A fim de exibir a radical ignorância dos americanos (mas não, curiosamente, dos franceses, dos vietnamitas ou dos líbios), é costume dizer-se que estes não identificam os outros países no mapa. Pelos vistos, resmas de portugueses são incapazes de identificar o próprio: nas respectivas provas de aferição, quase metade dos nossos catraios de 10 e 11 anos olham para um mapa da Europa e não reconhecem a próspera e orgulhosa nação em que vivem (94% dos americanos em idade escolar reconhecem a deles, decerto ajudados pela dimensão da dita). Aliás, a maioria também não chega a distinguir a Europa da Ásia, África ou América. Suspeito que nem sequer imaginam a existência de continentes, excepto daqueles em que os pais fazem as compras.

E não é tudo. Segundo o responsável por um Instituto de Avaliação Educativa (IAVE), cuja falta se sentia, o problema com a Geografia é, cito, “transversal”. Ou seja, os alunos caseiros não discriminam nada e são igualmente péssimos nas demais disciplinas. Na Matemática, por exemplo, “revelam grandes dificuldades com o conceito da divisão” (presumo que nos “conceitos” restantes sejam uns Newtons). Na língua, a de Camões e do dr. Costa, a chatice prende-se com “a interpretação de textos e a capacidade de os redigir corretamente” – leia-se (quando possível) só não sabem ler e escrever.

À superfície, a coisa não é grave. É verdade que as crianças nacionais não têm grande tendência para os livros, as teorias, a abstracção, a compreensão, a análise, o palavreado, os números e aquelas gerais minudências que dantes separavam os humanos do orangotango médio. Porém, talvez se destaquem nas aptidões físicas. É isso. Ao invés de produzir choninhas, fabricamos resmas de grandes atletas, candidatos a jantaradas presidenciais entre coches e a levar enxertos de porrada em Alcochete. É assim, não é? Não é? Não? Não.

Desgraçadamente, e para maior escândalo, as provas de aferição “desportivas” (digamos) concluíram que boa parte dos fedelhos não sabe saltar à corda ou executar uma simples cambalhota. Em linguagem técnica (regresso ao IAVE, e com imenso prazer), “sendo a execução correta da cambalhota o resultado de um processo formal de ensino-aprendizagem, pode inferir-se que a cambalhota à frente poderá ser objeto de maior atenção em sala de aula”. Sábias e belas palavras, demonstrativas de que, além de burras como portas, as crianças portuguesas dispõem da agilidade de uma. É o aumento desta multidão de génios que o dr. Rio pretende forçar o contribuinte a patrocinar, a dez mil euros cada? Parece um investimento infalível. Infalível e urgente.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.