Rádio Observador

Bloco de Esquerda

Os fascistas /premium

Autor
4.879

Para o Bloco de Esquerda, que passa o tempo a sugerir proibições, tudo o que abomina é “fascista”: eu, você, dois terços do eleitorado, quatro quintos do Ocidente, nove décimos do mundo democrático...

O culto religioso dos ídolos. A exaltação da “juventude”. O desejo de educar as massas. A veneração da “pureza” e do “ideal”. A simplicidade totalitária. A obsessão pela “dinâmica” e pelo “progresso”. O apego a visões míticas. A promoção de dogmas. O recurso à censura. A recusa do capitalismo. A necessidade de bodes expiatórios. O apreço selectivo pelos direitos humanos. A centralização da economia. O asco pela ordem anterior. O fascínio por uma ordem nova. O uso das “franjas” para a conquista do “sistema”. A distribuição de privilégios pelas “cúpulas”. A invenção de inimigos em prol da coesão interna. O desprezo pelos regimes representativos. O anti-semitismo, perdão, sionismo. O anti-americanismo, perdão, americanismo. O combate aos hereges. A estratégia de desmultiplicação por grupos postiços. O ódio à liberdade, a de expressão e as demais. O controlo dos “media”. A aplicação jovial da demagogia e da mentira. À semelhança de todas as organizações comunistas, e salvaguardando pequenas ressalvas (a troca da “raça” pela “classe”), o Bloco de Esquerda é técnica e evidentemente fascista.

Não quero sugerir que os seus dirigentes deviam ser presos, ou pendurados num poste pela língua, ou no mínimo calados. Dado que, ao contrário deles, não sou fascista, nunca me passou pela cabeça abolir ou condicionar as opiniões de ninguém. Nos dias em que acordo do lado certo, até me divirto com a retórica de maluquinhos, e acredito piamente que quem não se ri com o Acampamento de Verão do Bloco de Esquerda morreu por dentro. Nos dias restantes, posso ter pena, e tenho, de o país onde vivo sofrer a catastrófica influência de um gangue de parasitas e alucinados, no exacto sentido em que, nas respectivas épocas, resmas de russos, alemães, cubanos, cambojanos, ugandeses, italianos ou venezuelanos lamentaram as desgraças que lhes caíram em cima. Só isso. Não prezo o famoso paradoxo do sr. Popper, que recomenda intolerância para com os intolerantes. Entre o risco e a proibição, qualquer pessoa civilizada hesita imenso e acaba por preferir o primeiro. E qualquer fascista escolhe num ápice a segunda.

Os fascistas do Bloco de Esquerda vivem a sugerir proibições, numa actualização oportuna do chavão do Maio 68 que muito estimam: “É proibido proibir – tudo o que não coincida com o pensamento e a obra de Sua Eminência, Francisco Anacleto Louçã”. O resto é para dizimar com urgência. A que título? O título de “fascista”, num curioso exercício do que o vulgo designa por hipocrisia e os estudiosos por “projecção psicológica”, leia-se o hábito de atribuir a outros características próprias. Tudo o que o Bloco de Esquerda abomina é “fascista”: eu, você, dois terços do eleitorado, quatro quintos do Ocidente, nove décimos do mundo democrático, etc. A sanha é tal que, pelo caminho, acontece ao Bloco de Esquerda chamar “fascista” a fascistas de facto. Ou quase.

Ao invés do paizinho, que partilha uns 95% do evangelho do Bloco de Esquerda, não consta que Marine Le Pen seja exactamente fascista. Isso, porém, está longe de representar um obstáculo para os discípulos do dr. Louçã. Há décadas, o dr. Louçã tentou em vão sabotar a vinda a Portugal do sr. Jean-Marie. Agora, os discípulos repeliram com sucesso a filha. Resumo, com fastio, os pormenores: a senhora fora convidada para discursar num patetice intitulada Web Summit, presumivelmente dedicada à inovação e à criatividade; o Bloco de Esquerda rosnou promessas de excomunhão; os responsáveis pela patetice cederam aos transtornados e desconvidaram a senhora; meio país achou o episódio justo e higiénico, como dantes se achava justa e higiénica a fogueira para os ímpios; o governo e a oposição concordam por aplauso ou omissão; Portugal continua a desfilar o género de modernidade em que a Bolívia se especializou.

Perante o desfecho, o Bloco de Esquerda supõe haver motivos para celebrar. Supõe mal. A cegueira infantil dos fascistas impele-os com frequência a atitudes infantis, por exemplo a de acreditar que impedir a participação da sra. Le Pen numa feira caipira impede a divulgação do respectivo discurso. É chato (não é nada) informá-los, mas a tecnologia mudou um bocadinho desde os bucólicos tempos do camarada Trotsky, em que um campo de concentração chegava para obliterar definitivamente os infiéis, desculpem, “a burguesia urbana e rural”. Hoje, o que quer que a sra. Le Pen defenda está disponível através de inúmeros e incontroláveis meios. Se a rábula do Bloco de Esquerda conseguiu alguma coisa foi convencer uma data de gente normalmente desinteressada a pesquisar na “net” informação sobre a líder da Frente Nacional. E depois a descobrir as abundantes parecenças da FN com o BE, ainda que em versão menos ridícula. E menos fascista, passe a redundância.

O engraçado – cruz, credo – é que de tanto se esconjurar fascismos duvidosos, o autêntico ameaça tomar conta disto.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições

A evaporação da democracia /premium

Alberto Gonçalves
1.472

Cantando e rindo, os portugueses marcham para o abismo e só darão por ele quando se esbardalharem lá em baixo. Ou, palpita-me, nem aí. Não seria a primeira vez.  

Liberalismo

De onde vem a riqueza?

Telmo Ferreira

A riqueza vem das instituições políticas e económicas que permitem uma sociedade pluralista que consiga aproveitar todos os benefícios da liberdade individual e económica.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)