parece evidente a maneira de as referidas jornalistas chegarem a informação tão detalhada. Sugiro duas hipóteses. A primeira é o recurso a fontes qualificadas: as senhoras nunca entram em autocarros, mas convivem diária e proximamente com depravados que o fazem com propósitos sórdidos e, desculpem o jargão científico, heterobadalhocos. A segunda hipótese é a observação directa: as senhoras frequentam os ditos autocarros e são, elas próprias, alvo dos pervertidos agora denunciados. Em qualquer dos casos, as senhoras deviam rever o rumo das respectivas vidas. Em qualquer dos casos, os poderes políticos deviam actuar com a pressa e o vigor adequados.

Falo, evidentemente, da abolição dos transportes públicos. Mesmo sem a presença de maluquinhos desejosos de repetir as proezas do filme erótico da CMTV da noite anterior, viajar encostado a resmas de desconhecidos é actividade assaz desagradável e avessa a uma existência sadia. Na presença dos maluquinhos, então, torna-se uma aventura de alto risco, que urge erradicar. Por mim, sempre desconfiei que o lóbi dos transportes públicos, que berra há décadas contra o bom e velho automóvel, era coisa de tarados. Não imaginava que o fosse literalmente.

Perante isto, é ainda mais assustadora a simpatia que o citado lóbi colhe junto de governos, autarquias, energias “renováveis” e activistas “verdes” ou maduros. Se já deprimia o empenho fiscal e legislativo e policial com que se tenta demover os cidadãos de viajar na propriedade privada e na privacidade devida, é grotesco que semelhante empenho esteja, afinal, ao serviço de líbidos desarranjadas. Felizmente, à revelia da propaganda que procura “vender” os transportes públicos a título de amigos do ambiente ou de amigos da circulação urbana, há jornalistas sem medo de os denunciar como os amigos do deboche que de facto são.

Convém mostrar-lhes que não estão sozinhas. De hoje em diante, sentarmo-nos ao volante do nosso carro deixará de ser um simples pormenor quotidiano. Será, sobretudo, um gesto de solidariedade para com as mulheres assediadas e de resistência aos vastos interesses do assédio, desses que se movem na sombra ou debaixo da gabardina. No sossego do Audi ou do Fiat, os únicos tarados – ou, em prol da igualdade, taradas – são aqueles que convidamos. E as únicas vítimas são as que pagam impostos.

Notas de rodapé

1. Não me aborrece viver num país cujos governantes abandonam entrevistas à primeira pergunta “incómoda”, como agora aconteceu com o sr. Costa na Rádio Renascença. Mas é triste viver num país cujos jornalistas ainda comparecem a entrevistas com espécimes assim. Refiro-me, claro, aos jornalistas que mantêm uma réstia de vergonha. Os restantes cumprem exacta e escrupulosamente o papel deles.

2. A propósito da “polémica” dos livrinhos de exercícios “para o menino” e “para a menina”, recentemente aberta por analfabetos funcionais, o gabinete de comunicação da Porto Editora enviou-me um e-mail a esclarecer que os ditos livrinhos voltaram às livrarias, “no quadro”, cito, “do exercício pleno da liberdade de expressão da autora e das ilustradoras, bem como da liberdade de edição, respeitando estes valores fundamentais numa sociedade livre e democrática”. Fica a nota, o aplauso à Porto Editora e a suspeita de que a referência à sociedade livre e democrática é força de expressão. Nem tudo está bem quando acaba bem, sobretudo se começa demasiado mal.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições

A evaporação da democracia /premium

Alberto Gonçalves
1.472

Cantando e rindo, os portugueses marcham para o abismo e só darão por ele quando se esbardalharem lá em baixo. Ou, palpita-me, nem aí. Não seria a primeira vez.  

Politicamente Correto

Se eu tivesse um jornal

Vítor Cunha
259

Talvez não me importe com o que o leitor pensa ou, então, não me importo é com o que a dita intelligentsia pensa de mim, até porque se há coisa que a intelligentsia abdica é de pensar seja o que for.

Politicamente Correto

Morte aos epicenos e a quem os apoiar!

José Ribeiro e Castro
410

Nunca agradeceremos bastante à 13ª Legislatura por jorrar luz nos pedregosos caminhos da gramática nacional, varrendo o obscurantismo das letras e expurgando de formas traiçoeiras a escrita patriótica

Liberdades

Também tu, Universidade de Harvard?

Luís Ribeiro
190

Viver na espuma dos acontecimentos, sem aprofundar as consequências, leva a isto: cai um preconceito, mas é logo substituído por outro. O preconceito racial é substituído pelo preconceito do #MeToo.

Crianças

Os chimpanzés não contam histórias

Eduardo Sá
3.089

Uma escola de Barcelona retirou livros como "A Bela Adormecida" e o "Capuchinho Vermelho", por as considerarem histórias tóxicas ou sexistas. E o mais grave é que esta onda populista não parece parar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)