Foi a 1 de Abril de 2017, salvo o erro, que recebi o telefonema do sujeito. Eu estava no aeroporto de Orlando, a ver uma pequena tempestade cancelar sucessivos voos para Nova Iorque, e conhecia o sujeito de nome. Dias antes, o sujeito chegara a director, sob ordens do director de facto, da revista para a qual eu escrevia há 13 anos. O telefonema começou com cumprimentos efusivos e terminou, um minuto depois, com o meu afastamento da tal revista. Por isto e por aquilo, não fiquei espantado, ou demasiado aborrecido. Além de ser escusado, não me ocorreu queixar-me, ou questionar o direito de empregadores, sejam proprietários ou capatazes, despacharem empregados, sejam avençados ou “fixos”. Apenas me ocorreu responder ao funcionário da Delta Airlines que entretanto me chamara e, finalmente, apanhar um avião. Houve nuvens negras durante toda a viagem, mas pairavam lá em baixo. Não voltei a pensar no sujeito, e só ocasionalmente voltei a pensar nas consequências do meu breve contacto com ele. A vida, ou lá o que é, continua.

E continuou até 27 de Dezembro de 2018, quando pela primeira vez o Facebook me mostrou a ligação para um artigo do sujeito, publicado nesse dia no site da referida revista. Segui a ligação. Li o artigo. Cito pedaços: “António Costa vai entrar em 2019 com condições políticas invejáveis. Pode ser um ano de sonho. Termina a legislatura com uma popularidade imbatível, pode ganhar as eleições com maioria absoluta ou, no cenário menos bom, escolher o parceiro que quiser para uma nova geringonça.”; “A economia permanece numa trajectória de recuperação e os portugueses, como se tem visto nesta quadra natalícia, andam tão felizes nas compras que não nutrem qualquer simpatia pelas profissões que protestam por via da greve”; “(…) a já lendária lucidez de António Costa (…)”. O artigo, cuja parte disponível citei quase na íntegra, não terminava aqui: o resto era reservado a assinantes, coisa que não sou.

Sou, porém, um maluquinho por contemplar as figuras a que alguns se prestam para ganhar o pão de cada dia. Pelo que decidi procurar artigos anteriores do sujeito, que jamais lera. Valeu a pena, e vale a pena insistir nas citações: “António Costa vai acelerar para o seu grande objectivo que é ganhar com maioria absoluta. Por isso, fez uma operação de remodelação e gestão política quase perfeita.”; “Costa afinou a máquina e ela promete ser diabólica na corrida até à meta. Remodelou a tempo para ganhar a sério.”; “(…) o pragmatismo e instinto político de António Costa (…)”; “Os bons resultados da geringonça são de António Costa e do PS”; “A vida de António Costa está cada vez mais fácil. O primeiro-ministro é o pêndulo essencial da política de alianças governativas à esquerda e à direita (…)”; “O primeiro-ministro sabe que, acidentes de percurso à parte, (…) o vento sopra a seu favor. Os portugueses já acabaram 2017 com mais dinheiro no bolso – que bem se viu nas compras de Natal – e vão continuar esse efeito em 2018.”; “Costa cometeu uns erros, disse uns disparates!? É certo que não foi um exemplo de sensibilidade política e social, em certos momentos. Mas é o timoneiro, tem uma enorme popularidade e é reconhecido como o homem certo no lugar certo. Enquanto as contas andarem bem, ninguém o derruba do poleiro. (…) Nas contas, não há político mais realista do que ele…”. Etc. Etc. Etc.

Não identifico o sujeito porque não é preciso e porque não quero personalizar um “estilo” que, na pobreza da linguagem e na curvatura das vértebras, é afinal colectivo e praticamente o padrão-ouro dos comentadores pátrios. O facto de dormirem sossegados é um rombo na indústria dos ansiolíticos. A fim de simular isenção, salpicam pelos comentários críticas a ministros fugazes, lamentam determinadas decisões governamentais ou a falta delas, desancam no “eng.” Sócrates sempre que as directivas mandam, brincam com o ocasional (e raríssimo e humano e perdoável) “deslize” do primeiro-ministro para legitimar (eles, coitados, dizem “credibilizar”) o resultado pretendido: a descarada propaganda do dr. Costa e dos poderes que o dr. Costa representa. É fascinante a jovialidade com que se eleva a um estatuto próximo do génio político alguém que, sob qualquer perspectiva, não passa de uma irrelevância manhosa. Removido o verniz que os seus bajuladores inventaram, quem é o dr. Costa? No máximo, um veterano da pequena intriga partidária, um especialista em tropeçar na verdade e na gramática, um videirinho descarado, um rústico sem noção, o chefe oportuno de um bando repulsivo à vista e à decência. Ou, na ponderada definição dos devotos, “o timoneiro”.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.